CLÉRIO'S HOME PAGE
CLÉRIO JOSÉ BORGES DE SANT´ANNA                                             VOLTAR



"A Academia, trabalhando pelo conhecimento [...], buscará ser, com o tempo, a guarda da nossa língua. Caber-lhe-á então defendê-la daquilo que não venha das fontes legítimas, - o povo e os escritores, - não confundindo a moda, que perece, com o moderno, que vivifica. Guardar não é impor; nenhum de vós tem para si que a Academia decrete fórmulas. E depois, para guardar uma língua, é preciso que ela se guarde também a si mesma, e o melhor dos processos é ainda a composição e a conservação de obras clássicas."

Machado de Assis,
Academia Brasileira de Letras
Dia 7 de dezembro de 1897


ORIGEM DAS ACADEMIAS DE LETRAS

  A Academia original foi uma escola fundada em 387 a.C., próxima a Atenas, pelo filósofo Platão. Nessa escola, dedicada às musas, onde se professava um ensino informal através de lições e diálogos entre os mestres e os discípulos, o filósofo pretendia reunir contribuições de diversos campos do saber como a filosofia, a matemática, a música, a astronomia e a legislação. Seus jovens seguidores dariam continuidade a este trabalho que viria a se constituir num dos capítulos importantes da história do saber ocidental.

A escola era formada de uma biblioteca, uma residência e um jardim. Pela tradição, este jardim teria pertencido a ACADEMUS - herói ateniense da guerra de Tróia (século XII a.C.), e por isso era chamado de ACADEMIA.

As mais conhecidas academias gregas foram a Antiga Academia, fundada por Platão, que teve entre seus mestres o matemático Eudóxio de Cnido, e como discípulos, entre outros, Aristóteles, Xenócrates e Espeusipo; a chamada Academia do Meio, fundada pelo filósofo platônico grego Arcesilaus e a Nova Academia, fundada pelo filósofo cético grego Carneades. Essa tradição que deu origem a todas as academias e universidades de ensino superior do Ocidente foi interrompida com o seu fechamento pelo imperador romano Justiniano em 529 d.C.

Diversas academias de poetas e artistas se estabeleceram na França e na Itália nos séculos XIII e XIV. A Accademia Platonica, fundada em Florença por volta de 1440, foi a mais famosa academia da Renascença italiana. Ela se dedicou a aprofundar o estudo da obra de Platão, ao aprimoramento da língua italiana e ao estudo de Dante.


BIOGRAFIA DE PLATÃO

PLATÃO, filósofo grego nasceu em Atenas em 427 a.C. e morreu em 347 a.C. É considerado um dos principais pensadores gregos, pois influenciou profundamente a filosofia ocidental. Suas idéias baseiam-se na diferenciação do mundo entre as coisas sensíveis (mundo das idéias e da inteligência) e as coisas visíveis (seres vivos e a matéria). Filho de uma família de aristocratas, começou seus trabalhos filosóficos após estabelecer contato com outro importante pensador grego: Sócrates. Platão torna-se seguidor e discípulo de Sócrates. Em 387 a.C, fundou a Academia, uma escola de filosofia com o propósito de recuperar e desenvolver as idéias e pensamentos socráticos. Convidado pelo rei Dionísio, passa um bom tempo em Siracusa, ensinando filosofia na corte.

Ao voltar para Atenas, passa a administrar e comandar a Academia, destinando mais energia no estudo e na pesquisa em diversas áreas do conhecimento: ciências, matemática, retórica (arte de falar em público), além da filosofia. Suas obras mais importantes e conhecidas são: Apologia de Sócrates, em que valoriza os pensamentos do mestre; O Banquete, fala sobre o amor de uma forma dialética; e A República, em que analisa a política grega, a ética, o funcionamento das cidades, a cidadania e questões sobre a imortalidade da alma.


Idéias de Platão para a educação

Platão valorizava os métodos de debate e conversação como formas de alcançar o conhecimento. De acordo com Platão, os alunos deveriam descobrir as coisas superando os problemas impostos pela vida. A educação deveria funcionar como forma de desenvolver o homem moral. A educação deveria dedicar esforços para o desenvolvimento intelectual e físico dos alunos. Aulas de retórica, debates, educação musical, geometria, astronomia e educação militar. Para os alunos de classes menos favorecidas, Platão dizia que deveriam buscar um trabalho a partir dos 13 anos de idade. Afirmava também que a educação da mulher deveria ser a mesma educação aplicada aos homens.


Frases de Platão

"O belo é o esplendor da verdade".

"O que mais vale não é viver, mas viver bem".

"Vencer a si próprio é a maior de todas as vitórias".

"O amor é uma perigosa doença mental".

"Praticar injustiças é pior que sofrê-las".

"A harmonia se consegue através da virtude".

"Teme a velhice, pois ela nunca vem só".

"A educação deve possibitar ao corpo e à alma toda a perfeição e a beleza que podem ter".


ACADEMIA FRANCESA

A Academia Francesa - que serviu de modelo à Academia Brasileira - foi fundada, em 1635, por iniciativa ddo Cardeal Richelieu que obteve a autorização para seu funcionamento do rei Luís XIII, com a principal finalidade de tornar a língua francesa " pura, eloqüente, e capaz de tratar das artes e ciências." A Academia Francesa tem cumprido essa missão, também, através das sucessivas edições de seu Dicionário. Oito edições já foram realizadas entre 1694 e 1932, estando em curso os trabalhos da nona edição. As entradas do Dicionário são conservadoras e sempre ilustradas através de citações literárias; termos chulos, gíria e expressões coloquiais são evitados. Essa mesma orientação foi seguida na Gramática da Academia Francesa publicada em 1932.

Constituída por quarenta cadeiras, cujos ocupantes perpétuos são eleitos, depois de se apresentarem como candidatos a uma vaga, apresentando suas qualificações. O novo acadêmico toma posse discursando em agradecimento à Academia e realizando o elogio de seu antecessor.

Marcos históricos recentes da Academia Francesa foram a eleição do primeiro estrangeiro, Julian Green, romancista americano que escrevia em francês, em 1971, e da primeira mulher acadêmica, Marguerite Youcenar, em 1981. Neste último caso, a Academia Brasileira, com a eleição de Rachel de Queiroz em 1977, antecedeu em quatro anos sua congênere francesa.

FUNDAÇÃO DA ABL
ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS

Na segunda metade do século XIX, o Rio de Janeiro já apresentava uma vida literária marcada pelas reuniões de escritores e publicações de periódicos voltados para a literatura. Pontos de encontro, como as livrarias Laemmert e, posteriormente, a Garnier, mantinham a regularidade dessas reuniões onde participavam nomes como Oliveira Lima, Rodrigo Otávio, Pedro Tavares, o jovem Graça Aranha e outros. Já nessas rodas, o centro era a inteligência irônica da personalidade discreta de nosso escritor maior: Machado de Assis.
Essa vontade gregária também se manifestava pelas personalidades boêmias que viriam a se reunir no clube Rabelais, fundado, em 1892, por Araripe Júnior e Raul Pompéia. O escritor e acadêmico Josué Montello, em seu O Presidente Machado de Assis, nos lembra, citando as Minhas Memórias dos Outros de Rodrigo Octavio, que Nabuco, Taunay e Machado não quiseram aderir ao "barulhento Rabelais".

Nesses grupos e encontros, acenava-se com a necessidade da criação de uma agremiação que reunisse os expoentes da literatura brasileira. As reuniões da Revista Brasileira, sob a direção de José Veríssimo, tiveram um papel decisivo na criação da Academia idealizada, principalmente, por Lúcio de Mendonça.

A idéia de Lúcio de Mendonça era a criação de uma Academia de Letras sob a égide do Estado, que recusou a proposta. Criou-se, então, como uma sociedade civil de direito privado, ou como se chamaria hoje, como uma organização não-governamental, a Academia Brasileira de Letras.

AS PRIMEIRAS SESSÕES DA ACADEMIA

A primeira sessão preparatória realizou-se em 15 de dezembro de 1896, às três horas da tarde, na sala de redação da Revista Brasileira, na travessa do Ouvidor, nº 31. Nessa mesma sessão foi aclamado presidente Machado de Assis.

A sétima e última sessão preparatória foi realizada a 28 de janeiro de 1897, à qual compareceram dezesseis membros: Araripe Júnior, Artur de Azevedo, Graça Aranha, Guimarães Passos, Inglês de Souza, Joaquim Nabuco, José Veríssimo, Lúcio de Mendonça, Machado de Assis, Medeiros e Albuquerque, Olavo Bilac, Pedro Rabelo, Rodrigo Octavio, Silva Ramos, Visconde de Taunay e Teixeira de Melo. Foram incorporados como membros aqueles que haviam comparecido às sessões preparatórias anteriores: Coelho Neto, Filinto de Almeida, José do Patrocínio, Luís Murat e Valentim Magalhães. Foram convidados para participar como fundadores, e aceitaram, Afonso Celso Júnior, Alberto de Oliveira, Alcindo Guanabara, Carlos de Laet, Garcia Redondo, Pereira da Silva, Rui Barbosa, Sílvio Romero e Urbano Duarte. Tinha-se, assim, trinta membros.

Tomando como modelo a Academia Francesa, foram criadas quarenta cadeiras. Para completar as dez seguintes, os dezesseis membros presentes na sessão de 28 de janeiro elegeram Aluízio de Azevedo, Barão de Loreto, Clóvis Beviláqua, Domingos da Gama, Eduardo Prado, Luís Guimarães Júnior, Magalhães de Azeredo, Oliveira Lima, Raimundo Correia e Salvador de Mendonça. Ainda nesta sessão aprovam-se os Estatutos que vão assinados por Machado de Assis, presidente; Joaquim Nabuco, secretário-geral; Rodrigo Octavio, 1º secretário; Silva Ramos, 2º secretário; e Inglês de Souza, tesoureiro.

A primeira sessão plenária da Academia realizou-se a 20 de julho de 1897, com a presença de dezesseis membros, numa sala do Pedagogium, na rua do Passeio. Depois de uma breve alocução introdutória do presidente Machado de Assis e da leitura da memória dos atos preparatórios por Rodrigo Octavio, Joaquim Nabuco pronunciou o discurso inaugural.

Desde a sessão de 21 de julho de 1959, ficou resolvido que a fundação da Academia seria comemorada a 20 de julho de cada ano.


VISITAS GUIADAS

Iniciadas como parte das comemorações do primeiro centenário da Academia, as visitas guiadas ao Petit Trianon são realizadas com grande sucesso de público, atraindo estudantes de vários pontos do país interessados em conhecer a Casa de Machado de Assis.

Informações e Reservas: Visitas guiadas são realizadas às segundas, quartas e sextas-feiras, em duas sessões, às 14 e às 16 horas.

Academia Brasileira de Letras
Av. Pres. Wilson 203, Castelo
Rio de Janeiro, 20030-021, RJ
Tel: (0xx21) 3974 2500
E-mail: academia@academia.org.br



ACADEMIA DE LETRAS E ARTES DA SERRA, ES
Origem histórica - Assembléia Geral de Fundação - Eventos - Diretorias

MUNICÍPIO DA SERRA - ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - BRASIL - O Município da Serra, localizado na Região Metropolitana da Grande Vitória, capital do Estado do Espírito Santo, na Região Sudeste do Brasil possui uma tradição cultural. De 1880 a 1903 a Serra teve os seus tempos áureos, com muita riqueza, luxo e cultura e a cidade era conhecida como "Grécia Capixaba" e "Atenas Capixaba", este último título também atribuído a cidade de Cachoeiro de Itapemirim no sul do Estado. Nas Escolas da Serra eram ministradas aulas de Francês e os filhos dos proprietários de terras iam estudar na França e de lá mandavam regularmente, tecidos e perfumes franceses para parentes e amigos. A Serra já teve a sua casa de espetáculos de 1911 a 1950. A Sociedade Dramática "Francisco Salles", conforme notícia do Jornal “A Serra” de 12/02/1911 e que recebeu tal nome em homenagem a Francisco José dos Santos Salles. Funcionava num prédio que foi demolido pelo Prefeito Rômulo Leão Castello, em 1950, para melhoramento da cidade, pois o prédio atrapalhava o trânsito na antiga Avenida Gonçalves Dias, hoje, Avenida Getúlio Vargas. Era um local de apresentações dramáticas e posteriormente chegou a ser usado como Cinema com exibição de filmes de sucesso. A Serra é também um Município altamente industrializado. Em contraste com a industrialização existe o rico folclore e as belezas naturais como o Mestre Álvaro e 23 km de praias. Entre as manifestações culturais estão as Bandas de Congo que tradicionalmente se apresentam com desenvoltura e beleza na Festa de São Benedito no dia 26 de Dezembro de cada ano.

RESUMO - A ALEAS, Academia de Letras e Artes da Serra, Município da Serra - ES - foi fundada no dia 28 de agosto de 1993, na Sede da Câmara Municipal da Serra, em reunião presidida pelo Escritor, Poeta e Trovador Capixaba, Clério José Borges de Sant Anna, morador de Eurico Salles, Distrito de Carapina, no Município da Serra. Na ocasião é formada a primeira Diretoria da ALEAS, são lidos e aprovados os Estatutos, e procede-se a admissão dos primeiros Acadêmicos fundadores. A sessão foi solene com Clério José Borges sendo eleito primeiro Presidente da ALEAS. Discursaram Clério José Borges, Carlos Dorsch e Naly da Encarnação Miranda, o qual foi aclamado Presidente de Honra da entidade. Na fundação da ALEAS foram registradas as presenças de três Vereadores: Izolina Márcia Lamas da Silva, Pedro Paulo de Souza Nunes e João Luiz Teixeira Corrêa. Trinta e sete pessoas assinaram o Livro de Presenças, conforme registro no Cartório do 1º Ofício, Registro das Pessoas Jurídicas da Serra, com o N.º 3.978, datado de 25 de Agosto de 1995. Livro A-2, N.º 142. No dia 11 de março de 1994, cerca de sete meses depois da fundação, a ALEAS realiza sessão solene de posse de todos os Acadêmicos Fundadores na Serra Sede. Integravam a mesa que presidiu os trabalhos: Gercino Cláudio Soares, Delegado Chefe DPJ da Serra; Deputado Federal João Coser; MM Juiz Paulo Luppi; Prefeito de Ibiraçu, Adélio Ceccato; Ex-prefeito da Serra, Dr. Naly da Encarnação Miranda; Escritor Clério José Borges; Desembargador Antônio Miguel Feu Rosa. A ALEAS possui 40 Acadêmicos. Nos últimos 20 anos presidiram a ALEAS: Clério José Borges de Sant Anna, por duas vezes, (de 1993 a 1995 e 2012 a 2014). Naly da Encarnação Miranda, uma vez (de 1995 a 1996). Marcello Furtado, uma vez, (de 1996 A 1997). Sandra Regina Bezerra Gomes, por seis vezes (de 1997 a 2009) e Paulo Ribeiro Walter de Negreiros, uma vez, (de 2009 a 2012). O atual Presidente é Clério José Borges. Contatos: clerioborges@hotmail.com - Telefone: 27 - 92 57 82 53.

ORIGEM HISTÓRICA - (Detalhes) - Há muitos anos existia na Serra a idéia de criação de uma Academia de Letras. Faltava contudo alguém para tomar a iniciativa do movimento. Clério José Borges, morador de Eurico Salles, como Presidente do Clube dos Trovadores Capixabas elabora em agosto uma carta convocatória encaminhada a intelectuais Serranos e a reunião é marcada para o dia 28 de agosto de 1993, na Câmara Municipal da Serra, presidida pelo próprio Clério. Na ocasião é formada a primeira Diretoria da ALEAS, são lidos e aprovados os Estatutos, e procede-se a admissão dos primeiros Acadêmicos fundadores. Na mesma ocasião definiu-se também a Sigla da entidade como ALEAS, palavra que em Latim significa Sorte. De "Alea jacta est", que significa "a sorte está lançada", frase de Júlio César, às margens do Rubicão. O latim é uma antiga língua indo-europeia do ramo itálico originalmente falada no Lácio, a região do entorno de Roma (Itália).

A reunião do dia 28/08/1993 foi solene com o canto do Hino Nacional e discursos de Clério, Carlos Dorsch e Naly da Encarnação Miranda. Clério José Borges, organizador da reunião, foi aclamado Presidente e uma Diretoria foi organizada, sendo Naly da Encarnação Miranda, ex- Prefeito Municipal da Serra por duas vezes, aclamado, por sugestão de Clério, Presidente de honra da Academia. Clério, como Presidente Executivo ficou com o objetivo de organizar o Sodalício e promover a posse dos 40 Acadêmicos Titulares. Registrou-se a presença de três Vereadores: Márcia Lamas, Pedro Paulo de Souza Nunes e João Luiz Teixeira Corrêa. Trinta e sete pessoas assinaram o Livro de Presenças, conforme registro no Cartório do 1º Ofício, Registro das Pessoas Jurídicas da Serra, com o N.º 3.978, datado de 25 de Agosto de 1995. Livro A-2, N.º 142.

DIRETORIA DA ALEAS - De 28/08/1993 a 28/08/1995

PRIMEIRA DIRETORIA - A primeira diretoria da ALEAS ficou assim constituída: Presidente: Clério José Borges de Sant’Anna; Vice-Presidente: Getunildo Pimentel; Primeiro Secretário: Carlos Dorsch; Segundo Secretário: Sandra Geralda Amorim Bunges; Tesoureiro: Galbo Benedicto Nascimento; Orador e Presidente de Honra: Naly da Encarnação Miranda.
Conselho Cultural - Efetivos: Narceu de Paiva Filho; Naly da Encarnação Miranda; Humberto Aires de Moura e Silva; Walter Francisco Assis e Luiza Rocha Vinhosa. Suplentes: Marcela Marques; Clério José Borges de Sant Anna; Lino Armando Baroni; Carlos Dorsch e Teodorico Boa Morte.
Conselho Fiscal - Titulares: Carlos Nodier Fraga de Miranda; Valdemir Ribeiro Azeredo e Adir Ribeiro. Suplentes: Presciliano Carlos do Amaral, Izolina Márcia Lamas da Silva e Pedro Paulo de Souza Nunes.

Na mesma reunião foi definida a sede provisória da entidade. Foram oferecidas as instalações da Sociedade Musical Estrela dos Artistas, sita a Avenida Getúlio Vargas, 133, Centro, Serra, ES. Com a mudança da Diretoria em 28 de Agosto de 1997 a Sede provisória da ALEAS, por questões administrativas e de facilidade para contatos, passou a ser a casa do Fundador e primeiro Presidente, Clério José Borges, na Rua dos Pombos, 2 - Eurico Salles, Carapina, Serra, ES, endereço que é mantido na atualidade.

A primeira Diretoria presidida por Clério José Borges realizou diversas reuniões e Sessões Solenes:

1 - SESSÃO SOLENE DE POSSE. Foi uma Sessão Solene de posse coletiva, ocorrida no dia 11 de março de 1994, realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra. Na posse dos novos Acadêmicos Imortais registrou-se as presenças de quatro Juizes de Direito, três Deputados Estaduais, o Prefeito de Ibiraçu, Adélio Ceccato; o Vice-Prefeito da Serra, Cilso Ribeiro, Vereadores da Serra, Vitória e Vila Velha e representantes das Polícias Civil (Delegado Chefe do DPJ da Serra, Dr. Gercino Cláudio Soares) e Militar, além do povo em geral. A solenidade foi realizada na sede da Assembléia de Deus da Serra, na rua Major Pissarra no Centro da cidade. O Juramento foi lido pela Acadêmica Cleusa Lourdes Madureira Vidal, e após a solenidade houve um coquetel na sede do Serra Futebol Clube, localizado nas proximidades.

Além do prestígio da presença de diversas autoridades, inclusive a presença do ex-governador Max Mauro, a ALEAS recebeu ofícios de congratulações de diversas Academias de Letras do Brasil e inclusive um Telegrama de Saudação do então Presidente da República do Brasil, Itamar Franco. Outra presença destacada foi a do então Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo, Desembargador Antônio José Miguel Feu Rosa, o qual como Acadêmico Fundador da ALEAS tomou posse na cadeira de N.º 30, cujo patrono é seu pai, Pedro Feu Rosa.

A ALEAS não congrega somente Escritores com livros publicados, mas também músicos, jornalistas, artesãos e poetas. Como a Academia Brasileira de Letras e a Academia de Letras de Paris, França, a ALEAS adotou 40 Cadeiras, para os Acadêmicos Titulares. A ALEAS tornou-se conhecida nacionalmente, tendo a sua fundação merecido telegramas e cartas de felicitações de diversas outras entidades brasileiras e escritores do Brasil.

2 - CONGRESSO ESTADUAL DE CULTURA - No dia 13 de maio de 1995, a ALEAS promoveu o Primeiro Congresso Estadual de Cultura, com participação de representantes da Academia Espirito-santense de Letras; Academia Cachoeirense de Letras; Academia Feminina Espirito-santense de Letras; Academia de Letras "Humberto de Campos", de Vila Velha; Conselho Estadual de Cultura; Casa de Cultura de Linhares; Casa de Cultura de Afonso Cláudio; Departamento de Cultura de Vila Velha, Cariacica e de Vitória; Casa de Cultura de Domingos Martins; Representantes das Cidades da Grande Vitória, São Mateus, Colatina e Santa Maria de Jetibá. Representando o Prefeito Municipal da Serra esteve presente o Secretário Municipal de Turismo, Cultura, Esporte e Lazer, Geraldo Magela. Mais de 150 pessoas assinaram o Livro de Presenças. O Congresso foi realizado na Igreja dos Reis Magos em Nova Almeida.

O evento contou ainda com exposição de pinturas, artesanato, Banda de Música “Estrela dos Artistas” e Banda de Congo Mirim de Nova Almeida. A Viação Praiana colaborou com a promoção com dois ônibus especiais que serviram para o transporte dos participantes do evento e da Banda de Música “Estrela dos Artistas”. O almoço dos congressistas foi oferecido gratuitamente no restaurante “Cara de Índio” em Nova Almeida, num patrocínio de beneméritos, do comércio e indústria da Serra que cobriram 80% das despesas. O Presidente Clério Borges cobriu o restante do valor total.

A tesouraria da ALEAS não teve nenhuma despesa no evento. A empresa Divulgue, do acadêmico Humberto Aires de Moura e Silva, colocou Outdoor divulgando o evento. O Jornal e a TV Gazeta promoveram ampla divulgação do Congresso da Aleas. Coube a Secretaria Municipal de Turismo e Cultura oferecer o som ambiente na Igreja dos Reis Magos. O Bando Congo Mirim de Nova Almeida, sob a coordenação do vereador José Bento foi um destaque aparte pela beleza da apresentação.

3 - SESSÃO SOLENE PÓSTUMA - No dia 24 de março de 1995 foi realizada um Sessão Solene de Homenagem Póstuma ao Acadêmico, Prof. Narceu de Paiva Filho. Narceu foi o primeiro Imortal Acadêmico da ALEAS  a falecer. Seu falecimento ocorreu em Ibiraçu a 4 de março de 1995. Na solenidade de homenagens póstumas, organizada pela Diretoria da ALEAS compareceram entre outras autoridades, o Prefeito de Ibiraçu, Adélio Ceccato e o ex-Prefeito daquele Município, Marcus Vicente.

4 - SESSÃO SOLENE DE POSSE - No dia 26 de Agosto de 1994 tomaram posse como Acdêmicos da ALEAS, Wilton Simas da Rocha, Maria de Fátima Leandro de Jesus, Paulo Roberto Luppi e Elzita Gomes Ferreira.

5 - SESSÃO SOLENE DE POSSE - No dia 16 de Dezembro de 1994 tomou posse como Acadêmico da ALEAS, o Jornalista Marcello Furtado, que então exercia o cargo de Sub Secretário de Turismo, Cultura, Esporte e Lazer da Serra.

DIRETORIA DA ALEAS - De 28/08/1995 a 29/08/1997

SEGUNDA DIRETORIA - Ainda sob a presidência de Clério José Borges, no dia 25 de Agosto de 1995, foi realizada a Assembléia Geral de Eleição da Segunda Diretoria da ALEAS, ocasião em que foi eleito Presidente da ALEAS, Naly da Encarnação Miranda, ficando como Vice, Marcello Furtado, 1º Secretário, Antônio Cesar Campos Tackla; 2º Secretário: Manoel Custódio Ferreira; Tesoureiro, Galbo Benedicto Nascimento e Orador, Antônio Cesar Campos Tackla.

Dia 28 de Agosto de 1995. O Presidente Clério José Borges empossa a Segunda Diretoria da ALEAS, em Sessão solene, no Salão Nobre da Secretaria de Turismo, Cultura, Esporte e Lazer da Prefeitura Municipal da Serra, na Rua Cassiano Castello. 22, Serra, Centro, ocasião em que foram empossados como Acadêmicos Titulares, João Luiz Castelo Lopes Ribeiro, (fundador que não havia tomado posse no dia 11 de março de 1994), na Cadeira 4; Paulo Roberto Walter de Negreiros, na Cadeira 18; Carlos Augusto Leitão Morandi, na Cadeira 28 e Esdras Lima Veloso de Oliveira, na Cadeira 39. Na ocasião houve uma Exposição individual do Artista Plástico Temi Verçosa (Acrílico sobre casca de madeira in natura) e lançamento do Livro "Moedas Mentais" do Poeta Carlos Morandi. Com o falecimento de Naly da Encarnação Miranda no dia 21 de Setembro de 1996, assumiu a presidência da ALEAS o Acadêmico vice-presidente, Marcello Furtado.

DIRETORIAS DA ALEAS - De 29/08/1997 a 14/10/2009

No dia 29 de Agosto de 1997 tomou posse em Sessão Solene no Auditório do Fórum da Serra, a terceira Diretoria da ALEAS, com mandato até 28 de Agosto de 1999, assim constituída: Presidente: Sandra Gomes; Vice Presidente: Clério José Borges; 1º Secretário: Sandra Geralda Amorim Bunges; 2º Secretário: Maria de Fátima Leandro de Jesus; Tesoureiro: Valdemir Ribeiro de Azeredo. Oradora: Cleusa Lourdes Madureira Vidal.

Em 1999 a referida Diretoria foi reeleita por mais dois anos. É a quarta Diretoria da ALEAS. Através de Convocação publicada no Diário Oficial do Estado, no dia 27 de Julho de 2001, página 20, em 28 de Agosto de 2001, na Sede Social da Banda Estrela dos Artistas, na Serra Sede foi eleita a quinta Diretoria com mandato até 28 de Agosto de 2003.

Os Acadêmicos Sandra Gomes e Clério José Borges são reeleitos Presidente e Vice, respectivamente em 28 de Agosto de 2003, em 2005, 2007 até 14 de Outubro de 2009. Na Administração Sandra Regina Bezerra Gomes de 1999 a 2009 foi instituído o Prêmio Maracajaguaçu de Cultura, conferido a Personalidades Culturais do Município e o título de "Mulher do Ano - Personalidade Feminina, Judith Leão Castello", honraria concedida no Dia Internacional da Mulher para Personalidades Femininas do Município.

No dia 19 de Outubro de 2009 em Assembléia Geral, na sede provisória da ALEAS, em Eurico Salles é realizada a eleição da nona Diretoria da Aleas. Presidente da Diretoria Executiva: Paulo Roberto Ribeiro Walter de Negreiros. Vice-Presidente: Clério José Borges de Sant Anna. 1ª Secretária: Sandra Regina Bezerra Gomes. 2º Secretário: Galbo Benedicto Nascimento. Tesoureiro: José Vieira da Silva Filho. Orador: João Luiz Castelo Lopes Ribeiro. CONSELHO FISCAL. 1º Conselheiro e Presidente: Aurélio Carlos Marques de Moura. 2º Conselheiro e Secretário do Conselho: Teodorico Boa Morte. 3º Conselheiro: Adir Ribeiro. SUPLENTES DO CONSELHO FISCAL: 1º Suplente: Eci Scardini. 2º Suplente: Pedro Paulo de Souza Nunes. 3º Suplente: Cleusa Lourdes Madureira Vidal.

DÉCIMA DIRETORIA DA ALEAS

No dia 06 de Agosto de 2012, o Presidente Paulo Negreiros renuncia ao cargo de Presidente da ALEAS, assumindo o vice Presidente Clério José Borges de Sant Anna, que de imediato publica o Edital datado de 07 de Agosto de 2012, convocando os Acadêmicos para a Assembléia Geral Extraordinária para Eleição e posse da Diretoria da ALEAS para o período de 2012 a 2014. No dia 28 de Agosto de 2012 é eleita a Décima Diretoria da ALEAS: Chapa “ALEAS SEMPRE”, assim constituída: Diretoria (Artigo 23 do Estatuto). Presidente: Clério José Borges de Sant Anna; Vice-presidente: Sandra Regina Bezerra Gomes; 1ª Secretária: Maria de Fátima Leandro de Jesus; 2º Secretário: Teodorico Boa Morte; Tesoureiro: Adir Ribeiro; Orador: Paulo Roberto Ribeiro Walter de Negreiros. Conselho Cultural (Artigo 31 do Estatuto). Membros Efetivos: Clério José Borges de Sant Anna; Sandra Regina Bezerra Gomes; Teodorico Boa Morte; Adir Ribeiro; Paulo Roberto Ribeiro Walter de Negreiros. Suplentes: Gilson Gomes; Valdemir Ribeiro Azeredo; José Vieira da Silva Filho; Galbo Benedicto Nascimento; Maria de Fátima Leandro de Jesus. Conselho Fiscal (Artigo 33 do Estatuto): Presidente (Letra c, do artigo 34 do Estatuto), Valdemir Ribeiro Azeredo. 2° Membro Efetivo e, secretário designado pelo Presidente do Conselho Fiscal, (conforme a letra c, do artigo 34 do Estatuto), José Vieira da Silva Filho. 3º Membro Efetivo: Galbo Benedicto Nascimento. 1º Membro Suplente: Esdras Lima Veloso de Oliveira. 2º Membro Suplente: Lino Armando Baroni e 3° Membro Suplente: José Vieira da Silva Filho.

A Diretoria comandada por Clério José Borges de imediato arregaça as mangas, identificando Cadeiras Vagas por falecimento de Acadêmicos e promovendo para Acadêmicos Correspondentes e os que são identificados como "desaparecidos" e residentes em outros Municípios. São Divulgados os Editais de Números 002, 003 e 004, para preenchimento de Vagas de Acadêmicos Titulares e Correspondentes, o que ocorre na Assembléia Geral Extraordinária de 09 de Outubro de 2012, com posse de todos eleitos em 25 de Outubro de 2012, em Solenidade realizada na Câmara Municipal da Serra, Palácio Judith Leão Castelo Ribeiro e Plenário Flodoaldo Borges Miguel. UM evento lindo maravilhoso que contou com a presença dos Senhores Acadêmicos e do Presidente da Câmara Municipal da Serra, Vereador Raul Cesar Nunes e da Vice Prefeita da Cidade da Serra, ES, Madalena Santana Gomes.


Fotos da Assembléia Geral Extraordinária de Posse de 13 Acadêmicos Titulares e Quatro Acadêmicos Correspondentes ocorrida na Câmara Municipal da Serra no dia 25 de Outubro de 2012.

ACADEMIA DE LETRAS E ARTES DA SERRA - ALEAS

Presidentes da ALEAS

1993-1995 - Clério José Borges de Sant Anna
1995-1996 - Naly da Encarnação Miranda
1996-1997 - Marcello Furtado
1997-1999 - Sandra Regina Bezerra Gomes
1999-2001 - Sandra Regina Bezerra Gomes
2001-2003 - Sandra Regina Bezerra Gomes
2003-2005 - Sandra Regina Bezerra Gomes
2005-2007 - Sandra Regina Bezerra Gomes
2007-2009 - Sandra Regina Bezerra Gomes
2009-2012 - Paulo Roberto Ribeiro Walter de Negreiros
2012-2014 - Clério José Borges de Sant Anna


VÍDEOS E FOTOS DE EVENTOS DA ALEAS

   

   


ESCRITOR CAPIXABA É HOMENAGEADO COM MEDALHA AFONSO PENA

Academia de Letras do Brasil - Belo Horizonte - Minas Gerais

Clério José Borges homenageado na Academia de Letras do Brasil - Silvia Motta Belo Horizonte MG Belo Horizonte, MG, dia 23 de Agosto de 2011 - Em solenidade presidida pelo Dr. Mário Carabajal, Presidente Nacional Fundador da ALB - Academia de Letras do Brasil e com a coordenação geral da Acadêmica Sílvia de Lourdes Araújo Motta, Escritora, Poeta, Doutora em Filosofia Universal, Cadeira 2 (dois) de Minas Gerais, Presidente “pro tempore” da ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL-ALB de MINAS GERAIS, realizada na sede do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais, na Rua Guajajaras 1268, (sobreloja), Belo Horizonte, Minas Gerais, receberam a Medalha do Mérito Cultural AFONSO PENA e foram empossados como Acadêmicos Imortais, seguidores de Platão, os Escritores Capixabas, CLÉRIO JOSÉ BORGES DE SANT ANNA e KÁTIA MARIA BOBBIO LIMA, respectivamente Presidente e Vice Presidente do CTC, Clube dos Poetas Trovadores Capixabas. A solenidade que foi muito bem organizada contou com a Diplomação de mais 38 Acadêmicos Imortais entre as quais a premiadíssima Escritora de Minas Gerais, Zeni de Barros Lana. No evento duas brilhantes apresentações musicais, inclusive a do Coral Luís de Camões, que foi aplaudido de pé por todos os presentes.





VOLTAR


Copyright © 2004 - 2012 - All Rights Reserved: CJBS