CLÉRIO'S HOME PAGE
CLÉRIO JOSÉ BORGES DE SANT´ANNA                                VOLTAR

ACADEMIA DE LETRAS E ARTES DA SERRA - ALEAS
Fundada em 28 de Agosto de 1993



ACADEMIA DE LETRAS E ARTES DA SERRA - ALEAS

Presidentes da ALEAS

1993-1995 - Clério José Borges de Sant Anna
1995-1996 - Naly da Encarnação Miranda
1996-1997 - Marcello Furtado
1997-1999 - Sandra Regina Bezerra Gomes
1999-2001 - Sandra Regina Bezerra Gomes
2001-2003 - Sandra Regina Bezerra Gomes
2003-2005 - Sandra Regina Bezerra Gomes
2005-2007 - Sandra Regina Bezerra Gomes
2007-2009 - Sandra Regina Bezerra Gomes
2009-2012 - Paulo Roberto Ribeiro Walter de Negreiros
2012-2014 - Clério José Borges de Sant Anna

ACADÊMICOS TITULARES DA ALEAS
Situação em 01 de Janeiro de 2013.


1. MARIA SUZI COSTA NUNES. - Tel.: 99 95 47 79. suzidoc@hotmail.com;

2. CLÉRIO JOSÉ BORGES. Tel.: 3328 07 53/ 9257 82 53 / clerioborges@hotmail.com;

3. CARLOS DORSCH.

4. JOÃO LUIZ CASTELLO LOPES RIBEIRO.

5. EDILSON CELESTINO FERREIRA. Tel.: 99 96 61 31 / edilsoncelestino@hotmail.com; efedilson@gmail.com;

6. MÁRCIA ANDRÉIA MONTARROYOS CARVALHO. mmontarroyos685@gmail.com; Tel.: 33 28 55 75 / 98 72 80 90.

7. GALBO BENEDICTO NASCIMENTO.

8. WALTER FRANCISCO DE ASSIS.

9. RENATO SASTRE PRATINI. Telefone: 9956 68 42 / 30 67 04 81. renatopratini@gmail.com;

10. SANDRA GERALDA AMORIM BUNGES.

11. MICHEL DAL COL COSTA. Tel.: 97 34 86 53 / micheldalcolcosta2@gmail.com

12. MÁRCIA LAMAS DA SILVA.

13. HUMBERTO AIRES DE MOURA E SILVA.

14. PEDRO PAULO DE SOUZA NUNES.

15. TEODORICO BOA MORTE. - 9812 74 26 / teodoricoboamorte@yahoo.com.br

16. ECI SCARDINI.

17. ROGÉRIO DE MORAIS MARTINS.

18. PAULO ROBERTO RIBEIRO WALTER DE NEGREIROS. negreirospaulo@bol.com.br / negreirospaulo@hotmail.com; Tel.: 99 63 80 72

19. VALDEMIR RIBEIRO AZEREDO.

20. ADIR RIBEIRO. Tel.: 99 42 41 61 / adir.ribeiro@hotmail.com;

21. JOSÉ VIEIRA DA SILVA FILHO.

22. GIVALDO INÁCIO DA SILVA, MESTRE GIL. Tel.: 99 12 20 08 / gil.inacio@hotmail.com;

23. AURÉLIO CARLOS MARQUES DE MOURA.

24. FÁBIO LUIZ MIRANDA BOA MORTE. Tel.: 99 25 12 74 / capixaba135@gmail.com;

25. JOVALDIR PASCHOAL BONGESTAB.

26. LEVI BASÍLIO. basiacademicos@gmail.com; basiliopoeta33@yahoo.com.br Tel.: 98 17 70 49.

27. EDUARDO MENDONÇA.

28. SONÍSIO DAMIÃO PIMENTEL.

29. JOÃO MIGUEL FEU ROSA.

30. EDSON CARLOS SOUZA DOS REIS. Tel.: 99 61 44 62 / fotografoedsonreis@gmail.com;

31. LINO ARMANDO BARONI.

32. JOSÉ MARTINS A. JÚNIOR, CANTOR JÚNIOR BOCCA. Tel.: 9832 22 45 jrbocca@hotmail.com;

33. GILSON GOMES. Fundador.

34. SANDRA GOMES.

35. MARIA DE FÁTIMA LEANDRO DE JESUS. fatima-leandro50@hotmail.com; Tel.: 99 47 19 82 / 81 16 48 71.

36. ANTÔNIO CESAR CAMPOS TACKLA.

37. MARCOS ARRÉBOLA.

38. PAULO ROBERTO LUPPI.

39. YURI GIULLIANO BASTOS MALAQUIAS. Tel.: 99 18 22 41. yurimalaquias@hotmail.com;

40. ODMAR PÉRICLES NASCIMENTO. Tel.: 98 46 40 85 / odmarnas@uol.com.br;


ACADÊMICOS CORRESPONDENTES

01 - MARIA DO ROSÁRIO SILVA SANTOS.

02 - ALBÉRCIO NUNES VIEIRA MACHADO. 3238 07 85 / 99 31 90 79. albercionunes@hotmail.com

03 - BERENICE ALBUQUERQUE TAVARES

04 - HILÉIA ARAÚJO DE CASTRO.

05 - MARGARIDA RAMOS BARCELOS

06 - MADALENA SANTANA GOMES




RELAÇÃO DE CADEIRAS, PATRONOS E ACADÊMICOS TITULARES E CORRESPONDENTES



ACADEMIA DE LETRAS E ARTES DA SERRA- ES - BRASIL.

CADEIRA N.º 01, Patrono  Braz Lourenço. 1º Acadêmico Titular: Naly da Encarnação Miranda. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994. Faleceu em 21 de Setembro de 1996. A Cadeira foi declarada VAGA, quando em AGE foi preenchida pelo Professor Peixoto. 2º Acadêmico Titular: Antônio José Peixoto Miguel, professor emérito da FAESA. Foi eleito para ocupar a vaga de Dr. Naly em Dezembro de 1999, tendo aceitado e tomado posse numa festa num Cerimonial do bairro Parque Residencial Laranjeiras, em maio de 2001. Faleceu na manhã da quinta feira, dia 23 de março de 2006. A Cadeira foi declarada VAGA em 28/08/2012, quando em AGE foi preenchida pelo Produtora Cultural Suzy Nunes. 3ª Acadêmica Titular: MARIA SUZI COSTA NUNES. Eleita em Assembléia Geral Extraordinária da ALEAS do dia 09 de Outubro de 2012. Tomou posse na AGE - Assembléia Geral Extraordinária, Sessão Solene de posse, realizada na Câmara Municipal da Serra em 25 de Outubro de 2012.

CADEIRA N.º 02, Patrono Índio Maracajaguaçu. 1º Acadêmico Titular: CLÉRIO JOSÉ BORGES. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, quando foi eleito primeiro Presidente. Tomou posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi logo em seguida na mesma noite, no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra. (Nas proximidades do Salão da Assembléia de Deus, onde a posse foi realizada).

CADEIRA N.º 03, Patrono, Xenócrates Calmon de Aguiar.  1º Acadêmico Titular: CARLOS DORSCH. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra.

CADEIRA N.º 04, Patrono: Judith Leão Castello Ribeiro. 1º Acadêmico Titular: JOÃO LUIZ CASTELLO LOPES RIBEIRO. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, mas somente tomou posse oficialmente no dia 28 de março de 1995, em cerimônia realizada no 2º Andar da antiga Secretaria Municipal de Turismo Cultura Esporte Lazer, na Av. Cassiano Castelo, 22, Centro. A posse foi juntamente com os Acadêmicos Paulo Negreiros, Carlos Morandi e Esdras Veloso.

CADEIRA N.º 05, Patrono: Elpídio Pimentel. 1º Acadêmico Titular: Getunildo Pimentel. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, quando foi eleito Vice Presidente. Tomou posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra. Faleceu no dia 24/07/2010. A Cadeira foi declarada VAGA em 28/08/2012, quando em AGE realizada na mesma data foi preenchida pelo Escritor Edilson. 2º Acadêmico Titular: EDILSON CELESTINO FERREIRA. Eleito em Assembléia Geral Extraordinária da ALEAS do dia 28 de Agosto de 2012. Tomou posse na AGE - Assembléia Geral Extraordinária, Sessão Solene de posse, realizada na Câmara Municipal da Serra em 25 de Outubro de 2012.

CADEIRA N.º 06, Patrono: Antônio Cícero Pereira Pinto.  1º Acadêmico Titular: Anthístenes Loureiro. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra. Faleceu no dia 14 de Janeiro de 2008. A Cadeira foi declarada VAGA em 28/08/2012, quando em AGE realizada na mesma data foi preenchida pela Poetisa e Jornalista Marcia Montarroyos. 2ª Acadêmica Titular: MÁRCIA ANDRÉIA MONTARROYOS CARVALHO. Eleita em Assembléia Geral Extraordinária da ALEAS do dia 28 de Agosto de 2012. Tomou posse na AGE - Assembléia Geral Extraordinária, Sessão Solene de posse, realizada na Câmara Municipal da Serra em 25 de Outubro de 2012.

CADEIRA N.º 07, Patrono: Hilário Duarte. 1º Acadêmico Titular: GALBO BENEDICTO NASCIMENTO. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra.

CADEIRA N.º 08, Patrono: Rogério dos Reis Norbin. 1º Acadêmico Titular: WALTER FRANCISCO DE ASSIS. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra.

CADEIRA N.º 09, Patrono: Kosciuszko Barbosa Leão.  1º Acadêmico Titular: CARLOS NODIER FRAGA DE MIRANDA, Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra. Em AGE - Assembléia Geral Extraordinária da ALEAS, de 25 de Outubro de 2012 foi promovido à condição de Correspondente por residir em Guarapari, mudança respaldada no Artigo 7º do Estatuto da ALEAS que versa sobre os Acadêmicos Correspondentes. 2º Acadêmico Titular: Será eleito dia 21/11/2012.

CADEIRA N.º 10, Patrono Aristóbulo Barbosa Leão. 1ª Acadêmica Titular: SANDRA GERALDA AMORIM BUNGES. Fundadora. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra.

CADEIRA N.º 11, Belmiro Geraldo Castello.  1º Acadêmico Titular: Carlos Gonçalo Amaral. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra. Faleceu. A Cadeira foi declarada VAGA em 28/08/2012. Em AGE realizada em 09/10/2012, a Cadeira foi preenchida pelo Historiador Michel Dal Col. 2º Acadêmico Titular: MICHEL DAL COL COSTA. Eleito em Assembléia Geral Extraordinária da ALEAS do dia 09 de Outubro de 2012. Tomou posse na AGE - Assembléia Geral Extraordinária, Sessão Solene de posse, realizada na Câmara Municipal da Serra em 25 de Outubro de 2012.

CADEIRA N.º 12, Patrona: Adélia Almeida Gomes. 1ª Acadêmica Titular: MÁRCIA LAMAS DA SILVA. Fundadora. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra.

CADEIRA N.º 13. Patrono: Orlando da Silva Rosa Bonfim. 1º Acadêmico Titular: HUMBERTO AIRES DE MOURA E SILVA. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra.

CADEIRA N.º 14, Patrono: José Leão Nunes. 1º Acadêmico Titular: PEDRO PAULO DE SOUZA NUNES. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra.

CADEIRA N.º 15, Patrono: Manoel Cardozo Castello. 1º Acadêmico Titular: TEODORICO BOA MORTE. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra.

CADEIRA N.º 16, Patrono: João Ferreira Castello. 1º Acadêmico Titular: ECI SCARDINI. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra.

CADEIRA N.º 17, Patrono: José Ribeiro da Silva Rosa. 1ª Acadêmica Titular: Marcela Marques, Fundadora. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra. Em AGE da ALEAS de 28/08/2012 foi promovida a condição de Acadêmica Correspondente por estar residindo em Vitória, mudança respaldada no Artigo 7º do Estatuto da ALEAS que versa sobre os Acadêmicos Correspondentes. A Cadeira foi declarada vaga e em 09 de Outubro de 2012 foi eleito o Professor Rogério Martins. 2º Acadêmico Titular: ROGÉRIO DE MORAIS MARTINS. Eleito em Assembléia Geral Extraordinária da ALEAS do dia 09 de Outubro de 2012. Tomou posse na AGE - Assembléia Geral Extraordinária, Sessão Solene de posse, realizada na Câmara Municipal da Serra em 25 de Outubro de 2012.

CADEIRA N.º 18, Patrono: Mirabeau da Rocha Pimentel. Na data de fundação da ALEAS, 28/08/1993, a Cadeira foi preenchida por Luiza Rocha Vinhosa, a Sinforosa (da Academia Feminina Espirito-santense de Letras). Na Ata de fundação consta como Titular da Cadeira, Luiza Rocha Vinhosa Sinforosa, que desistiu e não tomou posse. A Cadeira ficou VAGA. Paulo Negreiros foi convidado para a referida Cadeira e aceitou. 1º Acadêmico Titular: PAULO ROBERTO RIBEIRO WALTER DE NEGREIROS. Tomou posse no dia 28 de março de 1995, em cerimônia realizada no 2º Andar da antiga Secretaria Municipal de Turismo Cultura Esporte Lazer, na Av. Cassiano Castelo, 22, Centro. A posse foi juntamente com os Acadêmicos João Luiz Castello Lopes Ribeiro, Carlos Morandi e Esdras Veloso.

CADEIRA N.º 19, Patrono: Presciliano Biluia de Araújo.  1º Acadêmico Titular: VALDEMIR RIBEIRO AZEREDO. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra.

CADEIRA N.º 20, Patrono: Cassiano Cardoso Castello. 1º Acadêmico Titular: ADIR RIBEIRO. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra.

CADEIRA N.º 21, Patrono: José Celso Cláudio. Na data de fundação da ALEAS a Cadeira foi ocupada pelo Poeta Trovador Amarildo Valadares, residente em Vitória, ES, o qual desistiu e não tomou posse. No seu lugar foi convidado o Poeta de Parque Residencial Laranjeiras, José Vieira da Silva Filho que aceitou, em tempo de ter o seu nome na Ata de Fundação. 1º Titular: JOSÉ VIEIRA DA SILVA FILHO. Tomou posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994.

CADEIRA N.º 22, Patrono: Aristeu Borges de Aguiar. 1º Acadêmico Titular: Rômulo Ramos, Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas, em companhia dos Acadêmicos Márcia Lamas e Humberto Aires, em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994. Na AGE da ALEAS de 28 de Agosto de 2012 foi promovido à condição de Correspondente por não estar mais residindo no Município da Serra, mudança respaldada no Artigo 7º do Estatuto da ALEAS que versa sobre os Acadêmicos Correspondentes. A Cadeira foi declarada VAGA em 28/08/2012. Em AGE realizada em 09/10/2012 a Cadeira foi preenchida pelo Poeta Mestre Gil. 2º Acadêmico Titular: GIVALDO INÁCIO DA SILVA, MESTRE GIL. Eleito em Assembléia Geral Extraordinária da ALEAS do dia 09 de Outubro de 2012. Tomou posse na AGE - Assembléia Geral Extraordinária, Sessão Solene de posse, realizada na Câmara Municipal da Serra em 25 de Outubro de 2012.

CADEIRA N.º 23, Patrono: João Loiola Pereira Borges. Na data da fundação da ALEAS no dia 28/08/1993, a Cadeira foi preenchida pela Poetisa Adilce Ribeiro da Silva Schunk, que posteriormente desistiu de tomar posse e a Cadeira ficou VAGA, como consta da Ata de fundação. Foi convidado para ocupar a Cadeira o Professor Wilton Simas da Rocha que tomou posse no dia 26 de Agosto de 1994. 1º Acadêmico Titular: Wilton Simas da Rocha, que faleceu no final do ano 2000. A Cadeira foi declarada VAGA em 18/08/2003, quando em AGE realizada na mesma data foi preenchida pelo Videomaker e Jornalista Aurélio Carlos. 2º Acadêmico Titular: AURÉLIO CARLOS MARQUES DE MOURA, que teve o nome aprovado pelo Conselho Cultural e pelo Plenário da Assembléia Geral da ALEAS, em data de 18 de Agosto de 2003, tendo tomado posse em solenidade realizada no Auditório do Vitória Apart Hospital, no dia 25 de Agosto de 2003.

CADEIRA N.º 24, Patrono: Presciliano do Nascimento Amaral. 1º Acadêmico Titular: Presciliano Carlos Amaral. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra. Faleceu em 2003. A Cadeira foi declarada VAGA em 28/08/2012, quando em AGE realizada na mesma data foi preenchida pelo Jornalista e Escritor Fábio Boa Morte. 2º Acadêmico Titular: FÁBIO LUIZ MIRANDA BOA MORTE. Eleito em Assembléia Geral Extraordinária da ALEAS do dia 09 de Outubro de 2012. Tomou posse na AGE - Assembléia Geral Extraordinária, Sessão Solene de posse, realizada na Câmara Municipal da Serra em 25 de Outubro de 2012.

CADEIRA N.º 25, Patrono: Luiz Cláudio de Freitas Rosa. 1º Acadêmico Titular: JOVALDIR PASCHOAL BONGESTAB. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra.

CADEIRA N.º 26, Patrono: Racine Leão Castello. 1º Acadêmico Titular: Manoel Custódio Ferreira. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra. Falecido em Vitória,ES, conforme informação do Porteiro da casa em que residia, que não soube informar a data do falecimento. A Cadeira foi declarada VAGA em 28/08/2012, quando em AGE foi preenchida pelo Poeta Basílio. 2º Acadêmico Titular: LEVI BASÍLIO. Eleito em Assembléia Geral Extraordinária da ALEAS do dia 28 de Agosto de 2012. Tomou posse na AGE - Assembléia Geral Extraordinária, Sessão Solene de posse, realizada na Câmara Municipal da Serra em 25 de Outubro de 2012.

CADEIRA N.º 27, Patrono: Alberto Gomes de Azambuja Meirelles. 1º Acadêmico Titular: EDUARDO MENDONÇA. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra.

CADEIRA N.º 28, Patrono: Álvaro Castello. 1º Acadêmico Titular: Narceu de Paiva Filho. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra. Faleceu na cidade de Ibiraçu onde residia em 04 de março de 1995. A ALEAS realizou uma Sessão solene de homenagem póstuma no dia 24 de março de 1995. A Cadeira foi declarada VAGA em 24/03/1995, sendo preenchida pelo Poeta Carlos Morandi. 2º Acadêmico Titular: Carlos Augusto Leitão Morandi. Tomou posse no dia 28 de Agosto de 1995. Em AGE de 28 de Agosto de 2012 foi oficialmente promovido a Condição de Correspondente por estar residindo em Guarapari, mudança respaldada no Artigo 7º do Estatuto da ALEAS que versa sobre os Acadêmicos Correspondentes. 3º Acadêmico Titular: SONÍSIO DAMIÃO PIMENTEL. Eleito em Assembléia Geral Extraordinária da ALEAS do dia 09 de Outubro de 2012. Tomou posse na AGE - Assembléia Geral Extraordinária, Sessão Solene de posse, realizada na Câmara Municipal da Serra em 25 de Outubro de 2012.

CADEIRA N.º 29, Patrono: Daniel Germano de Aguiar Montarroyos. 1º Acadêmico Titular: JOÃO MIGUEL FEU ROSA. Não esteve presente na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, (o nome não consta da lista de presença), mas, por ser de família tradicional Serrana e Deputado Federal, foi convidado para ingressar na ALEAS, tendo aceitado e tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994.

CADEIRA N.º 30. Patrono: Pedro Feu Rosa. 1º Acadêmico Titular: Antônio José Miguel Feu Rosa. Não esteve presente na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, (o nome não consta da lista de presença), mas, por ser de família tradicional Serrana e Desembargador Presidente do Tribunal de Justiça, foi convidado para ingressar na ALEAS, tendo aceitado e tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994. Faleceu no dia 10 de novembro de 2007. A Cadeira foi declarada VAGA em 28/08/2012. Em AGE realizada no dia 09/10/2012, a Cadeira foi preenchida pelo fotógrafo Edson Reis. 2º Acadêmico Titular: EDSON CARLOS SOUZA DOS REIS. Eleito em Assembléia Geral Extraordinária da ALEAS do dia 09 de Outubro de 2012. Tomou posse na AGE - Assembléia Geral Extraordinária, Sessão Solene de posse, realizada na Câmara Municipal da Serra em 25 de Outubro de 2012.

CADEIRA N.º 31, Patrono: Manoel Correia do Nascimento. 1º Acadêmico Titular: LINO ARMANDO BARONI. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993 e mesmo residindo em Ibiraçu e por ser um constante participante de eventos culturais na Serra foi convidado a ser Acadêmico tendo aceitado. Tomou posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra.

CADEIRA N.º 32, Patrono: Antônio Pinto Loureiro. Na reunião de fundação da ALEAS a Cadeira foi preenchida pelo fotógrafo e ex vereador e Presidente da Câmara da Serra, Jaconias Rodrigues, que desistiu dias depois. Na Ata a Cadeira é declarada VAGA. Por estar sempre participando das reuniões da ALEAS declamando poesias foi convidada a pertencer a ALEAS, tendo aceitado. 1º Acadêmica Titular: Cleusa Lourdes Madureira Vidal. Cleusa não compareceu na reunião de fundação da Aleas. (O nome não consta da lista de presença). Foi Convidada e tomou posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994. Em AGE da ALEAS de 28 de Agosto de 2012 foi promovida à condição de Correspondente por residir em Vila Velha, mudança respaldada no Artigo 7º do Estatuto da ALEAS que versa sobre os Acadêmicos Correspondentes. 2º Acadêmico Titular: JOSÉ MARTINS A. JÚNIOR, CANTOR JÚNIOR BOCCA. Eleito em Assembléia Geral Extraordinária da ALEAS do dia 09 de Outubro de 2012. Tomou posse na AGE - Assembléia Geral Extraordinária, Sessão Solene de posse, realizada na Câmara Municipal da Serra em 25 de Outubro de 2012.

CADEIRA N.º 33, Patrono: Padre José de Anchieta. 1º Acadêmico Titular: GILSON GOMES. Fundador. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra.

CADEIRA N.º 34, Patrono: José Câncio Leão Borges. 1ª Acadêmica Titular: SANDRA GOMES. Fundadora. Compareceu na reunião de fundação da Aleas em 28/08/1993, tendo tomado posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994 em solenidade realizada no Salão da Assembléia de Deus da Serra, na Rua Major Pissarra, nº 146, Centro. O Coquetel foi no Salão da antiga sede do Serra Futebol Clube, na Rua Rômulo Castello, Centro da Serra.

CADEIRA N.º 35, Patrono: Getúlio Sarmento. 1ª Acadêmica Titular: MARIA DE FÁTIMA LEANDRO DE JESUS. Na data de fundação da ALEAS, 28/08/1993, a Cadeira não foi preenchida. Na Ata consta VAGA. Por estar sempre presente nas reuniões da ALEAS foi convidada e aceitou. Fátima Leandro tomou posse oficialmente no dia 26 de Agosto de 1994 em solenidade realizada no 2º Andar da antiga Sede da Secretaria Municipal de Turismo, Cultura, Esporte Lazer, na Av. Cassiano Castelo, 22, Centro, no dia 26 de Agosto de 1994, junto com o Professor Wilton Simas da Rocha, o Juiz Paulo Roberto Luppi e a Admiradora das Artes, Elzita Gomes Ferreira.

CADEIRA N.º 36, Patrono: Eurico de Aguiar Salles. 1º Acadêmico Titular: ANTÔNIO CESAR CAMPOS TACKLA. Na data de fundação da ALEAS, 28/08/1993, a Cadeira não foi preenchida e o nome do Advogado Tackla não consta da relação publicada no Jornal "Tempo Novo", datado de 24 de Setembro de 1993. Advogado e Artista Plástico Tackla foi convidado para a Cadeira e aceitou em tempo de ter seu nome na ATA de Fundação. Tomou posse oficialmente no dia 11 de Março de 1994.

CADEIRA N.º 37, Patrono: Alexandre Ribeiro Pinto Cardoso. 1º Acadêmico Titular: Marcello Furtado, falecido. Na data de fundação da ALEAS, 28/08/1993, a Cadeira não foi preenchida. Marcello foi convidado posteriormente e tomou posse oficialmente no dia 16 de Dezembro de 1994. Marcello faleceu no Rio de Janeiro na quarta feira, dia 12 de Novembro de 2008, conforme notícia publicada no Jornal Semanário, "Tempo Novo", da Serra, ES, de 14 a 21/11/2008. 2º Acadêmico Titular: MARCOS ARRÉBOLA. Eleito em Assembléia Geral Extraordinária da ALEAS do dia 28 de Agosto de 2012. Tomou posse na AGE - Assembléia Geral Extraordinária, Sessão Solene de posse, realizada na Câmara Municipal da Serra em 25 de Outubro de 2012.

CADEIRA N.º 38, Patrono: Cícero Calmon de Aguiar. Na data de fundação da ALEAS, 28/08/1993, a Cadeira não foi preenchida. O Dr. Paulo Roberto Luppi era Juiz na Comarca da Serra e foi convidado para ingressar na ALEAS, tendo aceitado. 1º Acadêmico Titular: PAULO ROBERTO LUPPI. Tomou posse oficialmente no dia 26 de Agosto de 1994 em solenidade realizada no 2º Andar da antiga Sede da Secretaria Municipal de Turismo, Cultura, Esporte Lazer, na Av. Cassiano Castelo, 22, Centro, no dia 26 de Agosto de 1994, junto com o Professor Wilton Simas da Rocha, a Poetisa Fátima Leandro e a Admiradora das Artes, Elzita Gomes Ferreira.

CADEIRA N.º 39, Patrono: Afonso Henrique da Silva Borges. 1º Acadêmico Titular: ESDRAS LIMA VELOSO DE OLIVEIRA. Na data de fundação da ALEAS, 28/08/1993, a Cadeira não foi preenchida. Esdras que tinha acabado de lançar um livro e foi convidado para ingressar na ALEAS, tendo aceitado. Tomou posse no dia 28 de Agosto de 1995. Em AGE - Assembléia Geral Extraordinária da ALEAS, de 25 de Outubro de 2012 foi promovido à condição de Correspondente por residir em Cariacica, mudança respaldada no Artigo 7º do Estatuto da ALEAS que versa sobre os Acadêmicos Correspondentes. 2º Acadêmico Titular: Será eleito dia 21/11/2012.

CADEIRA N.º 40, Patrono: Afonso Rodrigues de Mirada. Na data de fundação da ALEAS, 28/08/1993, a Cadeira não foi preenchida. Acompanhando o marido, o Acadêmico Manoel Custódio, Elzita foi convidada para assumir a Cadeira tendo aceitado. 1º Acadêmico Titular: Elzita Gomes Ferreira, Admiradora das Artes. Tomou posse oficialmente no dia 26 de Agosto de 1994. Em AGE - Assembléia Geral Extraordinária da ALEAS, de 28 de Agosto de 2012 foi promovida à condição de Correspondente por residir em Vitória, mudança respaldada no Artigo 7º do Estatuto da ALEAS que versa sobre os Acadêmicos Correspondentes. 2º Acadêmico Titular: ODMAR PÉRICLES NASCIMENTO. Eleito em Assembléia Geral Extraordinária da ALEAS do dia 09 de Outubro de 2012. Tomou posse na AGE - Assembléia Geral Extraordinária, Sessão Solene de posse, realizada na Câmara Municipal da Serra em 25 de Outubro de 2012.




ACADÊMICOS CORRESPONDENTES

01 - MARIA DO ROSÁRIO SILVA SANTOS.   A nova Acadêmica tomou posse na Assembléia Geral Extraordinária, Sessão solene na Câmara Municipal da Serra no dia 25/10/2012 e foi recebida pelo Acadêmico CLÉRIO JOSÉ BORGES DE SANT ANNA.

02 - ALBÉRCIO NUNES VIEIRA MACHADO. O novo Acadêmico tomou posse na Assembléia Geral Extraordinária, Sessão solene na Câmara Municipal da Serra no dia 25/10/2012 e foi recebido pela Acadêmica MARIA DE FÁTIMA LEANDRO DE JESUS.

03 - BERENICE ALBUQUERQUE TAVARES. A nova Acadêmica tomou posse na Assembléia Geral Extraordinária, Sessão solene na Câmara Municipal da Serra no dia 25/10/2012 e foi recebida pelo Acadêmico AURÉLIO CARLOS MARQUES DE MOURA.

04 - HILÉIA ARAÚJO DE CASTRO. A nova Acadêmica tomou posse na Assembléia Geral Extraordinária, Sessão solene na Câmara Municipal da Serra no dia 25/10/2012 e foi recebida pelo Acadêmico PAULO RIBEIRO WALTER DE NEGREIROS.




CADEIRAS COM BIOGRAFIA RESUMIDA DOS PATRONOS E ACADÊMICOS
Cadeira Patrono Titular
01

Braz Lourenço Braz Lourenço
Nasceu em Melo, Portugal em 1525 - Faleceu em Anchieta, no Espírito Santo, Brasil, em 15 de julho de 1605. Foi o sacerdote jesuíta que fundou o município de Serra, no Estado do Espírito Santo, Brasil, junto com o Chefe Indígena Maracajaguaçu. Rezou a primeira missa na Aldeia de Maracajaguaçu. O padre Jesuíta Braz Lourenço, que com Maracajaguaçu, foi um dos Fundadores da Serra, nasceu no ano de 1525, em Melo, diocese de Coimbra, importante e destacada cidade de Portugal. Ingressou na Companhia de Jesus, (Ordem dos Jesuítas) com 24 anos de idade, em 9 de maio de 1549. Braz Lourenço, chegou de Portugal na Terceira Expedição Missionária dos Jesuítas. Veio na Armada do 2º Governador Geral do Brasil, Dom Duarte da Costa. A Armada possuía um total de 260 pessoas e era composta de quatro navios, sendo uma Nau e três Caravelas. A Expedição Missionária dos Jesuítas era dirigida pelo padre Luiz Da Grã e contava com mais dois padres: Braz Lourenço e Ambrósio Pires. Juntos estavam mais quatro Irmãos, isto é, religiosos que estavam se preparando para serem ordenados padres. Os Irmãos eram: Antônio Blázques, João Gonçalves, Gregório Serrão e José de Anchieta. Anchieta, o Apóstolo do Brasil, era ainda Irmão pois só ordenou-se padre em 1565. Durante a viagem de Lisboa para o Brasil, Braz Lourenço chegou a ouvir em confissão, o Governador Geral, Duarte da Costa. Também ouviu em confissão o filho do Governador Geral, Álvaro da Costa. Álvaro, que também era Comandante e Mestre de navio, seria homenageado posteriormente por Braz Lourenço que deu o nome de Álvaro à Montanha existente na Serra. Esta é portanto a verdadeira origem do nome do Mestre Álvaro, com base em documentos históricos. A viagem de Braz Lourenço e outros detalhes, encontram-se relatados pelo próprio Braz Lourenço em carta, “Aos padres e Irmãos de Coimbra”, datada de 30 de julho de 1553. Os quatro navios da Armada de Duarte da Costa saíram de Lisboa, capital de Portugal, a 8 de maio de 1553, chegando à Bahia a 13 de julho do mesmo ano. Da Bahia, Braz Lourenço vem para o Espírito Santo em dezembro de 1553, na “Oitava do Natal”, como Superior da Capitania, em substituição ao padre Afonso Braz que aqui estava desde 1551. Segundo o historiador Serafim Leite, na Capitania do Espírito Santo, Braz Lourenço se tornou: “O mais notável no campo da sua atividade, na renovação dos costumes dos moradores e na catequese dos Índios.” Braz Lourenço durante a sua administração como Provincial, ou seja, Superior Religioso na Capitania, de 1553 a 1564, continuou a obra de construção do Colégio dos Jesuítas e Igreja de São Tiago, onde hoje está localizado o Palácio Anchieta, sede do Governo do Estado, em Vitória. Foi Braz Lourenço o construtor da primeira residência dos Jesuítas na Vila de Vitória, pois o padre Afonso Braz deixara apenas “um pequeno Seminário coberto de palhas.” Em 1561, num ataque dos Piratas Franceses à Ilha de Vitória, Braz Lourenço, mostrando muita coragem, se coloca à frente de todos e, empunhando a Bandeira de São Tiago, anima a resistência, retirando-se o inimigo com várias perdas. O ato heróico de Braz Lourenço é relatado pelos historiadores: Mário Aristides Freire; Braz Rubim; José Marcelino Pereira de Vasconcellos e Serafim Leite. O escritor Jayme Santos Neves no livro “A Outra História da Companhia de Jesus”, na página 170, após informar que Braz Lourenço chegou ao Espírito Santo em 1553, relata o ato heróico de Braz Lourenço contra os Franceses, informando a data errada de 1552. Em 1552, Braz Lourenço ainda não havia chegado ao Brasil. A historiadora Maria Stella de Novaes relata que, no fim do ano de 1561, duas Naus Francesas vieram atacar a Capitania: “Acolheram então os colonizadores, Índios Flecheiros e os escravos, sendo que precedidos pelo padre Braz Lourenço, que levava o estandarte de São Tiago, enfrentaram o inimigo, defendendo heroicamente a Vila. Feriu-se terrível combate em que os Franceses, vencidos, fugiram, com vultuosas perdas." O historiador Basílio Carvalho Daemon observa que o ataque dos Franceses teria ocorrido em Vila Velha, fato que os demais historiadores não confirmam. Maria Stella de Novaes na página 35 do livro “História do Espírito Santo” relata que: “O certo é que o Estandarte de São Tiago era de Vitória, onde estava a Igreja consagrada ao mesmo santo. E Vila Velha tinha forte para repelir os inimigos.” Braz Lourenço foi Missionário e Administrador. Segundo Serafim Leite, a maioria das Aldeias da Capitania do Espírito Santo foram organizadas pelo padre Braz Lourenço.

Naly Miranda 1º Titular: Naly da Encarnação Miranda
Filho de Elesbão Alexandre de Miranda e de Izidra da Encarnação Miranda, nasceu na cidade da Serra, em 25/12/1916. Cursou o primário na Escola Professora Olindina Leão Nunes; o ginasial no Ginásio São Vicente de Paulo e o colegial no Colégio Estadual do Espírito Santo. Formou-se em Direito pela Faculdade de Direito do Espírito Santo. Dentre suas atividades profissionais, foi estatístico do IBGE, Delegado do IPASE. Esse advogado militante criou a Fundação Educacional "Lourenço Braz" e a Biblioteca Municipal "Belmiro Geraldo Castello". Foi fundador do Municipal Esporte Clube, das lojas maçônicas Anibal Freire, Oriente da Serra e Luz do Planalto, Oriente de Carapina. Fundou ainda a Sociedade Musical Estrela dos Artistas e Junto com Clério José Borges e Carlos Dorsch a Academia de Letras e Artes da Serra - ALEAS. Vereador à Câmara Municipal da Serra, eleito em 1954, exerceu o mandato de 1955 a 1959, periodo em que presidiu aquela casa. Em 1958, eleito prefeito da Serra cumpriu o mandato de 1959 a 1963. Em 1966 foi reeleito tendo exercido o segundo mandato de 1967 a 1971. São de sua autoria as seguintes obras: Reminiscência da Serra, (1984); Cometários Históricos da Serra (1990) e Divina Força (1992). É de sua autoria o hino Ginásio Serrano e a valsa Sopro de Vida. Foi o primeiro acadêmico ocupante da cadeira n. 01 da ALEAS, cujo patrono é Braz Lourenço. Faleceu em 21/09/1996.

Peixotinho 2º Titular: Antônio Peixoto Miguel.
Professor. Foi Secretário Municipal de Educação. Em dezembro de 1999 foi eleito para a cadeira n. 01 da ALEAS, cujo patrono é Braz Lourenço, após o falecimento de Naly Encarnação Miranda. Tomou posse em maio de 2001. Faleceu na manhã do dia 23 de março de 2006. Foi professor emérito da Faesa Antonio José Peixoto Miguel. Antônio era casado com a professora Maria Rita Soares Miguel, diretora da Faculdade de Educação e Comunicação da Faesa e irmã da primeira-dama do Estado, Cristina Hartung. Eles tiveram três filhos - Gustavo, Débora e Luciana - e duas netas. Em outubro, Peixoto completaria 60 anos de idade. Na Faesa, Peixoto era professor do curso de Administração e membro do Conselho Universitário do Curso de Direito. Na Serra, Peixoto foi vereador e vice-prefeito. Na Câmara de Comércio de Indústria Brasil-China, o professor era um dos vice-presidentes regionais. ANTONIO JOSÉ PEIXOTO MIGUEL Faleceu na manhã desta quinta-feira (23) o professor emérito da Faesa, Antonio José Peixoto Miguel. Logo ao acordar, não se sentido bem, ele foi levado a um hospital de Vila Velha, aonde veio a falecer de infarto. O corpo será velado no Fórum "Desembargador João Manuel de Carvalho" da Serra, situado à avenida Presidente Vargas, no Centro. O sepultamento, foi no Cemitério Municipal da Serra sede. Casado com a professora Maria Rita Soares Miguel, diretora de Faculdade de Educação e Comunicação da Faesa e irmã da primeira-dama do Estado, Cristina Hartung. Eles tiveram três filhos - Gustavo, Débora e Luciana e duas netas. Em outubro, Peixoto completaria 60 anos de idade. Na Faesa, Peixoto era professor do curso de Administração e membro do Conselho Universitário do Curso de Direito. Na Serra, Peixoto foi vereador e vice-prefeito. Na Câmara de Comércio de Indústria Brasil-China, o professor era um dos vice-presidentes regionais. Ele era membro da família Feu Rosa, sobrinho do deputado federal João Miguel Feu Rosa e do desembargador Antônio José Feu Rosa.

Suzi Nunes 3º Titular: Suzi Nunes.
Maria Suzi Costa Nunes. Nasceu na Cidade de Vitória, capital do Espírito Santo em 11 de Outubro de 1961. Produtora Cultural com Curso de Cinema, ministrado por Orlando Bonfim em 2007. Curso de Roteiro, ministrado por Jovani Salles Rey em 2006. Curso de Designer - UFES – 2001. Curso Marketing Cultural - Fundação Banco do Brasil - 2001. Curso Documentário e TV – MAES– 2000. Curso Fundamentos de Áudio – MAES – 2000. EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: TELEVISÃO: - Diretora, Produtora e Roterista do Programa Doce Alegria – (Rede TV Espirito Santo) – out.2006/2010 - Produtora do Programa Nova Geração – TV Capixaba (Bandeirantes) - Produtora e Roterista do Programa Tribuna na Estrada – TV Tribuna (SBT) - mar/2004 a maio/2005 - Produtora e Roteirista do Programa Xiru na TV – TV Vitória (RECORD ) jun/2000 a set/2003 - Diretora e Produtora do Programa Alegria – Canal 20 (TV a Cabo) out/1999 a mai/2000 - Produtora Executiva do Programa Doce Alegria - TV Tribuna – (SBT ) –out/1997 a out/1999 - Direção e Produção de Comerciais para a Telefônica Celular, Parque Aquático Yahoo!, FABAVI, VIVO, CLARO, Polo de Moda da Gloria - Direção, produção e roteiro de + de 400 VTs 30¨ comércios variados – 2000 a 2005 - Direção, Produção e Roteiro de Documentários para: Grupo Águia Branca, São Bernardo Saúde, Parque Aquático Thermas do Espirito Santo, Corpo de Bombeiros do Espirito Santo. - Clips Musicais de Grupos tais como: Dallas Company, Xiru do Sul, Os Santanas, Grupo Moxuara, etc... TEATRO - Produtora do Espetáculo Infantil ¨ No Recanto da Floresta ¨- 2003 - Produtora do Espetáculo Infantil “O Gato Playboy- 2005”. - Produtora do espetáculo Infantil ‘ O Tesouro dos Sonhos “2006”. - Produtora do Espetáculo Infantil “ A Margarida Sonhadora” 2007 - Produtora do espetáculo infantil “Amor pela Natureza” 2008 - Produtora do espetáculo infantil “O Desencanto da Floresta” 2009 - Produtora do espetáculo infantil “ Alegria Alegria” 2010 - Produtora e roteirista do espetáculo infantil “ 100 Anos do Sitio do Pica Pau Amarelo” DOCUMENTÁRIOS Serra Monumentos Arquitetônicos e historia ontem e hoje (2007) Produção, roteiro e direção Belinha – (2007) Produção No ritmo do congo – (2008) Produção, roteiro e direção Reminiscências Serranas – (2009) Produção. Roteiro e direção A lenda do pássaro de fogo – Roteiro e produção Caminhos de Cariacica – (2009) Produção, roteiro e direção Em Busca de Liberdade – (2009) produção Cabeças Pensantes – (2009) Produção Judith a senhora cidadã – (2010) Produção, roteiro e direção Cariacica Rural – (2011) Produção, roteiro e direção EVENTOS - Promoção e Produção FEST SERRA – 1990 a 1997 - Promoção e Produção Reveillon – Praia de Jacaraipe – Serra – 1993 a1996 - Promoção e Produção Festa da Serra (Aniversário do Município)-1993 a 1996 - Promoção e Produção da festa da UNIJOSE (União Jovem da Serra) 1991 a 1997 - Promoção e produção da Corrida do Verde – Serra – 1991 a 1996 - Produção FECIVIT – Serra – 1990 a 1995 OUTROS Diretora de Eventos do Clube de Trovadores Capixabas Membro da Câmera de Áudio Visual do Conselho Municipal de Cultura de Cariacica Conselho editorial Revista Zenite

02

Maracajaguaçu Índio Maracajaguaçu
Maracajaguaçu, Gato Bravo Grande foi um dos Fundadores da Serra. Foi o Principal, isto é, o Cacique Chefe dos Índios Temiminós que, com o padre Braz Lourenço, construiu a Aldeia e a Igreja que daria origem depois o povoado de Conceição da Serra, hoje Serra. Era Temiminó, do Grupo Tupi. O grupo de Índios Tupis, pela posição que ocupava no litoral, foi o que manteve maior contato com os Portugueses. Foi o que deu maior contribuição na formação da Cultura Brasileira e o que, pela miscigenação, mais se integrou à população. Nasceu no Rio de Janeiro, em 1501. Com vinte anos de idade já era um dos principais líderes de sua Tribo, graças a atos de bravura. Mudou-se para o Espírito Santo em 1555, quando já tinha 54 anos de idade. Pesquisadores informam que Maracajá era um felino que habitava as matas virgens e de tamanho que chega quase ao triplo do gato doméstico. GATO BRAVO A escritora Cybelle M. Ipanema, residente na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro, no livro de sua autoria “História da Ilha do Governador”, relata o seguinte: “Maracajá é uma espécie de felino, o Felis Pardalis”. O escritor Ermano Stradelli, citado pelo escritor, J. Romão da Silva descreve-o: Fulvo (amarelado) claro, de manchas mais ou menos regulares, em forma de roseta ou anel...Chega quase ao triplo do tamanho do gato doméstico.” No “Novo Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa”, em texto com a supervisão de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, a palavra Maracajá está escrita com a letra “Jota” significa: “Espécie de gato bravo.” ESCRITA CORRETA. As expressões “Jaraguai” e “Maraguai”, segundo o Dicionário de Língua Tupi, são variações das palavras Maracaia ou Maracajá, cujo o significado é o mesmo: Gato do Mato; Gato Bravo do Mato, ou simplesmente Gato. Maracajá significa “Gato do Mato”. Segundo o Dicionário Tupi, de autoria de Gonçalves Dias, publicado pela primeira vez em 1858, e republicado pela Livraria São José, em 1970. A palavra Guaçu é de origem indígena. Guaçu segundo os dicionários é um adjetivo Tupi-guarani, de dois gêneros, que entra na composição de vários nomes brasileiros, com o sentido de Grande. Maracayaguaçu, Maracaiaguaçu ou Maracajaguaçu significam portanto a mesma coisa: Grande Gato Bravo ou Gato Bravo Grande.

Clério José Borges 1º Titular: Clério José Borges
Clério José Borges de Sant Anna, Historiador, Poeta Trovador e Escritor Capixaba, nasceu no bairro de Aribiri no Município de Vila Velha na Região Metropolitana da Grande Vitória, Capital do Estado do Espírito Santo. Mudou-se para o Município da Serra em 1979. Fundou e foi o primeiro Presidente da ALEAS, Academia de Letras e Artes da Serra de 1993 a 1995. É cidadão Serrano. O Escritor Clério José Borges nasceu em 15/09/1950, (Aribiri, Vila Velha, ES). Funcionário Público Estadual Aposentado no Cargo de ESCRIVÃO, trabalhando durante 35 anos, tendo recebido ELOGIOS e Medalhas de Bronze, PRATA e Ouro da Polícia Civil do Espírito Santo. Estudou Direito e Pedagogia na UFES - Universidade Federal do Espírito Santo. Fundou e foi o 1º presidente da Academia de Letras e Artes da Serra, ALEAS. Fundou e preside o Clube dos Poetas Trovadores Capixabas, CTC. Pertence ao Instituto Histórico e Geográfico do ES. Foi Conselheiro Titular do Conselho Estadual de Cultura do Espírito Santo, durante Cinco anos, de 04/01/1989 a 18/02/1993, onde foi eleito e atuou como Secretário e Vice-presidente do CEC-ES, na gestão do Presidente, Sebastião Ribeiro Filho. Após 18/02/1993 e até o ano 2000, passou a pertencer à Câmara de Literatura do referido Conselho, CEC-ES, Conselho Estadual de Cultura do Estado do Espírito Santo. Conselheiro Titular da Área de Literatura do Conselho Municipal de Cultura da Cidade da SERRA, Espírito Santo, desde 24 de Setembro de 1997 quando o Conselho foi criado até 2012, tendo sido por diversas vezes, Vice Presidente do referido Conselho Municipal de CULTURA da Cidade da Serra, ES. É morador da SERRA, ES, desde 1979 e Cidadão Serrano, titulo conferido pela Câmara Municipal da Serra em 26 de Dezembro de 1994. Senador da Cultura, pela Sociedade de Cultura Latina, SCL. Correspondente da Academia CACHOEIRENSE de Letras, (ES); da Academia PETROPOLITANA de Letras, da Cidade de Petrópolis,(RJ); da Academia Brasileira da Trova e da Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas, ALCEAR e outras Academias e Associações Literárias do Brasil. Autor dos Livros: Trovas Capixabas; Trovadores dos Seminários da Trova; Trovadores Brasileiros da Atualidade; O Trovismo Capixaba; Alvor Poético; O Vampiro Lobisomem de Jacaraípe; História da Serra (3 Edições); Serra em Prosa e Versos/Poetas e Escritores da Serra; Origem Capixaba da Trova; Dicionário Regional de Gírias e Jargões. Organizador, desde 1981 dos Seminários Nacionais da Trova e dos Congressos Brasileiros de Poetas Trovadores. Detentor de Diversos Títulos, DIPLOMAS e homenagens, como por exemplo a MEDALHA CHICO PREGO, recebida em 30/03/2006. No dia 23 de Agosto de 2011 recebeu a Medalha do Mérito Cultural AFONSO PENA e foi empossado como Acadêmico Imortal, seguidor de Platão. No dia 10 de março de 2012, Clério José Borges, recebeu na Cidade de Itabira, Minas Gerais, o Troféu Pedro Aleixo, de Personalidade Notável de 2012. No dia 28 de Agosto de 2012 foi eleito Presidente da ALEAS com mandato de dois anos.

03

aleas Xenocrates Calmon de Aguiar
Xenocrates Calmon. Pai João Pereira Pimentel de Aguiar Mãe Elvira Pereira Calmon Nogueira da Gama Irmão Phitágoras Calmon de Aguiar 1891-1891 Esposa Maria Luiza Soares Calmon de Aguiar-1920 Esposa Maria Mattos Calmon de Aguiar. Xenócrates nasceu na Serra no dia 10 de fevereiro de 1893, às 20:30 horas. Seu irmão Cícero Calmon de Aguiar foi o primeiro Prefeito da Serra, de 1914 a 1916. Foi aluno do professor Luiz da Fraga Loureiro Rocha e formou-se em Direito pela Faculdade do Rio de Janeiro. Em 28 de setembro de 1924 era Presidente da Câmara Municipal de Colatina. Foi Deputado Estadual de 1925 a 1927 e de 1928 a 1930, e Presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Espírito Santo (1927/1929). Exerceu advocacia na cidade de Colatina, e foi Prefeito daquele Município, com o mandato interrompido pela Revolução de 1930. Mudou-se para o Rio de Janeiro, onde ocupou o cargo de Desembargador. Em 1962 sofre um Acidente Vascular Cerebral, e falece em 1970, no Rio de Janeiro.

Clério José Borges 1º Titular: Carlos Dorsch
Nasceu em Itarana, interior do Espírito Santo. Advogado militante nas Comarcas do Estado do Espírito Santo. Secretariou os trabalhos de instalação e fundação da ALEAS - Academia de Letras e Artes da Serra. Vereador da Serra na legislatura de 1973 a 1977, época em que o Prefeito era Aldary Nunes e foram Presidentes da Câmera Assis Miranda e Sérgio Peixoto. Foi Diretor de Escola, na Administração do Prefeito Naly da Encarnação Miranda tendo implantado o Curso Normal de Formação de Professores na Serra. É um dos autores da Enciclopédia Orgânica da Língua Portuguesa - Brasília, ed. S/A - Vitória, ES, 1971. Em 29 de março de 1969, no Auditório da antiga Faculdade de Filosofia - FAFI, em Vitória-ES, um grupo denominado "Geração" realiza um Recital de Poesias, ocasião em que foi impresso em mimeógrafo, uma antologia com introduções assinadas por José Augusto Carvalho (A Poesia é necessária?) Participam da antologia Xerxes Gusmão Neto, Delano Câmara, Carlos Dorsch e outros. Em 2004 participou do O Grupo de Pesquisa InterInstitucional sobre Desenvolvimento Municipal/Regional-UNIFLU formado para o equacionamento da realidade municipal e das condições de vida da população, na Região Norte/Noroeste Fluminense e limítrofes dos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo. No dia 30 de Junho de 2011 foi homenageado, como Escritor do mês, na segunda QUINTA LITERÁRIA, na Praça de Alimentação do Shopping Laranjeiras, em Parque Residencial Laranjeiras, Serra, ES.

04

Judith Judith Leão Castello
Nasceu em 1906 e faleceu em 1982. Foi professora por mais de 40 anos no Ginásio São Vicente de Paula e da Escola Normal Pedro II, em Vitória. Catedrática em Psicologia. Foi Deputada e Escritora. Judith Leão Castello Ribeiro nasceu no município da Serra, em 31.08.1898, filha de João Dalmácio Castello (*23.06.1870-+07.03.1935) e de Maria Grata Leão Castello (*04.06.1882-+29.09.1972), neta paterna do Capitão João Cardozo Castello e de Thereza Rodrigues da Conceição Castello, e neta materna de Miguel Barbosa Leão e de Anna Maria da Conceição Barbosa Leão. Em 1930, foi convidada a lecionar na Escola Normal Pedro II, em Vitória, onde tornou-se catedrática de "Ciências Pedagógicas", em 1932 tendo se aposentado em 1963. Em 29 de março de 1947, foi a única mulher a tomar posse na cadeira de Deputada Estadual do Espírito Santo, eleita com 1.170 votos ­ de um total de 27.528 eleitores no Estado (4,25% do eleitorado, que atualmente corresponderia a uma votação de aproximadamente 80.000 votos). Foi Deputada Estadual por quatro legislaturas consecutivas. Em 1949, fundou e tornou-se a primeira Presidente da Academia Feminina de Letras do Estado do Espírito Santo. Em 25.08.1949, ingressa na Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI), matrícula 109. Além disso, foi membro do Instituto Histórico e Geográfico do Estado do Espírito Santo (12.06.1981) e membro da Academia Anapolina de Filosofia, Ciências e Letras de Goiás (06.02.1979).

João Luiz 1º Titular: João Luiz Castello Lopes Ribeiro
Advogado. Presidente da Câmara Municipal da Serra, De 1989 a 1990. Pesquisador. João Luiz Castello Lopes Ribeiro nasceu no bairro de Botafogo, cidade do Rio de Janeiro-RJ, em 21/03/1954, filho do ex-desembargador do Tribunal de Justiça de Brasília, Darcy Rodrigues Lopes Ribeiro e Maria Leão Castello Lopes Ribeiro. Passou sua infância entre Vitória, Jacaraípe e Serra, desfrutou de belos momentos vividos no ambiente familiar. Iniciou seus estudos no Ginásio "São Vicente de Paulo". Fez o 2º grau no Colégio Americano de Vitória. Ao mesmo tempo, começou a trabalhar no Cartório de Registro de Imóveis da 1ª zona de Vitória-ES. Em 1972 prestou exame vestibular para o curso de engenharia da UFES. Antes mesmo de iniciar seu curso , foi trabalhar como auxiliar de engenharia na Scala Construtora e Incorporadora Ltda. Em 1975 se inscreveu no Conselho Regional de Corretores de Imóveis e em 1976, fundou com outros sócios, a empresa Imobiliza Imóveis Ltda. Em 1980 foi convidado gerenciar a empresa Confiança Empreendimentos Imobiliários Ltda. Em 1988 foi eleito vereador pelo município da Serra. Além de se formar em engenahria civil, cursou Direito no UNESC, bacharelando-se em 2001. É um dos fundadores a ALEAS. Participou como articulista colaborador dos jornais A Gazeta e Tempo Novo. É escritor e historiador. Está inscrito no Arquivo Público do Estado do Esírito Santo como pesquisador. Produtor executivo do livro Memória Fotográfica da Serra, cujo autor é o artista plástico Paulo Barros. É co-autor e coordenador da publicação do livro de Patronos da ALEAS, autor dos livro sHistória da Câmara da Serra e Tributo à Carahype (obra ainda em revisão). Seu livro Opinião está em fase final para publicação. É funcionário da Prefeitura Municipal da Serra, engenheiro civil lotado na Secretaria de Desenvolvimento Urbano. Já ocupou o cargo de Superintendente da SUPPI - Superintendência de Polarização de Projetos Industriais.

05

Elpídio Pimentel
Elpídio Pimentel - Patrono Nasceu no município da Serra, no Estado do Espírito Santo, a 14/09/1894. Advogado, jornalista e professor. Representou o Espírito Santo, como delegado único, no 4º Congresso Nacional de Instrução Superior e Secundária, realizado no Rio de Janeiro, em 1922. Foi o editor, em Vitória, do jornal "O Diário da Manhã", órgão oficial do Estado, onde escrevia uma coluna "O que os pais devem ler" e dirigiu, também, a revista Vida Capichaba. Foi professor de Português e Literatura na Escola Normal Pedro II. De 1934 a 1936 serviu, gratuitamente, ao Governo Federal, como membro da Junta de Conciliação do Espírito Santo, órgão auxiliar da Inspetoria Regional do Trabalho. Em 1939, já residindo no Rio de Janeiro, passou a fazer parte, mediante concurso, do corpo docente do Colégio Pedro II, como professor de Português. Em 1954 foi nomeado Diretor de Administração do DASP, sendo no mesmo ano, eleito membro vitalício da Federação das Academias de Letras do Brasil. Membro fundador da Academia Espírito-santense de Letras e de outras entidades congêneres. Professor catedrático de Português e Literatura no Colégio Estadual do Espírito Santo, o grande mentor da educação literária da sua geração. Purista da linguagem e ideólogo do sistema, representante do Estado Novo, de Getúlio Vargas, no Espírito Santo. Professores como Elpídio Pimentel estiveram à frente da ideologia do sistema capitalista com todas as suas contradições, utilizando livros e escola como instrumentos de controle e exclusão de consciência crítica. O Instituto Cultural do Museu Naval da Guanabar agraciou-o com a Ordem Albatroz, no grau de Comendador. Faleceu no Rio de Janeiro, a 19/10/1971, com 77 anos de idade. Em sua homenagem, a Prefeitura Municipal de Vitória deu seu nome a uma rua no bairro de Jardim da Penha.
PATRONO ELPIDIO PIMENTEL – CADEIRA Nº 5 (Texto de Edilson Celestino Ferreira no dia de sua posse como Acadêmico Titular: 25/10/2012) - Boa a noite, a todos e a todas a esta solenidade. Inicialmente, saudamos, o escritor, poeta, trovador e historiador, o Sr. Clério José Borges de Sant’Anna, digníssimo, Presidente da Academia de Letras e Artes da Serra. Saudamos, o Deputado Federal - mais votado do Espírito Santo e prefeito, recém-eleito deste Município, Dr. Audifax Barcellos. Saudamos o Presidente da Câmara de Vereadores, Sr. César Nunes, saudando esta presidência, estamos saudando os demais vereadores, secretários e autoridades presentes, incluindo os demais componentes da mesa. Saudamos a Léa, esposa do Getunildo Pimentel e filhos: Getúlio, Ricardo, Raquel e Sandra e também a Maria José (Zezé), irmã do Getunildo e mãe do prefeito recém-eleito Audifax. Saudamos as tradicionais famílias da nossa querida Serra, principalmente, as nossas árvores familiares: (Miranda/Ramos), (Pereira/Ferreira) e Pimentel/Barcellos. Ressaltamos, este valioso evento cultural, principalmente, para a minha família, a esposa, (Rosa Maria), os filhos (Kleison, Rodson e Frankson), as noras (Fabíola e Talita) a neta (Sarah) e o netinho (Nícolas). E também para os meus 13 (treze) irmãos (Eniete, Edson, Evaldo, Eny, Elba, Elson, Édna, Ednéia, Ery, Elizabeth, Evânia, Evandro e Paulo Roberto, este, prematuramente, nos deixou, portanto, comigo são 14 (quatorze irmãos). Continuando... Lembramos que, quando alguém fala, que os acadêmicos são imortais, referimos as suas obras, as suas músicas, as suas artes e seus pensamentos filosóficos, mas, inegavelmente, o título de acadêmico, coroado por esta conceituada Academia, torna-se muito prazeroso e gratificante. É também um reconhecimento pessoal, pela nossa rápida passagem no planeta terra. Por outro ângulo, é muita responsabilidade, representar, o Patrono da Cadeira nº 5, desta Academia, Dr. Elpídio Pimentel, serrano, advogado, jornalista, professor e que deixou - uma riqueza cultural. - Em 1922 , no Rio de Janeiro, representou o Espírito Santo, como único delegado, no 4º Congresso Nacional de Instrução Superior e Secundária. - Em Vitória, foi editor do jornal, “O Diário da Manhã”, órgão oficial do Estado, onde escrevia a coluna “O que os pais devem ler”. E também editou, a revista Vida Capichaba. - Elpídio, foi professor de Português e Literatura na Escola Normal Pedro II e professor catedrático - do Colégio Estadual em Vitória. - Como voluntário, colaborou com a Junta de Conciliação do Espírito Santo, período de 1934 à 1936. - Á partir de 1939, através de concurso na disciplina português, passou a professor do Colégio Pedro II do Rio de Janeiro. - Em 1954, foi nomeado Diretor de Administração do DASP e ainda, neste ano, foi eleito membro vitalício da Federação das Academias de Letras do Brasil. - Elpído, foi também, membro/fundador da Academia Espiritosantense de Letras, e grande mentor da educação literária de sua geração, além de representante do Estado Novo- no Governo - de Getúlio Vargas aqui, no Espírito Santo. - Foi também, homenageado com a Ordem Albatroz, no grau Comendador - pelo Instituto Cultural do Museu Naval da Guanabara. Elpídio, publicou várias obras: - Um punhado de galicismo, tese, 1917; - Origem e Evolução da Linguagem, tese, 1922; - Apostilas Pedagógicas, 1923; - Catálogo florestal e álbum do E.Santo, 1922; - Quando o Penedo falava... história dialogado do EES, 1927. Faleceu em 19 de outubro de 1971 no Rio de Janeiro aos 77 anos de idade. No bairro Jardim da Penha, em Vitória, existe uma rua em sua homenagem. Publicou: Um punhado de galicismo, tese,1917 Origem e evolução da linguagem, tese, 1922 Postilas pedagógicas, 1923 Catálogo florestal e álbum do Espírito Santo, 1922 Quando o Penedo falava..., história dialogada do Estado do Espírito Santo, 1927.

Getunildo 1º Titular: Getunildo Pimentel
Advogado. Foi Presidente da Câmara Municipal da Serra de 1967 a 1968 e de 1970 a 1971. Foi eleito 1º Vice-Presidente da ALEAS - Academia de Letras e Artes da Serra, em 28 de Agosto de 1993, participando da primeira Diretoria da Academia, ao lado do Presidente Acadêmico Clério José Borges de Sant Anna, num mandato até o dia 28/08/1995. A Câmara da Serra por ocasião de sua morte em 2010, divulgou o seguinte: "Getunildo, ex-vereador da serra e ex- presidente da Câmara morreu neste último sábado (24/07), ele participou ativamente no cenário político da Serra na década de 1960. Cirurgião dentista formado pela Ufes. Foi vereador eleito pelo povo pelo partido MDB por dois mandatos e ocupou a presidência da Câmara da Serra entre 1967 a 1968 e de 1970 e 1971. Pimentel foi presidente do Instituto de Previdência Social (IPS) e do Instituto de Previdência Jerônimo Monteiro (IPJM) em Vitória e, também atuou como Secretário de Educação na Serra. O presidente da Câmara, Cesar Nunes (PDT), lamentou a morte de Getunildo. "Ele foi um dos mais respeitáveis políticos da história da Serra. Viveu e lutou pela democracia. Além disso, Pimentel contribuiu de forma decisiva para o fortalecimento da nossa Câmara Municipal", disse Cesar."
Getunildo Pimentel, cadeira nº 5 desta Academia. Filho primogênito do Pastor Getúlio Pimentel Loureiro e da Srª Hilda da Penha Pimentel. Getunildo tem 3 (três) irmãs, Angélica, Ângela e a Maria José (a Zezé), mãe do prefeito recém-eleito Audifax Barcellos. Getunildo, nasceu nesta cidade em 29 de novembro de 1933, formou-se cirurgião-dentista em 1960. E trabalhou nessa função no Centro de Saúde e no Sindicato Rural da Serra. Em 1958, casou-se com a professora, Léa Ramos Pimentel, minha tia, irmã de minha mãe, e teve 4 (quatro) filhos, Getúlio, Ricardo, Raquel e Sandra. Bom pai, sempre presente na vida família e na educação dos filhos. Na década de 60 (sessenta), foi eleito, duas vezes vereador (época, que o vereador. não era remunerado), inclusive, foi Presidente desta Câmara de Vereadores da Serra, período 1969 à 1970. Em parceria com ex-prefeito, Naly da Encarnação Miranda, conseguiu trazer a energia elétrica para o nosso município. Getunildo, foi ainda um dos fundadores do Ginásio Serrano, inclusive sendo professor de Ciências deste Colégio. Getunildo, por fazer oposição - ao golpe militar de 1964 - , foi detido, logo após fazer um discurso contra o Governo Militar na Câmara Municipal da Serra. Em consequência, dessa arbitrariedade e por apelo familiar, afastou-se da política. Em 1980, voltou à política, atendendo, a inúmeros pedidos de Max Mauro, Gerson Camata e de outras lideranças políticas. Assim, Getunildo, como, Presidente do PMDB ajudou a organizar e consolidar o partido no Município da Serra. Em 1982, mesmo com pouco recursos financeiros, candidatou-se, a prefeito da Serra, obtendo uma votação expressiva e ajudando a eleger, o companheiro João Batista da Motta. Importante frisar, que nessa mesma eleição, Getunildo, apoiou o então candidato a Deputado Estadual, Paulo Hartung, que obteve 3.500 votos, sem os quais não seria eleito. Na administração do prefeito Motta, foi secretário de educação, e com apoio do secretário estadual da época, Wilson Haese , conseguiu trazer 25 escolas para o município. Na administração do governador Gerson Camata, foi Presidente do Instituto de Previdência Jerônimo Monteiro/IPAJM. Getunildo, antes de tudo, era um homem de palavra, de coragem, nunca e nunca, deixou de assumir posições firmes. E nunca se omitiu, diante de qualquer situação, durante a sua vida. Em 1985, se comprometeu, a votar em Max Mauro na Convenção do PMDB, para a escolha do candidato a governador, embora, pressionado de toda forma, para mudar seu voto, para outro candidato, entretanto, manteve-se, firme, em consequência, foi exonerado, do cargo de Presidente do Instituto Jerônimo Monteiro. Entretanto, logo após a eleição do Governador Max Mauro, retornou ao Instituto na mesma função, onde permaneceu até meados da administração do governador Albuíno de Azevedo, quando, solicitou a sua aposentadoria, após mais de 35 anos de serviços. Getunildo, na política, era um idealista, acreditava que, por meio dela, poderia criar uma sociedade mais justa, com oportunidades para todos, assim como, ajudar os desenvolvimentos do município da Serra, dos Estados e do Brasil. Enfrentou perseguições políticas, e inúmeros obstáculos, vencendo-os de cabeça erguida. Entrou e saiu da política, com a ficha limpa, sem guardar mágoas de seus adversários. Getunildo, faleceu aos 76 anos, em 23 de julho de 2010, tendo como maior patrimônio, o seu nome honrado! Por tudo que foi dito, em homenagem a todos acadêmicos já falecidos, familiares e outras pessoas que passaram para outro lado da vida, incluindo, a minha querida mãe: Suzete Ramos Ferreira, recém-falecida, peço à gentileza, àqueles que, podem ficar de pé, neste momento, para fazermos um minuto de silêncio. Finalmente, agradecemos este silêncio, que representa o simbolismo e respeito humano, E para todos àqueles, que estão vivos, aqui e agora, pedimos, uma calorosa salva de palmas!!!!

Getunildo 2º Titular: Edilson Celestino Ferreira
Nascido em 06/04/44, no Distrito de Calogi Serra-ES, filiação: Enéas Ferreira e Suzete Ramos Ferreira. Cursos: Primário no Grupo Escolar "João Loyola"-Serra-Sede, 1º e 2º Grau Colégio Estadual em Vitória, Técnico de Administração Colégio Brasileiro em Vitória, Superior: Administração de Empresas -FAESA e Escola Superior de Guerra - ADESG. Experiência Profissional: Aposentado da Caixa Econômica Federal, Membro do Conselho de Cidadania da CEF, Diretor de Esportes do Pessoal da Caixa Econômica, Conselheiro e Presidente da Associação dos Aposentados da Caixa Econômica, Fundador e Presidente do Partido dos Aposentados da Nação -PAN-Serra-ES, membro do Clube dos Trovadores Capixabas- CTC, participação Quinta Literária Shopping Laranjeiras, Posse dia 25/10/12, Cadeira nº 5, Academia de Letras e Artes da Serra. Obras Publicadas: Regionalismo e Naturalismo - Uma ação humanizante em busca de nova sociedade, Limites Serra e Vitória - Verdades ou Magias?!, Diversos artigos jornal Voz da AEA, compositor musical com CD (gravado), Inventos registrados no INPI (Pára-sol para veículos, sistema lotérico, caixas e cavaletes de pneus reciclados) e diversas homenagens culturais (medalhas, certificados e placas) etc.

06

Antônio Cícero Pereira Pinto
Filho de Sancho Pereira Pinto e de Luiza Braga, nasceu na Serra, no dia 10 de maio de 1886. Fez seus estudos de música com o Maestro Ernestro Castro, da Banda de Música Recreio dos Artistas, tendo posteriormente assumido a regência dessa Banda por volta do ano de 1918. Tinha o dom musical dos metais aos instrumentos de sopro, passando pelos de corda. Com todos instrumentos tinha desenvoltura e boa execução, mas ficou conhecido pelas insterpretações no violino e, especialmente, ao dedilhar o violão. Trabalhou com afinco em prol da Música na Cidade da Serra. Preparou vários instrumentistas, dos quais muitos deles incluíram-se na Banda da Polícia Militar do Estado do Espírito Santo, como o pistonista José Carlos de Miranda e Luiz Loureiro, clarinetista. Participava anualmente dos festejos carnavalescos e dividia a Banda de Música em Conjuntos para animar os Blocos Carnavalescos, "Flor da Serra" e "Sorriso", nas ruas da Cidade e outras Festas promovidas pela Comunidade Serrana. Como Maestro prestou relevante serviço ao Município da Serra, regendo a Banda de Música em diversas solenidades cívicas. Casado com Teresa C. Pinto. Faleceu aos 56 anos de idade, no dia 06 de setembro de 1944. O Casal deixou 8 filhos, Manoel, Edith, Acrísio, Zuleica, Clodoaldo, Alonso, José e Luiza. Em 2005, o Acadêmico João Luiz Castello Lopes Ribeiro organizou para a ALEAS um Livro contando a vida dos Patronos da Academia e sobre o Maestro Antônio Cícero Pereira Pinto destacou que foi um cidadão modesto, mas de reconhecido caráter e como Maestro da Banda de Música era bastante severo quanto a disciplina. Em sua homenagem uma das ruas da Serra Sede recebe o nome de Rua Maestro Antônio Cícero.

Anthistenes 1º Titular: Anthístenes Loureiro
Antísthenes Loureiro nasceu na Cidade da Serra em 19 de junho de 1920, filho de Luiz Nascimento da Rosa Loureiro e Dª Clarice Ferreira da Conceição Loureiro, família tradicional da Serra. Serrano autêntico, Antísthenes Loureiro foi casado com Dª Estanilla do Nascimento Fraga Loureiro com quem tivera 7 filhos: Luiz, Luiza, Alcy, Ezequiel, Clarice, Maria da Graça e Bernadete. Antísthenes começou na arte musical aos 17 anos, na antiga “Lyra Estrela do Norte” com o maestro Manoel Xavier, indo para o Exército em 1941, onde preparou-se nos cursos: teoria e solfejo; harmonia e instrumentação; canto orfeônico. Fora maestro da Banda do antigo 3º BC, hoje, 38º BI – Vila Velha – ES – Maestro da Banda de Música do 28° BC, em Aracaju – SE. Foi maestro fundador da Banda Estrela dos Artistas e presidente dessa Sociedade Musical de julho de 1972 a maio de 1979 e de 12 de outubro de 1996 a 31 de janeiro de 2004. Faleceu no Hospital Meridional – Cariacica – em 14/01/2008, sepultado no cemitério central da sede de sua cidade natal – a Serra.

João Luiz 2º Titular: Márcia Montarroyos
Márcia Andréia Montarroyos Carvalho nasceu na cidade da Serra em 5 de setembro de 1966. Filha de Maria Antônia Simões Montarroyos e Ilson Montarroyos, é casada com o investigador de polícia David da Silva Carvalho Filho, tendo o casal dois filhos: Gabriela Montarroyos Carvalho e Ilson Diegho Montarroyos Carvalho. Formou-se em jornalismo pela faculdade Faesa, Márcia é uma grande defensora da cultura do município da Serra. Funcionária de carreira há mais de 20 anos do Executivo serrano, desde 2009 está à disposição da Câmara Municipal da Serra onde desempenha a função de coordenadora de comunicação e cerimonialista. Entre seus trabalhos de destaque no Poder Legislativo da Serra está a idealização do “Projeto Câmara Escola”, que recebe centenas de alunos todos os meses para uma aula sobre democracia e cidadania. Atua com maestria na produção de projetos voltados à cultura e documentários que elevam e apresentam as potencialidades da Serra a todo o Brasil. Escreveu uma revista sobre a Banda Estrela dos Artistas. O voto de congratulação é uma homenagem oferecida pela Câmara Municipal da Serra a quem, de alguma forma, se destaca no cenário municipal e estadual e Márcia Montarroyos já recebeu mais de 13 Votos de Congratulações. Entre os seus títulos honoríficos estão a homenagem recebida pela Câmara Municipal da Serra em sessão solene pelo Dia Internacional da Mulher, em 10/03/2009; e a homenagem recebida pela Câmara Municipal da Serra em sessão solene alusiva ao Dia do Jornalista, em 07/04/2011. Obras: • Vídeo documentário – História de Vida do delegado Danilo Bahiense; • Vídeo documentário – Amor Incondicional; • Vídeo documentário - Projeto Câmara Escola; • Vídeo Prestação de Contas da Câmara Municipal da Serra; • Vídeo documentário História de Vida do vereador Cezar Nunes; • Vídeo apresentação de aniversário da Banda Estrela dos Artistas. Poesias Márcia é uma autora sensível e procura retratar a realidade serrana nas suas poesias. “Retratos” – dedicada ao fotografo Edson Reis. "Manguinhos: Meu Encanto"; “Livro, sabedoria de João, Pedro, Daniel e Maria” - Outra poesia de Márcia Montarroyos. Márcia é a atual vice-presidente do Conselho Municipal de Cultura - biênio 2012/2013 -, e Conselheira Titular da Câmara Audiovisual (2012 a 2014).

07

Hilário Duarte
Foi Mestre de Música

1º Titular: Galbo Benedito Nascimento
Galbo Benedicto Nascimento nasceu no município da Serra, no Estado do Espírito Santo, em 01/07/1045, filho de Barnabé do Nascimento Neves e de Júlia Castello Nascimento. Fez o curso ginasial no Ginásio Serrano da Fundação Lourenço Braz, na Serra. O curso científico no Colégio Estadual de Vitória. É Técnico de Contabilidade, feito na Escola de 1º e 2º graus na Escola Serrana. Bacharelou-se em Direito, pela Faculdade de Vila Velha. Pós-graduado em Direito Civil e Direito Processual Civil, UNESC. Auxiliou o pai na lavoura até os 23 anos. Funcionário público municipal até os 51 anos, tendo sido admitido por concurso público no cargo de Auxiliar de Arrecadação, tendo ocupado os cargos de Tesoureiro, Secretário de Gabinete do Prefeito, Secretário da Ação Social, Fiscal de Rendas, cargo no qual se aposentou. Foi ainda Agente Financeiro do MOBRAL em caráter relevante, por um curso período. Atualmente advogado militante na área civil. Cargo eletivo: Vereador pelo Município da Serra, de 1977 a 1983. Membro da Sociedade Musical Estrela dos Artistas (Diretor Financeiro-músico/regente) Membro da Academia de Letras e Artes da Serra, onde ocupa a cadeira n. 07, cujo patrono é Hilário Duarte. Obras: Participação na Coletânea "Serra em Prosa & Versos - Poetas e Escritores da Serra, organizada por Clério José Borges de Sant'Anna. FONTE:"Serra em Prosa & Versos - Poetas e Escritores da Serra", organizada por Clério José Borges de Sant'Anna.

08

Rogério Norbin
Artista Plástico

1º Titular: Walter Francisco de Assis
Assis é Artista Plástico. Nasceu em Putiri, SERRA - ES, Brasil. Autodidata, possui o título honorífico de Notório Saber. Foi membro do Conselho Municipal de Cultura da Serra e é Acadêmico da Academia de Letras e Artes da Serra, Aleas. É um dos mais destacados e premiados nomes da História das Artes Plásticas do Município e do Estado do Espírito Santo. Os trabalhos de Assis, abordam acontecimentos da História da Serra, como: Enforcamento do negro escravo Chico Prego; Insurreição dos Negros do Queimado e detalhes da Serra Sede no período da colonização e dos escravos. Walter Francisco de Assis, Brasileiro, Data de Nascimento: 18/11/1932 - Signo Escorpião - Filho de Manoel Francisco de Assis e de Odorica Santos. Nasceu na localidade de Putiri, Município de Serra, no Estado do Espírito Santo, Brasil. Trabalhou na roça Assis nasceu em pleno Quitungo (Engenho de Fazer Farinha). A mãe sentiu as dores do parto no momento em que trabalhava no Engenho de fazer Farinha Espírita. É autodidata. Nunca estudou Artes Plásticas, jã nascendo com o talento de um Artista de primeira qualidade Destaca-se como Primitivista TÍTULOS NOTÓRIO SABER EM ARTES PLÁSTICAS COMENDA DOMINGOS MARTINS, OUTORGADA PELA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO DIA 20 DE MARÇO DE 2002 SERRANO ILUSTRE CONCEDIDO PELA CÂMARA MUNICIPAL DA SERRA EM HOMENAGEM A WALTER FRANCISCO DE ASSIS FOI CRIADA A LEI WALTER FRANCISCO DE ASSIS QUE TOMBA OS BENS IMATERIAIS DA SERRA ACADÊMICO IMORTAL DA ALEAS, CADEIRA NÚMERO 08 MEMBRO DO CONSELHO CURTURAL DA ACADEMIA DE LETRAS E ARTES DA SERRA, ALEAS CONSELHEIRO TITULAR DO CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA DA SERRA FILHOS Assis é Viúvo e tem cinco filhos: Norma Nilton Nivaldo Nélio Nara OPINIÕES "Assis representa o esplendor de uma época que não existe mais" - Aurélio Carlos Marques de Moura, Presidente do Conselho Municipal de Cultura da Serra, em 16 de Maio de 2002. "Conheci Assis, quando em 1981 visitei as instalações do então Jornal da Serra, na Serra Sede. O Jornal era dirigido por Ronaldo Montalvão na administração do Prefeito José Maria Feu Rosa. No Jornal trabalhava Anselmo Gonçalves e numa visita ao Anselmo, conheci o Walter Francisco de Assis. Passei a admirar o seu talento e a ser um devotado pesquisador da sua obra cuja temática principal é a história do Município da Serra, destacando os Negros Escravos e os momentos mais importantes deste Município da Serra, no Estado do Espíritop Santo. Assis é de um talento sem igual. Fabuloso." - Clério José Borges de Sant´Anna, Conselheiro da Área de Literatura do Conselho Municipal de Cultura da Serra e autor do Livro História da Serra, cuja primeira edição foi publicada em 1998. Walter Francisco de Assis é também desenhista da Secretaria de Turismo da Prefeitura da Serra, trabalhou no Jornal A Gazeta como desenhista de 1953 à 1959 e fundou o Jornal da Serra, no período de 1979 à 1980. Seu trabalho é dedicado à pintura, geralmente sobre temas regionais do Estado e do Município da Serra, mas também já pintou outros temas, inclusive religiosos na decoração da Igreja de Pitanga. Já participou de várias mostras importantes no Estado do Espírito Santo, além de ter, em exposição permanente, vários quadros nos prédios públicos do município. Ocupa a cadeira nº 08 da Academia de Artes e Letras da Serra.

09

Kosciusko Barbosa Leão
Poeta, escritor, Professor. Kosciuszko Barbosa Leão Dados Biográficos: Nasceu em Santa Cruz, distrito do município de Aracruz, no Estado do Espírito Santo, a 12/09/1889. Filho de Miguel Barbosa Leão e Ana Barbosa Leão. Poeta, trovador, teatrólogo, jornalista, advogado. Fez o curso primário na cidade da Serra (ES) e o secundário no Seminário de Olinda (PE). Bacharel em Direito, pela Faculdade de Direito da Universidade do Rio de Janeiro, em 1916. Advogou nas comarcas de São Pedro de Itabapoana, São José do Calçado, Anchieta e Vitória (ES). Foi um dos fundadores do Ginásio "São Vicente de Paulo", em Vitória, ali lecionando por muitos anos. Professor catedrático da Faculdade de Direito, quando estabelecimento isolado bem como diretor da mesma, que lhe conferiu o título de Professor Emérito. Exerceu, também em Vitória, os cargos de Chefe de Polícia e de Procurador da Fazenda Nacional. Ocupou a cadeira nº 36 da Academia Espírito- santense de Letras cujo patrono é José Joaquim Pessanha Póvoa. Também é o patrono da cadeira n. 9, da Acdemia de Letras e Artes da Serra. Faleceu em Vitória, capital do Estado, a 20/05/1979,após ter doado o palacete em que residia para sede da Academia Espírito-santense de Letras, atualmente também conhecida como Casa Kosciuszko Barbosa Leão, em homenagem ao doador. Foi condecorado pelo governo do Estado do Espírito Santo com a "Ordem do Mérito Jerônimo Monteiro, no grau de Comendador. Obras: Poesias (poemas) 1940 A visão da miséria através da polícia (prosa) Meditação (poemas) 1940 JTM (poema em duas edições) 1940 e 1977 Tentativa de Roubo (direito) Cinco Noivados (teatro) 1941 O Estado Novo e a liberdade e O Dia do Funcionário, conferências Canoeiros (poesia em duas edições): 1942 e 1977 A viagem da vida e o Primado do bacharel de Direito, dircursos de paraninfo, na citada Faculdade Travos e trovas (poesia) 1973 Meu inverno (poemas, edição póstuma) 1979 Alma e Deus - ensaio filosófico 1973 Escreveu também sobre direito, política e religião. Participação no livro "Serra em Prosa&Versos - Poetas e Escritores da Serra, de autoria de Clério José Borges. FONTES: COUTINHO, Afrânio e SOUZA , J.G de (dir) Enciclopédia de Literatura Brasileira. Rio de Janeiro, FAE, 1990 ELTON, Elmo. Pastas do Espírito Santo, Vitória, UFES, FCAA, PMV, 1982 Antologia O Trovismo Capixaba - Clério José Borges - Editora Codpoe -RJ-1989/1990

1º Titular: Carlos Nodier Fraga de Miranda
Comerciante e admirador das artes

10

Aristóbulo Barbosa Leão
Professor. Nasceu no município da Serra, no Estado do Espírito Santo, em 06/06/1887. Cursou humanidades, como seminarista, no Colégio São Vicente de Paulo, sob a direção dos padres lazaristas, em Petrópolis. Em 1913, fundou, em Vitória, com Miguel e Kosciuszko Barbosa Leão, seus irmãos, o Ginásio São Vicente de Paulo, que viria a ser um dos mais conceituados da cidade, sendo que, quando já diretor desse estabelecimento de ensino, submeteu-se, no Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro, a exames parcelados das matérias que compunham o curso secundário, visto não reconhecidos, oficialmente, os estudos antes realizados em Petrópolis. Logrou, então, ser aprovado em todas as disciplinas, com distinção plena, causando admiração aos examinadores, tantos os conhecimentos humanísticos revelados pelo candidato. Aristóbulo Barbosa Leão firmou nome, no Espírito Santo, como um de seus maiores educadores, sendo que, pouco antes de falecer, doou à Prefeitura Municipal de Vitória o prédio e todos os demais pertences do colégio que, ora dirigido pela Municipalidade, conserva o nome do seu patrono, por exigência do saudoso doador. Em sua homenagem, a Prefeitura Municipal de Vitória deu o seu nome a uma rua do bairro Jardim da Penha. Publicou: "Não choreis , amigos", ensaio filosófico, 1920 "Alocução pedagógica", 1921 "Do país da sombra para o país da luz" (Padre Carlos Calleri), 1927

1º Titular: Sandra Geralda Amorim Bunges
Escritora. Pertence a Academia Feminina Espirito Santense de Letras. Nasceu em Vitória, capital do Estado do Espírito Santo. Fez vários cursos. Dentre eles: Curso de Artes Livres, na Escola de Belas Artes - RJ, Curso de Método Laubach para Alfabetização de Adultos, no Colégio Padre Anchieta. Foi professora nos Colégios São Vicente de Paula e Sacre-Coeur de Marie, em Vitória. Fundadora da Academia de Letras e Artes da Serra, onde ocupa a cadeira n. 10, cujo patrono é Aristóbulo Barbosa Leão. Ocupou vários cargos no Sindicato dos Servidores do município da Serra-ES e no Conselho Municipal de Cultura da Prefeitura de Vitória. É membro da Associação das Escritoras e Jornalistas do ES, da Casa do Poeta Brasileiro e do Clube dos Trovadores Capixabas - CTC. Colaborou em vários jornais: "Folha da Manhã", "O Troveiro" e "Raízes". Publicou: Menor Carente, meu irmão (premiado) Movida pela Natureza ( que participou da 2ª Bienal do Livro no Rio Centro RJ A natureza - Meu Universo Colaborou nas coletâneas: Cantares de Outono na Primavera Calidoscópio Trovadores Capixabas

11

Belmiro Geraldo Castello
Professor e Ex-Presidente da Câmara Municipal da Serra

1º Titular: Carlos Gonçalo Amaral
Advogado

12

Adélia Almeida Gomes
Professora

1º Titular: Márcia Lamas da Silva
Professora e Política

13

Orlando Rosa Bonfim
Orador consagrado. Nasceu no municipio da Serra, no Estado do Espírito Santo, a 20/01/1880. Advogado, Jornalista e notável tribuno. Residiu, por longos anos, em Santa Teresa, também município do Espírito Santo, onde foi prefeito municipal, sendo ali conhecido pelo apelido de Barão. Leia-se o que dele disse, em página lapidar, a acadêmica Virgínia Gasparini Tamanini: "A carreira de Orlando se definiu por um dom que Deus lhe dera: ninguém o sobrepujava como tribuno. Calavam-se todos, o burburinho do recinto cessava, profundo se fazia o silêncio quando o Barão se erguia para falar. Límpidas, claras, de timbre abaritonado, soavam as palavras do exórdio alcançando, um por um, magnéticas e como que pessoais, a todos os presentes, jovens e velhos, homens e mulheres, humildes e letrados. Cada qual se sentia convocado, co-autor e co-participante, seguidor atendo e solidário do "condotiere" que falava. Orlando moldava como queria a massa amorfa de ouvintes e a conduzia fiel, submissa, pelos caminhos que traçara. Era capaz de fazê-la sorrir descontraída, agora, para logo a segir tê-la à beira das lágrimas, presa às inflexões de sua voz emocionada. Orador mitingueiro como poucos, seu destino teria que ser, como foi, a política e o tribunal do júri. Antes mesmo que começasse, os aplausos estrugiam. Os dias de juri eram para ele dias de glória e de consagração. Santa Teresa tinha orgulho do Barão. Por um quarto de século Santa Teresa se fez presente através dele, falou por sua voz. Mas a política e os tribunais não bastaram para absorver o tempo e esgotar o manancial de poder criador daquela alma eleita, que vicejava no recando alcandorado do pequeno burgo, pousado entre as monanhas, batido pelos ventos. Orlando era poeta e escritor primoroso, mais voltado, pelas circunstâncias da vida quelevava, para o difícil gênero da crônica, que ele soube, com leveza e bem dosado senso de humor, trabalhar e enriquecer com maestria. Os jornais do Estado como os do Rio e São Paulo publicavam, com regularidade, trabalhos seus. Muito produziu, muito escreveu. Se todos os seus escritos pudessem ser reencontrados e reunidos em livro, alcançariam certamente vários volumes. Jornalista por vocação, foi, em diferentes oportunidades, redator ou correspondente ou diretor de periódicos diversos. Foi um dos fundadores da Associação Espírito-santense de Letras. Em sua homenagem, a Prefeitura Municipal de Vitória deu seu nome a uma rua do bairro Caratoíra.Faleceu em Vitória, em 30/09/1942.

1º Titular: Humberto Aires de Moura e Silva
Advogado e Admirador das artes

14

José Leão Nunes
Professor. Nasceu no dia 09/01/1916, no bairro de Nova Almeida, município da Serra, no Estado do Espírito Santo., filho do comerciante Anísio Nunes Barbosa e de Zenóbia Hortência Leão, neto materno de Miguel Barbosa Leão e de Anna Maria da Conceição Barbosa Leão. Era sobrinho de Aristóbulo, Kosciuszko, Miguel, Maria Grata Leão Castello e de Horódoto Barbosa Leão. Seus primeiros estudos foram na sua terra natal sob a orientação de sua mãe, quando revelou inclinação pelas ciências sociais. Estudou depois no Ginásio "São Vicente de Paulo", em Vitória e, sob a orientação de seu tio Aristóbulo Barbosa Leão concluiu o Ginasio. Formou-se em Direito e dedicou-se depois ao Magistério. Colaborou com Poesias e Crônicas em periódicos de Vitória, quando ainda jovem. É um dos autores da Enciclopédia Orgânica da Língua Portuguesa. Faleceu em 26/11/1077. Professor catedrático de Latim do Ginásio Maria Ortiz e da Escola Normal Pedro II. No Ginásio "Maria Ortiz", a criadora e organizadora deste site teve a honra de tê-lo como professor de Latim, durante as quatro séries do curso ginasial.

1º Titular: Pedro Paulo de Souza Nunes
Autor de peças teatrais e Político. Pedro Paulo de Souza Nunes Escritor Natural do Rio de Janeiro, metalúrgico, veio para o Espírito Santo para trabalhar na construção da então CST, hoje Arcelor Mittal. Reside no município da Serra desde o início da década de 80, tendo sido vereador da cidade. Cantor e letrista, fundador da Escola de Samba Rosas de Ouro e do Bloco “As Moças de Serra Dourada” ; Ator de teatro, aluno do prof. Eleazar Pessoa, intérprete de Jesus Cristo nas montagens da Via Sacra em Serra Dourada nos anos de 1998, 1999, 2000, 2001 e 2003. Em 1986, participou como ator do filme O Doador, produção CST/ Rede Gazeta; Romancista, contista, cronista, ensaísta e dramaturgo, um dos fundadores do Conselho de Cultura da Serra e da Academia de Letras e Artes da Serra sendo detentor da cadeira 14 da entidade. A primeira incursão nas letras deu-se ainda no Rio de Janeiro então com 13 anos, com a adaptação e direção da Parábola do Filho Pródigo para o grupo de teatro dos jovens da comunidade onde residia. Ainda no Rio de Janeiro escreveu dois livros: Tarde de Esmolas (contos) e Casos de Família (romance). Apaixonado pela crônica escreveu durante três anos no serrano Jornal Acontece; em 2006 teve crônicas publicadas na coletânea Poetas e Escritores da Serra, importante obra organizada pelo historiador Clério José Borges em comemoração aos 450 anos de história da colonização da Serra; Em 2007, peça infantil de sua autoria O Laboratório do Professor Louquinho da Silva, escrita em 1987, foi montada no Teatro Edith Bulhões pela Cia. de Artes Cênicas de Vitória; em 2008 publicou livro de contos O Grande Dia, atualmente na 2ª edição. Concluiu o romance Proença na Corda Bamba. Sua peça As Cartas Não Mentem Jamais está em fase de ensaio para montagem no Rio de Janeiro. Trabalha em novo romance cujo título provisório é Édipo.

15

Manoel Cardoso Castello
Capitão da Guarda Nacional

1º Titular: Teodorico Boa Morte
Poeta. Autor do Livro de Cordel sobre a Insurreição do Queimado. Teodorico Boa Morte nasceu no município de Aracruz, no Estado do Espírito Santo, em 28/06/1950, filho de pais lavradores. Sua família residiu posteriormente em Linhares e depois na Serra, também municípios do Espírito Santo. Poeta, compositor e folclorista. Membro da Academia de Artes e Letras da Serra, onde ocupa a cadeira n.15, cujo patrono é Manoel Cardoso Castello. Músico fundador da Banda de Música Estrela dos Artistas. Membro do Conselho Cultura da Serra. Participação no Teatro Insurreição do Queimado - 1986. Participação na coletânea do livro "Poetas Brasileiros", de 1986, com a poesia Fatalidade. Compositor do samba-enredo "Serra de Cabral a Vidigal", representando a Escola Rosas de Ouro, Carnaval de 2000. Participação em Festivais Estaduais de Músicas, na década de 1980. Participação no XIV Seminário Nacional de Trovas, representando o Clube dos Trovadores Capixabas, em Linhares - 1994. Participação no XIV Seminário de Neotrovadorismo - 1994. Publicou: "Insurreição do Queimado" em poesia - 2 edições 1999/2000 - lançado nos 150 anos de aniversário da Insurreição do Quemado, Distrito da Serra, Espírito Santo - Brasil

16

João Ferreira Castello
Foi Promotor Público

1º Titular: Eci Scardini
Proprietário do Jornal Tempo Novo

17

José Ribeiro da Silva Rosa
Professor

1º Titular: Marcela Marques
Escritora

18

Mirabeau da Rocha Pimentel
Foi Secretario de Justiça. Mirabeau Ferreira da Rocha Pimentel 1885-1973 Nasceu em: Serra - Espírito Santo - Brasil Morreu em: Rio de Janeiro - RJ - Brasil. MIRABEAU DA ROCHA PIMENTEL 1926 a 1927 Nasceu em 14 de março de 1895, no município de Serra (ES). Antes de concluir o curso superior, foi escrevente na Biblioteca Pública Estadual e no Arquivo Público. Bacharelou-se na Faculdade de Livre Direito do Rio de Janeiro (atual UFRJ), em 1916. No ano seguinte, foi designado para ser promotor em Santa Júlia (Afonso Cláudio). No Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), também atuou nas comarcas de Pau Gigante (Ibiraçu) e Vitória. Nos governos Nestor Gomes (1920-1924) e Florentino Avidos (1924-1928), foi secretário de Estado de Instrução e colaborou para a melhoria das escolas estaduais e da qualidade do ensino. Em 30 de outubro de 1924, foi nomeado para o cargo de juiz em Santa Cruz (Aracruz), após ser aprovado em concurso público. Na magistratura, ainda atuou nas comarcas de Cachoeiro de Itapemirim e da Capital. No período de 1º de julho de 1926 a 03 de outubro de 1927, assumiu o posto de procurador-geral do Estado, o mais importante do Ministério Público na época. Além disso, assumiu interinamente a Secretaria da Presidência e da Agricultura. Durante a administração do governador do Estado Aristeu Borges de Aguiar, foi secretário de Interior e Justiça, mas teve que deixar o cargo devido à Revolução de 1930. Mirabeau da Rocha Pimentel foi membro do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo (IHGES) e da Academia de Letras e Artes da Serra (Aleas). Também exerceu a advocacia em Belo Horizonte. No Rio de Janeiro, onde também residiu, dirigiu o Banco da Lavoura de Minas Gerais. Morreu na capital carioca, no dia 02 de julho de 1973, aos 78 anos.

1º Titular: Paulo Roberto Ribeiro Walter de Negreiros
Admirador das artes e Político. Paulo Roberto Ribeiro de Negreiros nasceu no município da Serra, no Estao do Espírito Santo, em 26/11/1952, filho de Eglif Negreiros e Tarcy Ribeiro Walter Ribeiros. Cursos de administração de empresas - FAESA; Gerência empresarial - UNESIT; Teologia-neo; Ciências Políticas; Concursado para o cargo de Fiscal de Rendas da Prefeitura Municipal da Serra; Assessor Técnico da Secretária Estadual de Saúde. Nas diversas empresas pelas quais passou, teve tempo, teve tempo e oportunidade e aprender com cada uma delas, desenvolvendo atividades desde a coordenação de rotas de transporte, controle de Vilas de Operários (CST), com a implantação de diversas atividades; Projetos e programas voltados para micro-empresa (SEBRAE), etc. Cargos exercidos na Prefeitura Municipal da Serra.: Diretor Geral do P.A. de Carapina; Assessor Técnico da Secretária Municipal de Saúde; Coordenador do Fundo Municipal de Saúde; Coordenador da Comissãode Reforma Administrativa; Diretor de Apoio/ SESA; Gerente e Captador de Convênios ; Secretário Municipal de Agricultura; Secretário Municipal de Administração; Membro da Comissão de Elaboração da Lei Orgânica; Fiscal de Rendas (concursado); Coordenador do programa municipoal de Educação Fiscal; Cargos na Prefeitura Municipal de Cariacica: Secretário Municipal de Administração; Secretário Municipal de Educação; Membro da Academia de Letras e Artes da Serra, onde ocupa a cadeira n. 18, cujo patrono é Mirabeau da Rocha Pimentel. Participação no Fórum das Leis de Responsabilidade Fiscal, Reforma Tributária; Reforma Previdenciária e Reforma Administrativa em Brasilia, representando a Federação dos Auditores e Fiscal de Tributos Municipais; Membro da Diretoria (Presidente) do Sindicato Estadual do Fisco Municipal - SEFIM/ES; Membro da Diretoria (Vice-presidente) da Federação Nacional do Fisco Nacional - FENAFIM; Ministro do Evangelho; Membro do Corpo de Segurança da Presidência da República; Membro do quadro de Disseminadores de Educação Fiscal/ES, Membro da equipe de Educação Fiscal da Serra/ES. Obras: Participação no livro "Serra em Prosa&Versos - Poetas e Escritores da Serra", de autoria de Clério José Borges. Livro de Educação Fiscal Livro Uma História sem fim Escreveu 10 peças teatrais FONTE:"Serra em Prosa&Versos - Poetas e Escritores da Serra", de autoria de Clério José Borges.

19

Presciliano Biluia de Araújo
Foi Prefeito da Serra. Eleito em 1935. Era Médico. Presciliano Biluia de Araújo - Em 1934 foram convocadas Eleições para os Legislativos Estaduais e para o Congresso Nacional, quando foi elaborada uma nova Constituição. Em 1936 foi a vez das Eleições Municipais, quando foi eleito, Presciliano Biluia de Araújo, pelo Partido criado na Serra, o Partido Construtor Serrano. Tomou posse no dia 25 de Janeiro de 1936. Deposto no Golpe de Estado de 1937. Médico. Era de cor negra. Filho de Romão de Mattos Ribeiro Pinto e Gertrudes Maria da Conceição, nasceu na Serra - ES, em 1866 ou 1867. Casou-se na Cidade da Serra - ES, em 05.06.1892, com Maria Candida da Conceição (Mariquinha de seu Biluia), nascida em 1875, filha de Candida Maria da Conceição. Com a criação do "Estado Novo", golpe de 1937, por Getulio Vargas, foi deposto do cargo. Era um Médico prático. Conforme pesquisa de Galbo Benedito Nascimento e João Luiz Castello. conta-se que de certa feita uma criança decepou o tornozelo num fundo de uma garrafa, dando idéia que aquela criança ia perder o pé, ou ficar aleijado. Mas, seu Biluia com aquela força intuitiva conseguiu fazer com que os nervos e o pé daquela criança ficassem perfeitos. Para o povo: Deus no céu e Sr. Biluia na terra. Teve quatro filhos: Arsilene Leopoldina de Araújo casada com Hermenegildo Pereira Pinto, Gilda Nascimento Araújo casada com Alceu Nascimento (irmão de Branca de Olavo Castello), Dalila Araújo casada com Sebastião Diniz (Putiri) (pais da esposa de Darcy Bulhões), Djanira Maria de Araújo Pereira casada com Osvaldo Pereira (irmão de Sr. Osório Pereira), Sr. Biluia tinha um irmão Sr. Manoel Romão (avô de Terezinha, esposa de Carlos Miranda). Prisciliano Biluia de Araújo, completa a obra da ponte de Jacaraípe. O distrito de Nova Almeida, na gestão do Prefeito Prisciliano Biluia, ganha uma Estrada Rodoviária. Neste período foi construído, em terreno doado por Rômulo Leão Castello, o Grupo Escolar "Prof. Loyola".

1º Titular: Valdemir Ribeiro Azeredo
Escritor. Diretor do Clube dos Trovadores Capixabas

20

Cassiano Cardoso Castello
Foi Desembargador. Nasceu no município da Serra, no Estado do Espírito Santo, a 26/03/1882. Bacharelou-se pela Faculdade de Direito da Bahia em 1906. Professor de Inglês no Colégio Spencer, em Salvador, quando ainda estudante. Concluído o curso jurídico, retornou ao Espírito Santo, onde exerceu os cargos de promotor público, procurador e prefeito municipal de Vitória, diretor da Segurança Pública e secretário do Interior. Deputado à Assembléia Legislativa do Espírito Santo. Ingressou na magistratura vitalícia do Estado em 1911, como Juiz de Direito, exercendo a judicatura em várias comarcas. Em agosto de 1926 foi promovido a desembargador. Faleceu em Vitória a 24/01/1933, antes de completar 51 anos de idade. Em sua homenagem, a Prefeitura Municipal de Vitória deu seu nome a uma rua no bairro de Goiabeiras. Publicou: Relatório (Prefeitura Municipal de Vitória) Estudos sobre as reformas da Constituição e leis de organização judiciária e administrativa do Estado, 1922 Modelos para livros dos escrivães de Justiça, 1927 Relatório da Corregedoria.

1º Titular: Adir Ribeiro
Desenhista. Diretor do Clube dos Trovadores Capixabas. Adir Ribeiro nasceu em 05/09/1962, em Resplendor, Minas Gerais, filho de Manoel Ribeiro e de Maria Antonia Ribeiro. Reside no município da Serra-ES, onde teve a formação escolar em nível de 2º grau (curso Assistente em Administração) , concluído na Escola Clóvis Borges Miguel. Diretor do Sindicato dos Servidores do Município da Serra, Diretor da Associação de Moradores do bairro São Lourenço, na Serra (sede). Diretor do Clube de Trovadores Capixabas-CTC. Funcionário público municipal. Pintor, Publicitário, membro da Academia de Artes e Letras da Serra - ALEAS, onde ocupa a cadeira n. 20, cujo patrono é Cassiano Cardoso Castello.

21

José Celso Cláudio
Foi Secretário de Educação. Diretor do DSP, órgão que mais tarde se transformaria em Secretaria de Administração e foi também Secretário de Educação do Espírito Santo.

1º Titular: José Vieira da Silva Filho
Escritor

22

Aristeu Borges de Aguiar
Aristeu Borges de Aguiar (Vitória, 23 de maio de 1892 — Rio de Janeiro, 1 de setembro de 1951) foi um advogado, professor e político brasileiro. Foi eleito presidente do estado do Espírito Santo, tendo governado o estado de 30 de junho de 1928 a 16 de outubro de 1930. Foi Presidente da Província do Espírito Santo. Nasceu em Vitória, capital do Estado do Espírito Santo, a 23/05/1892. Bacharelou-se pela Faculdade Livre de Direito do Rio de Janeiro, em 1915. Foi Promotor Público em sua cidade, Procurador Geral do Estado, Diretor da Imprensa Oficial e do Diário da Manhã. Lente catedrático de História Universal e do Brasil, no antigo Ginásio do Espírito Santo, por concurso, quando defendeu a tese: De correção impecável e absoluta sinceridade são tradições do Brasil nas relações internacionais, datando de 18/12/1919 seu ingresso naquele estabelecimento de ensino, de que foi também diretor. Transitoriamente, dirigiu a Secretaria da Instrução, no governo de Florentino Avidos. Em 1928, foi eleito Presidente do Estado, tendo a ele assim se referido o antecessor, em mensagem enviada ao Congresso Legislativo, a 15/06/1928. "O Dr. Aristeu Borges de Aguiar é um nome de conceito firmado, de reputação ilibada, com predicados que o distinguem entre os nossos correligionários políticos, de qualidades e virtudes que asseguram a vitória da administração vindoura, como uma das mais afortunadas para a nossa terra". No período em que governou os negócios do Estado, desenvolveu atividades que contribuiram eficazmente para o progresso local, conforme se constata da leitura de seus relatórios apresentados ao Congresso Legislativo, nos anos de 1929 e 1930, empenhando-se sobretudo pela intensificação e aprimoramento do ensino escolar. Infelizmente, em decorrência da Revolução de 1930, não pode concluir o mandato presidencial, passando a residir então, com a família, no Rio de Janeiro, alí exercendo a advocacia. Foi membro do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, diretor do Contencioso da Companhia General Elétrica e presidente da Financiadora Sodedade Anônima. Faleceu no Rio de Janeiro, a 1º de setembro de 1951, com 59 anos de idade. Em sua homenagem, a Prefeitura Municipal de Vitória deu seu nome a uma rua no centro da cidade. Publicou: "De correção impecável e absoluta sinceridade são as tradições do Brasil nas relações internacionais", tese, 19119 "Discurso de paraninfo", 1921 "O Espírito Santo e suas possibilidades", conferência, 1927 "Programa de governo", 1928 "Mensagem ao Congresso Legislativo", 1928 "Promessas e realizações", 1929 "O meu governo e a defesa de meus atos", 1932

1º Titular: Rômulo Ramos
Artesão

23

João Loiola Pereira Borges
Foi Professor. O professor João Loyola nascido em 04 de maio de 1873 e falecido em 02/11/1922, que a partir de 18/02/1938 passou a dar nome ao antigo grupo escolar Santos Pinto ( Prof° Ignacio dos Santos Pinto), deu sequência a uma plêiade de mestres que se notabilizaram no ofício do magistério no município da Serra como: Afonso Duarte do Nascimento – Fundão – Nova Almeida. Demétrio Pereira do Nascimento – Jacaraípe. Ignacio dos Santos Pinto – Timbohy - 12° quarteirão da Serra. José Pereira Duarte do Nascimento – Queimado. João da Cruz Pereira da Fraga – Sede. Manoel Corrêa do Nascimento – Sede. Manoel Francisco Duarte do Nascimento – Sede. Presciliano do Nascimento Amaral – Campinho da Serra. Este último deixou o magistério para ocupar o cargo de coletor federal, cargo em que se aposentou. JOÃO LOYOLA PEREIRA BORGES – patrono da Cadeira n° 23, da Academia de Letras e Artes da Serra – ALEAS, ocupada, inicialmente, pelo saudoso Wilton Simas da Rocha casado que foi com a profª. Maria de Lourdes Leão Borges da Rocha. Ainda hoje, as lembranças do ditoso passado fazem da Escola de 1º Grau João Loyola a âncora do futuro de quantos foram alunos do grande mestre, por crescerem irmanados no saber oriundo das escolas masculinas de então. Discípulos como Xenócrates Calmon de Aguiar, Mirabeau da Rocha Pimentel, Francisco Clímaco Feu Rosa, Álvaro Castello, Rômulo Leão Castello, Gerson Loureiro, José Celso Cláudio, Odilon Castello Borges, Robinson Leão Castello, Thaurion Rocha Pimentel, dentre outros, levaram a pujança cultural serrana em plagas distantes ou intemporais. Foi, durante 49 anos, a presença viva da elegância e o dinamismo altruísta do mestre, distribuídos por Campinho, Jacaraípe, Serra (Sede) e, finalmente, Vitória, na direção do sólido Grupo Escolar Gomes Cardim, por reconhecimento do ex-aluno, secretário Mirabeau da Rocha Pimentel. Num domingo de sol, o casal ten. Henrique de Loyola Pereira e Anna da Silva Borges Pereira (Moç’Aninha) se encontrava em Maracapuaba, residência dos sogros e dos pais, o major João da Costa Silva Borges e Don’Ana, quando nasce João Loyola. Era o dia 04 de maio de 1873. Imediatamente o pai enviou mensageiro aos avós paternos, o juiz municipal Ignácio de Loyola Pereira e Luíza da Conceição Pereira, que viajaram para a casa do major. O menino João teria de partilhar, no decorrer dos tempos, sua vida com nove irmãos: Ignácio da Silva Pereira (pai Dr. Ignácio da Silva Pereira, afilhado de Olindina Leão Nunes); Ana Borges Pereira Miguel (avó materna de Antônio José Miguel Feu Rosa); Luíza Loyola Borges (mãe das professoras Ocarlita e Carmelina Borges Castello); Amélia Loyola Borges (mãe de Henrique Zacarias); Idalina Loyola Borges (mãe de Jairo Leão, pai da cantora Nara Leão); Afonso Henrique da Silva Borges (pai de Odilon Castello Borges); Belarmino Loyola Borges; Elpídio Wanderley e Teotônio Pereira da Silva Borges. O Prof. João Loyola iniciou seus estudos em Campinho da Serra, com o Prof. Manoel Laureano do Bonfim Júnior, passando à cidade da Serra para concluir o curso primário, sob a direção do latinista e prof. Manoel Correia do Nascimento. Aprovado com louvor seguiu para Vitória, onde ingressou no Ateneu Santos Pinto e concluiu o curso de Humanidades. Apto a ensinar, difundiria seus conhecimentos através do sacerdócio, na localidade de Campinho da Serra, de onde saiu na infância. Já em 1920, passou a dirigir a Escola Padrão, na capital do Estado, permanecendo aí até a sua retirada do mundo, numa quinta-feira chuvosa de 02 de novembro de 1922, sem férias ou licenças, com mais de 30 anos de atividades no magistério. Casou-se, aos 23 anos, num sábado de 1897, com a jovem Grata, filha de Victória Maria do Sacramento Leão e de Luiz Barboza Leão, tenente-coronel da Guarda Nacional, deputado estadual e presidente do governo municipal da Serra. Construiu, então, a descendência hígida e solidamente preparada para a vida social e moral, nas pessoas de José Câncio, Durval, Lucilla, Luiz Henrique, Manoel Avany e Victória Maria (Sinhá). Ao grande nome da educação serrana, Prof. João Loyola, couberam as homenagens da Academia de Letras e Artes da Serra, como Patrono da Cadeira nº 23, em 28/08/1993. Do Livro: Patronos – Academia de Letras e Artes da Serra – ALEAS.

1º Titular: Wilton Simas da Rocha
Foi Professor e pesquisador. Faleceu no final do ano 2000

2º Titular: Aurélio Carlos Marques de Moura
Videomaker. Fotógrafo. Primeiro Presidente do Conselho Municipal de Cultura da Serra. Aurélio Carlos Marques de Moura, nasceu na Várzea da Palma, no Estado de Minas Gerais, em 27/07/1957, filho de Geraldo Soares de Moura e Helena Marques de Moura. Fotógrafo e jornalista da revista Visão Econômica e do jornal de São Diogo, fo jornal da FAMS. Jornalista e fotógrafo "free-lance". Curso intensivo de Ciências Política e Social no Instituto Superior de Ciências Políticas e Sociais da URSS (Moscou-República da Rússia), em 1984. Fotografia , revelação e iluminação na Escola Imagem de Fotografia (Vitória) em 1988 e no Instituto Humboldt em 1989. Operação de Câmera, Diretor de Imagens e Editor de VT pelo Centro de Comunicação e Artes do SENAC-SP (1994/1995). Presidente do Conselho Municipal de cultura da Serra. Recebeu o prêmio Maracajaguaçu de Cultura concedido pela ALEAS - Academia de Letras e Artes da Serra, em 2001. Comenda Domingos Martins concedido pela Assembléia Legislativa do ES, em 2002. Título de Cidadão espirito-santense concedido pela Assembléia Legislativa do ES, em 2002, pelo trabalho de preservação do Sítio Histórico do Queimado (Serra), entre outras atividades culturais e políticas. Título de Cidadão Serrano concedido pela Câmara Municipal da Serra (ALEAS), eleito em agosto de 2003, ocupando a cadeira de n. 23. Reside no bairro de Fátima, Serra-ES. Participação no livro "Serra em Prosa&Versos - Poetas e Escritores da Serra", de autoria de Clério José Borges.

24

Presciliano do Nascimento Amaral
Foi Coletor Federal

1º Titular: Presciliano Carlos Amaral
Delegado da Polícia Federal e Admirador das Artes. Faleceu em 2003.
2º Titular: Paulo de Barros
Fotógrafo. Pesquisador

25

Luiz Cláudio de Freitas Rosa
Foi Monsenhor

1º Titular: Jovaldir Paschoal Bongestab
Professor. Autor de Peças Teatrais. Fundador do Grupo Lumen de Teatro

26

Racine Leão Castello
Foi Médico e Major do Exército. Racine Leão Castello - Patrono Nasceu no município da Serra, no Estado do Espírito Santo, em 06/12/1911, filho de João Dalmácio Castello e de Maria Grata Leão Castello. Em 1919 mudou-se para Vitória, capital do Espírito Santo, onde ingressou no Ginásio São Vicente de Paulo", concluiu o o curso ginasial em primeiro lugar, submeteu-se a exame vestibular na Escola de Medicina de Praia Vermelha, Rio de Janeiro. Em 1932 participou nos combates contra a revolução constitucionalista de São Paulo, foi interno gratuito do Hospital Central da Marinha e posteriormente por concurso foi interno remunerado, nomeado pelo Ministro da Marinha e pelo Presidente Getúlio Vargas, na década de 30. Interno da Clínica Ginecológica da Faculdade de Medicina, auxiliar acadêmico do Pronto Socorro, foi aprovado no concurso para médico militar, sendo aproveitado e matriculado na Escola de Saúde do Exército com 23 anos, em 1934, encerrado o ano letivo do curso de especialização foi promovido para tenente e classificado em Santa Maria da Boca do Monte -RS, no 5º regimento de artilharia montada. Casou-se na cidade da Serra-ES. Após seu casamento, foi servir a Coudelaria Nacional de Sahycan, no RS. Finalmente, mudou-se para Vitória-ES. Racine escreveu um livro de memórias "Memórias Indiscretas de Um Serrano", que foi editado em Vitória, em 1990. Faleceu no dia 25/01/1993. Participou do livro "Serra em Prosa&Versos - Poetas e Escritores da Serra", de autoria de Clério José Borges.

1º Titular: Manoel Custódio Ferreira
Professor. Aposentado do Exército

27

Alberto de Azambuja Meirelles
Foi Médico

1º Titular: Eduardo Mendonça
Escritor. Reside em Jacaraípe. Eduardo Mendonça é carioca, radicado no Espírito Santo, é militar reformado da Aeronáutica. Iniciou sua vida literária em 1991 ao lançar seu primeiro trabalho. Mas sua veia poética pedia a publicação de um trabalho mais romântico e que pudesse espelhar a vida como ela se apresenta. Além de retratar sua própria vida e a vida cotidiana dos brasileiros de uma maneira geral, com seus momentosde alegrias, de tristezas, de bom humor e, sobretudo, de esperança. Editor do Jornal "Maresia", publicado em Jacaraípe, município da Serra. Ocupa a cadeira n. 27 da Academia de Letras e Artes da Serra - ALEAS, cujo patrono é Alberto Gomes de Azambuja Meirelles. Obras: "Novos rumos" - livro técnico, povoado de conselhos e técnicas úteis- 1991 "Versos acadêmicos" - poesias -Liderset Artes Gráficas, Vitória, 1997 Participação no livro "Serra em Prosa&Versos - Poetas e Escritores da Serra, de autoria de Clério José Borges. FONTE: Serra em Prosa&Versos - Poetas e Escritores da Serra, de Clério José Borges.

28

Álvaro Castello
Professor. Álvaro Castello nasceu no município da Serra, no Estado do Espírito Santo, em 12/02/1896, filho de João Dalmácio Castello e Cora Salles Castello. Fez o curso primário na sua cidade natal. Em Vitória, capital do Estado, fez o curso ginasial completo, no Ginásio Estadual e no Ginásio "São Vicente de Paulo". Bacharelou-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito da Universidade do Rio de Janeiro. Telegrafista do Telégrafo Nacional, em Vitória, mediante concurso publico. Promotor Público da Comarca de Afonso Cláudio. Advogado autônomo na mesma Comarca. Deputado Estadual pelo Espírito Santo até outubro de 1937, pois no dia seguinte Getúlio Vargas deu o célebre golpe que fechou todos os legislativos do Brasil. Voltou a trabalhar como advogado autônomo, em Afonso Cláudio até dezembro de 1944. Consultor jurídico do governo do Estado do Espírito Santo, até 1945. Prefeito de Afonso Cláudio, nomeado pelo Interventor do Estado Otávio Lengruber, por curto período. Eleito deputado federal. Para a Constituinte, em 1950, foi reeleito, terminando seu mandato em 1955. Presidente da Caixa Econômica Federal do Espírito Santo até 1961. Além do exercicio das funções dos cargos públicos e da advocacia teve ainda as seguintes atividades: professor de portugués, geografia e matemática do Ginásio "São Vicente de Paulo" até 1923. No mesmo período e em sala do mesmo Ginásio manteve sozinho, um curso noturno para rapazes do comércio e também para sargentos da Polícia Militar que naquele tempo não tinha curso próprio. Faleceu em 08/07/1988.

1º Titular: Narceu de Paiva Filho
Nasceu no município de Baixo Guandu, no Estado do Espírito Santo, em 18/10/1934. Filho de Narceu Alves de Paiva e Maria Alves de Paiva. Fez o Curso Primário em Baixo Guandu. O Curso Ginasial e o 2o grau foram feitos no Colégio Pan-Americano de Aimorés, Minas Gerais. Foi seminarista por dois anos, em Manhumirim-MG, para satisfazer o desejo de sua mãe. Aprovado em concurso público para o IBGE, exerceu o cargo de Agente de Estatística a partir de 1955, tendo escolhido para trabalhar em Ibiraçu/ES. Porém, quando o IBGE fechou as agências do interior, preferiu deixar o cargo a ter que mudar-se para Vitória ou Linhares. Cursou Geografia, Supervisão Escolar, Orientação Pedagógica, História e Letras na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Colatina/ES. Na UFES, em Vitória, cursou Administração. Em Ibiraçu, fundou o time Ibiraçu Esporte Clube e os Jornais "O Imigrante" e "O Trabalho". Percorreu o Espírito Santo pra escrever um livro dos municípios para o IBGE, ilustrando-o com fotos. Fundou também o Clube dos Amigos da Seresta, onde nas noites de luar dedilhava seu violão e cantava seus versos e trovas. Fundou o Curso Ginasial noturno, ministrando aulas de Matemática e Geografia. Na Escola "Nossa Senhora da Saúde" lecionou História e Geografia do Espírito Santo e, em 1969, fundou a Escola de Contabilidade "José Simionato", na qual lecionou Geografia, tendo formado a primeira turma em 1971. Assim, exercendo o magistério, começou a pesquisar a história de Ibiraçu para ensiná-la às alunas do referido curso. Foi vereador em Ibiraçu de 1962 a 1966 e de 1966 a 1970. Escreveu a letra do Hino Oficial de Ibiraçu, "Saudades de Ibiraçu", gravado por Antonio João, instituido oficialmente como Hino do Município pela Lei n. 3.037/2009, em seu Art. Primeiro. Recebeu os títulos de cidadão dos seguintes municípios: Ibiraçu, Itaguaçu e João Neiva. Incentivou enormemente o Círcolo Ibiraçuense de Cultura Italiana, o folclore e o congo. Foi membro da Comissão de Festas do Centenário do município de Ibiraçu. Pertenceu à ALEAS - Academia de Letras e Artes da Serra, onde ocupou a cadeira n. 28, cujo patrono é Álvaro Castello. Foi Vice-presidente do Clube dos Poetas Trovadores Capixabas. Pertenceu ainda à Academia de Letras da França e à Galeria dos Trovadores do Brasil. Pertenceu também à Loja Maçônica Rufino Manoel de Oliveira. Seu nome foi dado à Escola Estadual de Ibiraçu, que passou a denominar-se Escika Estadual de Ensino Fundamental e Médio "Narceu de Paiva Filho" e à Banda Musical de Ibiraçu. Fundou o Teatro Paroquial, divulgando Ibiraçu além das fronteiras do município. Em 2002, foi comemorado o "Ano Narceu de Paiva Filho", conforme aprovado no Congresso Nacional da Trova de Brasília. Faleceu em 1995, em Ibiraçu. Obras: "Meu Guandu" "Ibiraçu, Seu Passado, Sua Gente" "Ibiraçu de 1955 a 1965" "Itaguaçu e Sua Gente" "Homens que fizeram Ibiraçu" "Famílias Italianas em Ibiraçu" "O Garoto da Rua Seca" (memórias) "Meus Poemas" FONTE: Antologia O Trovismo Capixaba - Clério José Borges - Editora Codpoe - RJ- 1989/1990
2º Titular: Carlos Augusto Leitão Morandi
Escritor. Carlos Morandi é natural de Vitória, capital do Estado do Espírito Santo. Jornalista, cronista, publicitário e poeta. Desde 2005 se dedica à literatura e é autor de 10 (dez) livros, em fase de análise para publicação. Seu interesse pelas Antigas Tradições traz à sua obra conceitos milenares relacionados com o desenvolvimento humano e à evolução espiritual, temas que são nivelados em seu trabalho para estender a natural diversidade de leitores. CARLOS MORANDI, cronista, jornalista e publicitário. Dedica-se à literatura desde 2005, escreveu "O Monte Messém" (2007), "Agenda Morandi" (2010) e outros livros que serão publicados a partir de 2011. Seu interesse pela Antiga Tradição traz à sua obra conceitos milenares relacionados ao desenvolvimento humano e à evolução espiritual, temas que são nivelados em seu trabalho para atender a natural diversidade de leitores. O Autor é natural do Espírito Santo, divorciado, pai de dois filhos, e vive na cidade de Vitória. Obras: Participação no Site Recanto das Letras.

29

Daniel Germano de Aguiar Montarroyos
Desembargador

1º Titular: João Miguel Feu Rosa
Professor. Foi Deputado Federal. João Miguel Feu Rosa Nascimento: 19/01/1947 - Vitória, ES Profissões: Filiação: Pedro Feu Rosa e Leonor Miguel Feu Rosa Legislaturas: 1995-1999, 1999-2003, 2003-2007. Mandatos Eletivos:Deputado Estadual, 1983-1987, ES, PDS; Deputado Federal, 1995-1999, ES, PSDB; Deputado Federal, 1999-2003, ES, PSDB; Deputado Federal, 2003-2007, ES, PSDB; Filiações Partidárias:PDS, 1980-1985; PFL, 1985-1988; PP, 2003-; PPS, 1993; PSDB, 1993-2003; ARENA, 1974-1980. Atividades Partidárias:Membro e Presidente, Diretório Municipal da ARENA, Serra, ES, 1974-1980; Membro e Presidente, Diretório Municipal do PDS, Serra, ES, 1980-1982; Membro, Comissão Executiva Regional do PDS, ES, 1980-1982; Líder do PFL, 1985-1987; Membro, Comissão Executiva Regional do PFL, ES, 1985-1988; Vice-Líder do PSDB, 1995-1996, 1997-1999 e 2001-2003; Vice-Líder do PP, 2006-. Atividades Profissionais e Cargos Públicos:Sócio-Gerente de Produção, Laminadora Beca Ltda., Serra, ES, 1967-1969; Professor, 1973-1994, Subchefe do Departamento de Engenharia Industrial, 1974-1976, Diretor do Centro Tecnológico, 1978-1980, e Chefe do Departamento de Engenharia de Produção, 1990-1992, UFES, Vitória; Consultor-Técnico, ENEFER Engenharia e Consultoria, Vitória, ES, 1977-1978; Consultor-Técnico, Secretaria de Estado da Indústria e Comércio, Vitória, ES, 1976-1977; Diretor Administrativo, Empresa de Processamento de Dados do Estado do Espírito Santo, Vitória, 1980-1982; Engenheiro de Projetos Ferroviários, Superintendência da Estrada de Ferro Vitória-Minas, 1982-1988. Estudos e Graus Universitários: Engenharia, UFES, Vitória, 1966-1970; Mestrado em Engenharia Industrial, PUC, Rio de Janeiro, RJ, 1971-1973; Doutorado em Pesquisa Operacional, Lancaster Univ., Inglaterra, 1988-1992; Pós-Graduação em Sociologia do Subdesenvolvimento, LSE, Inglaterra, 1988-1989. Especialização em Estruturas e Edificações, UFES, Vitória, 1970; Custos como Instrumento de Controle e Decisão, Associação Brasileira de Empresas de Processamento de Dados, Vitória, ES, 1981. Seminários, Conferências e Congressos:Participante: vários congressos e seminários nacionais e internacionais, com pesquisas sobre desnutrição em geral e dietas para subnutridos, com a utilização de recursos da matemática e informática; VII Encontro da Federação Brasileira de Associação dos Engenheiros, Vitória, ES, 1979. Representante: da Câmara dos Deputados, Fórum Anual do MERCOSUL e Corredor Centroleste, Vitória, ES, 1996, e VIII Reunião Ordinária Quadripartite, Fortaleza, CE, 1996. Atividades Sindicais, Representativas de Classe e Associativas:Membro Fundador, 1974, e Primeiro-Tesoureiro, 1992, ADUFES, Vitória. Obras Publicadas:ROSA, João Miguel Feu. Mathematical programming applied to diet planning in a Brazilian region. Inglaterra: Lancaster University, 1992. Tese (Doutorado). ____. Fome no Brasil: problema insolúvel? Vitória: Graphis, 1993. 13 p. ____. Novas perspectivas de combate à fome no Brasil. Vitória: Graphis, 1993. 232 p. il. Missões Oficiais:Representante da Câmara dos Deputados: na I Reunião de Ministros Responsáveis por Comércio, Denver, EUA, 1995; na II Conferência Mundial de Parlamentares para Apoio às Nações Unidas, Província de Gifu, Japão, 1995; no Encontro de Parlamentares pela Soberania e Integração da América Latina e Caribe, Havana, Cuba, 1996; no Seminário sobre Portos, Gent, Bélgica, 1996; como Membro do Grupo Parlamentar Brasil-Ucrânia, em visita à Ucrânia, 1996; como Observador, nas eleições legislativas na Inglaterra, Londres, 1997, em viagem à Ucrânia, 1997, em visita à Região do Veneto, Itália, 1998; na XIII Reunião Quadripartite e na reunião da Mesa-Diretora da CPCM, Assunção, Paraguai, 1999; juntamente com professores da Univ. Federal do Espírito Santo, para discutir as possibilidades comerciais entre empresas brasileiras e belgas, Porto de Ghent, Bélgica, 1999; como membro da Comissão Especial destinada a estudar as causas estruturais e conjunturais das desigualdades sociais e apresentar soluções legislativas, em visita e audiências públicas nos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro, 1999; no Encontro Regional da América Latina e Caribe, Bogotá, Colômbia, 1999; na Reunião da Mesa Diretora preparatória para a XV Reunião Quadripartite da Comissão Conjunta do Mercosul, Buenos Aires, Argentina, 2000; na XV Reunião Quadripartite da Comissão Parlamentar Conjunta do MERCOSUL, Santa Fé, Argentina, 2000; como Membro da delegação de parlamentares brasileiros em visita oficial à República Popular da China, 2000; na Sessão Extraordinária dos Membros da Mesa Executiva, Montevidéu, Uruguai, 2000; como Membro do Colegiado do Curso de Especialização em Planejamento e Gerência de Operações no Corredor Centro-Leste em visita de estudos a portos europeus e no Seminário sobre Comércio Internacional, a convite da UFES, Ghent, Bélgica, 2000; e na Conferência Parlamentar das Américas e na Reunião de Cúpulas das Américas, Québec, Canadá, 2001; na Posse do Presidente Alejandro Toledo, Lima, Peru, 2001; e no XI Encontro de Parlamento Cultural do PARCUM, MERCOSUL, 2002. Observador Parlamentar da Cúpula Mundial de Alimentação, Roma, Itália, 1996. Outras Informações: Membro efetivo do grupo que estudou novas alternativas econômicas em traçado para a Ferrovia do Aço, Rio de Janeiro, RJ, 1977. Membro do grupo de trabalho de segurança alimentar da Secretaria Executiva do Programa Comunidade Solidária, PR, 1995-.

30

Pedro Feu Rosa
Médico. Foi Deputado Estadual

1º Titular: Antônio José Miguel Feu Rosa
Professor. Desembargador. Escritor. Antônio José Miguel Feu Rosa nasceu em Vitória, capital do Estado do Espírito Santo, em 25/02/1934, filho de Pedro Feu Rosa e Leonor Miguel Feu Rosa. Formou-se pela Faculdade de Direito do Espírito Santo, tendo sido orador de sua turma. Enquanto estudava, trabalhava como taquígrafo da Assembléia Legislativa e como jornalista de "O Diário" e na revista "Vida Capichaba". Iniciou suas atividades como advogado em 1957, passando a atuar principalmente na área criminal, participando de inúmeros júris em várias Comarcas do interior e da capital. Formou-se em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas. Deputado Estadual em duas legislaturas. Deputado Federal em duas legislaturas. Foi Diretor -Superintendente do jornal "A Tribuna". Representou o Espírito Santo no VI Congresso Nacional de Direito Penal e Ciências Afins, realizado em Brasília, em 1967, designado por ato do Governador do Estado. Professor aposentado da UFES. Foi Procurador do Estado. Foi Secretário-Chefe da Casa Civil do Governo do Estado. Recebeu títulos de cidadão honorário de inúmeros municípios. Desembargador do Tribunal de Justiça deste Estado desde 1982, sendo o Presidente da 1ª Câmara Criminal. Foi agraciado em sessão solene pelo Egrégio Tribunal de Justiça com o "Colar do Mérito Judiciário". Foi Corregedor e Presidente do Tribunal Regional Eleitoral deste Estado. Foi eleito Presidente do Tribunal de Justiça para o período de 1994/1995. Membro do IHGES. Recebeu a Medalha da Ordem do Ipiranga do Estado de São Paulo. Condecorado com o "Colar do Mérito Judiciário do Tribunal Superior do Trabalho. Também recebeu do Tribunal de Justiça do Acre a Medalha do Mérito Judiciário, em 1996. Atualmente é cronista dominical de "A Tribuna". Publicou: O Novo Código Penal, Cursos de Direito Constitucional, Marinete, a História de uma condenada, Processo Penal, Direito Penal, Parte Geral (nova edição atualizada), Direito Penal, Parte Especial, Execução Penal, Direito Constitucional, Crônicas Selecionadas e Júri. Antônio José Miguel Feu Rosa nasceu em Vitória, em 25 de fevereiro de 1934, filho de Pedro Feu Rosa e Leonor Miguel Feu Rosa. Formou-se pela Faculdade de Direito do ES e em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas. Foi deputado Estadual em duas legislaturas e deputado Federal em duas legislaturas. Foi jornalista e autor de 15 livros. Antônio Miguel foi também excelente professor de Direito da UFES e Procurador do Estado. Foi Secretário-Chefe da Casa Civil do Governo do Estado. Recebeu títulos de cidadão honorário de inúmeros municípios, desembargador do Tribunal de Justiça do ES desde 1982, sendo o Presidente da 1ª Câmara Criminal. Foi Corregedor e Presidente do Tribunal Regional Eleitoral do ES e eleito Presidente do Tribunal de Justiça para o período de 1994/1995. Faleceu no dia 10 de novembro de 2007. Antônio José Miguel Feu Rosa faleceu no último sábado e foi sepultado ontem em clima de muita emoção no Cemitério da Serra. Desembargadores, juízes, o governador e o vice-governador, autoridades, amigos, familiares e muitos funcionários do Judiciário foram até a Serra sede dar o último adeus ao desembargador que estava aposentado desde janeiro de 2004.

31

Manoel do Nascimento Correia
Professor

1º Titular: Lino Armando Baroni
Poeta. Escritor. Associado do Clube dos Trovadores Capixabas, CTC. Poeta, Lino Armando Baroni é membro da Academia de Letras e Artes da Serra - ALEAS, no Espírito Santo, onde ocupa a cadeira n. 31, cujo patrono é Manoel do Nascimento Correia. Não sabemos se tem livros publicados.

32

Antônio Pinto Loureiro
Major da Guarda Nacional

1º Titular: Cleusa Lourdes Madureira Vidal
Escritora. Poeta e Trovadora. Diretora do Clube dos Trovadores Capixabas, CTC. Cleusa Lourdes Madueira Vidal nasceu em Januária, no Estado de Minas Gerais, filha de José dos Santos Madureira e Maria Lourdes Madureira. Formada em Administração de Empresas, com cursos no SENAC sobre Legislação Trabalhista e Psicologia das Relações Humanas. Presidente do Clube Rocha Ramos e declamadora oficial do Clube dos Trovadores Capixabas - CTC. Trovadora, ocupa a cadeira n. 32 da Academia de Letras e Artes da Serra, cujo patrono é Antônio Pinto Loureiro. Não tem livros publicados.

33

Padre José de Anchieta
Considerado o Apóstolo do Brasil. Ajudou na fundação de Nova Almeida e realizou um Milagre em Carapina, Serra, ES. Nasceu em São Cristovão de Laguna, capital de Tenerife, no arquipélago das Canárias, a 19/03/1534. Em Coimbra, Portugal, entrou, aos dezessete anos de idade, para o Colégio dos Jesuítas, tendo sido enviado ao Brasil, pouco depois, por questões de saúde. Desembarcou na Bahia, com Duarte da Costa e outros jesuítas e noviços, a 13/07/1553. Ainda no mesmo ano, transferiram-no para São Vicente. Retornou à Bahia, a 31/03/1565, onde recebeu ordens sacras, sendo que, daí por diante, passou a exercer cargos de relevância dentro da Companhia de Jesus, no Brasil, inclusive o de Superior do Colégio do Espírito Santo, capitania de sua especial predileção, conforme se constata em vários de seus escritos. Morreu na aldeia de Reritiba, Benevente, atual Anchieta, no Estado do Espírito Santo, (em sua homenagem) a 9/6/1597. Foi sepultado na igreja de São Tiago, em Vitória, onde se conservam o local e a lápide do antigo túmulo, já que seus despojos dali foram retirados em 1609. Publicou: Os escritos anchietanos foram reunidos por Afrânio Peixoto, em dois volumes: "Primeiras letras", publicação da Academia Brasileira de Letras, Rio, 1923 "Cartas", informações, fragmentos históricos e sermões do Padre Joseph de Anchieta, S.J., 1923. As Edições Loyola, de São Paulo, vêm reeditando suas obras e, também, lhe publicando originais, até então inéditos.

1º Titular: Gilson Gomes
Admirador das Artes. Advogado. Delegado de Polícia e Deputado Estadual

34

José Câncio Leão Borges
Escrivão de Cartório

1º Titular: Sandra Gomes
Professora. Presidente da Aleas

35

Getúlio Sarmento
Major de Polícia

1º Titular: Maria de Fátima Leandro de Jesus
Poeta. Escritora. Desenhista. Poeta, escritora, desenhista, é membro da Academia de Letras e Artes da Serra, no Estado do Espírito Santo, onde ocupa a cadeira n. 35, cujo patrono é Getúlio Sarmento. Não tem livros publicados.

36

Eurico de Aguiar Salles
Foi Ministro da Justiça. Eurico de Aguiar Salles (Vitória, 24 de agosto de 1910 — Rio de Janeiro, 1 de setembro de 1959) foi um político brasileiro. Cursou a faculdade de direito no Rio de Janeiro. Tendo se graduado, retornou a Vitória onde montou um escritório de advocacia e também exerceu magistério na Faculdade de Direito do Espírito Santo. Participou da fundação do Partido Social Democrático (PSD) no Espírito Santo em 1945. No mesmo ano foi eleito deputado federal, tendo participado da Assembléia Nacional Constituinte, que resultou na Constituição de 1946. Foi reeleito deputado federal em 1950. Em 1956, foi designado pelo presidente Juscelino Kubitschek para a direção da Superintendência da Moeda e do Crédito (Sumoc). Nesta posição, representou o Brasil em Washington junto ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Foi nomeado por Juscelino Kubitschek Ministro da Justiça e Negócios Interiores, tendo assumido a pasta em 4 de novembro de 1957. Apresentou seu pedido de demissão oito meses depois, em 8 de julho de 1958, para facilitar uma composição política do governo Kubitschek que precisava atender a uma reivindicação do PSD de São Paulo. Seu substituto foi Cyrillo Junior. Deixando o Ministério da Justiça, assumiu, por um breve período, a presidência do Conselho nacional do SESI. Em novembro de 1958, foi nomeado por Juscelino Kubitschek para o Conselho Nacional de Economia, do qual veio a se tornar, dois meses depois, vice-presidente. Afastou-se do Conselho em agosto de 1959, por problemas de saúde, vindo a falecer no Rio de Janeiro em 1º de setembro daquele ano.

1º Titular: Antônio Cesar Campos Tackla
Advogado e Poeta. Escritor. Antônio César Campos Tackla nasceu em Vitória, capital do Estado do Espírito Santo em 19/04/1954. Seus primeiros passos foram como artista plástico e autodidata. A primeira exposição dos trabalhos, "EXPO ARTE" ocorreu em 1973, no Espaço de Arte da Aliança Francesa, no centro da cidade de Vitória, com 30 peças variadas entre óleo sobre tela, escultura em metal, fotografias e entalhes em cedro. Em 1978, "CARTAZES", exposição realizada no Clube da Orla, em Coqueiral, Aracruz-ES. Foram apresentadas 20 obras resolvidas a guache têmpera sobre papéis de diferentes texturas. "ARS GRATIA ARTIS", no Lions Clube de Aracruz. Exposição de l5 obras inéditas resolvidas à Nanquin e à pastel seco e à óleo. Em 1983, "CALIDOSCÓPIO" no Clube da Orla, Coqueiral, Aracruz, com exposição de 25 trabalhos entre fotografias, desenhos e pinturas a pastel: "QUINQUILHARIAS" - exposição de 37 trabalhos entre pinturas e esculturas, desenhos, fotografias e objetos construídos em juta e resina de poliéster. "COCHICHART" na rua Anísio F. Coelho, 1721, Jardim da Penha - Vitória, ES. Espaço cultural do Cochichop da Penha, com ilustrações para o livro - no prelo - "Pequenos pássaros" - do poeta Luiz T. Wentz. Em 1987, fixou-se definitivamente no município da Serra-ES, onde em 1989 montou sua banca de advocacia. Em 1990, dedicou trabalho de assessoramento jurídico à Associação das Bandas de Congo da Serra - ABC, oportunidade na qual mediou a gravação de dois Jongos, pelo cantor Martinho da Vila, no LP Canto das Lavadeiras. De 1991 a 1992, foi assessor jurídico da Câmara Municipal da Serra. Tackla é acadêmico fundador da ALEAS, na qual ocupa a cadeira n. 36, cujo patrono é Eurico Aguiar Sales. Em 1998, após teer publicado uma série de artigos na coluna AS FACES DA LEI, no Jornal Tempo Novo, realizou sua produção independente do Poeta, jornalista, mantém há vários anos uma coluna no jornal "Tempo Novo". Em 2005 foi fundada a ARTPLAS - Associação dos Artistas Plásticos da Serra, da qual Tackla foi eleito Diretor Presidente da 1ª Diretoria. Mantém banca de advocacia, instalada no centro da Serra - ES. Em 1998, após ter publicado uma série de artigos na coluna AS FACES DA LEI, no Jornal Tempo Novo, realizou sua produção independente do primeiro livro de poesias, "Folhas Soltas". FONTE: "Serra em Prosa&Versos - Poetas e Escritores da Serra", de Clério José Borges.

37

Alexandre Pereira Cardoso
Foi Prefeito da Serra

1º Titular: Marcello Furtado
Natural de Vitória, capital do Estado do Espírito Santo, onde nasceu em 11 de Junho de 1940. Arquiteto, filho de Odilio Braga Furtado e de Ema Rodrigues Furtado. Portador de diversos diplomas de cursos, seminários, estágios e congressos. Atuou como Jornalista de Turismo. Foi colunista e articulista do jornal "Tempo Novo" da Serra. Colaborador Voluntário da EMCATUR, Empresa Capixaba de Turismo, atuando como elemento de apoio nos eventos turísticos. Subscretário de Turismo da Secretaria de Turismo, Cultura, Esporte e Lazer da Prefeitura Municipal da Serra, de 1993 a 1996. Participação no livro, editado pela Lei Chico Prego, "Serra em Prosa&Versos - Poetas e Escritores da Serra" de autoria de Clério José Borges. Jornalista. Ingressou na Academia de Letras e Artes da Serra no dia 16 de dezembro de 1994. No dia 25 de Agosto de 1995, foi realizada a Assembléia Geral de Eleição da Segunda Diretoria da ALEAS, ocasião em que foi eleito Presidente da ALEAS, Naly da Encarnação Miranda, ficando como Vice, Marcello Furtado. Com o falecimento do escritor Naly da Encarnação Miranda em 21/09/1996, assumiu a presidência o Acadêmico Marcelo Furtado até 29 de agosto de 1997. Marcello faleceu no Rio de Janeiro na quarta feira, dia 12 de Novembro de 2008, conforme notícia publicada no Jornal Semanário, "Tempo Novo", da Serra, ES, de 14 a 21/11/2008.

38

Cícero Calmon de Aguiar
Foi Prefeito da Serra. Cícero Calmon de Aguiar. Prefeito de 1914 a 1916. Cícero Calmon nasceu na Serra, ES, no dia 12 de maio de 1888, filho de João Pereira Pimentel de Aguiar e Elvira Pereira Calmon, professora. Cícero foi comerciante e o primeiro Prefeito eleito do Município da Serra, ES, mandato de 1914 a 1916, com a criação da "Lei das Prefeituras". Segundo um manuscrito de seu próprio punho, em que fez relatar diversos acontecimentos da vida serrana, consta que houve um acordo do então Presidente do Estado do Espírito Santo, Coronel Marcondes de Souza, para a eleição de Cícero, pois, então, as funções executivas eram deliberadas pelo Presidente da Câmara de Vereadores. Isto, em todo o Estado. Haja vista, que o primeiro prefeito de Vitória foi Ceciliano Abel de Almeida com início de mandato em fevereiro de 1909.

1º Titular: Paulo Roberto Luppi
Juiz de Direito

39

Afonso Henrique da Silva Borges
Foi Farmacêutico

1º Titular: Esdras Lima Veloso de Oliveira
Poeta. Escritor. Poeta, escritor, é membro da Academia de Letras e Artes da Serra - ALEAS, no Estado do Espírito Santo, onde ocupa a cadeira n. 39, cujo patrono é Afonso Henriques da Silva Borges. Publicou um livro de prosa sobre suas atividades profissionais. Reside no Parque Residencial Laranjeiras, no município da Serra-ES,

40

Afonso Rodrigues de Miranda
Foi Delegado de Polícia

1º Titular: Elzita Gomes Ferreira
Admiradora das Artes



ACADÊMICO CORRESPONDENTE Titular

Maria do Rosário Silva Santos

Titular: Maria do Rosário Silva Santos -

Albércio Nunes Vieira Machado

Titular: Albércio Nunes Vieira Machado -

Berenice de Albuquerque Tavares

Titular: Berenice de Albuquerque Tavares -

Hiléia Araújo de Castro

Titular: Hiléia Araújo de Castro -


ACADEMIA DE LETRAS E ARTES DA SERRA - ALEAS



RESUMO - A ALEAS, Academia de Letras e Artes da Serra, Município da Serra - ES - foi fundada no dia 28 de agosto de 1993, na Sede da Câmara Municipal da Serra, em reunião presidida pelo Escritor, Poeta e Trovador Capixaba, Clério José Borges de Sant Anna, morador de Eurico Salles, Distrito de Carapina, no Município da Serra. Na ocasião é formada a primeira Diretoria da ALEAS, são lidos e aprovados os Estatutos, e procede-se a admissão dos primeiros Acadêmicos fundadores. A sessão foi solene com Clério José Borges sendo eleito primeiro Presidente da ALEAS. Discursaram Clério José Borges, Carlos Dorsch e Naly da Encarnação Miranda, o qual foi aclamado Presidente de Honra da entidade. Na fundação da ALEAS foram registradas as presenças de três Vereadores: Izolina Márcia Lamas da Silva, Pedro Paulo de Souza Nunes e João Luiz Teixeira Corrêa. Trinta e sete pessoas assinaram o Livro de Presenças, conforme registro no Cartório do 1º Ofício, Registro das Pessoas Jurídicas da Serra, com o N.º 3.978, datado de 25 de Agosto de 1995. Livro A-2, N.º 142. No dia 11 de março de 1994, cerca de sete meses depois da fundação, a ALEAS realiza sessão solene de posse de todos os Acadêmicos Fundadores na Serra Sede. Integravam a mesa que presidiu os trabalhos: Gercino Cláudio Soares, Delegado Chefe DPJ da Serra; Deputado Federal João Coser; MM Juiz Paulo Luppi; Prefeito de Ibiraçu, Adélio Ceccato; Ex-prefeito da Serra, Dr. Naly da Encarnação Miranda; Escritor Clério José Borges; Desembargador Antônio Miguel Feu Rosa. A ALEAS possui 40 Acadêmicos. Nos últimos 20 anos presidiram a ALEAS: Clério José Borges de Sant Anna, por duas vezes, (de 1993 a 1995 e 2012 a 2014). Naly da Encarnação Miranda, uma vez (de 1995 a 1996). Marcello Furtado, uma vez, (de 1996 A 1997). Sandra Regina Bezerra Gomes, por seis vezes (de 1997 a 2009) e Paulo Ribeiro Walter de Negreiros, uma vez, (de 2009 a 2012). O atual Presidente é Clério José Borges. Contatos: clerioborges@hotmail.com - Telefone: 27 - 92 57 82 53.

FUNDAÇÃO DA ACADEMIA DE LETRAS E ARTES DA SERRA, ES
Origem histórica - Assembléia Geral de Fundação - Eventos - Diretorias


ORIGEM HISTÓRICA - O Município da Serra, localizado na Região Metropolitana da Grande Vitória, capital do Estado do Espírito Santo, na Região Sudeste do Brasil possui uma tradição cultural. De 1880 a 1903 a Serra teve os seus tempos áureos, com muita riqueza, luxo e cultura e a cidade era conhecida como "Grécia Capixaba" e "Atenas Capixaba", este último título também atribuído a cidade de Cachoeiro de Itapemirim no sul do Estado. Nas Escolas da Serra eram ministradas aulas de Francês e os filhos dos proprietários de terras iam estudar na França e de lá mandavam regularmente, tecidos e perfumes franceses para parentes e amigos.

A Serra já teve a sua casa de espetáculos de 1911 a 1950. A Sociedade Dramática "Francisco Salles", conforme notícia do Jornal “A Serra” de 12/02/1911 e que recebeu tal nome em homenagem a Francisco José dos Santos Salles. Funcionava num prédio que foi demolido pelo Prefeito Rômulo Leão Castello, em 1950, para melhoramento da cidade, pois o prédio atrapalhava o trânsito na antiga Avenida Gonçalves Dias, hoje, Avenida Getúlio Vargas. Era um local de apresentações dramáticas e posteriormente chegou a ser usado como Cinema com exibição de filmes de sucesso. A Serra é também um Município altamente industrializado. Em contraste com a industrialização existe o rico folclore e as belezas naturais como o Mestre Álvaro e 23 km de praias. Entre as manifestações culturais estão as Bandas de Congo que tradicionalmente se apresentam com desenvoltura e beleza na Festa de São Benedito no dia 26 de Dezembro de cada ano.

Assim, há muitos anos existia na Serra a idéia de criação de uma Academia de Letras. Faltava contudo alguém para tomar a iniciativa do movimento. O Poeta Trovador e Escritor Capixaba, Clério José Borges, nascido em Aribiri, Vila Velha, ES, muda-se para o bairro Eurico Salles em Carapina, Serra, ES, em 1979. Observando a falta de uma Academia de Letras na cidade, Clério como presidente do Clube dos Poetas Trovadores Capixabas, CTC, entidade cultural sem fins lucrativos e fundada em 1980, resolve fundar uma Academia. Mantém contato com o Ex Prefeito Naly da Encarnação Miranda, que de imediato apoia a idéia. Com a Vereadora Márcia Lamas consegue o espaço da Câmara Municipal para a realização da reunião, que é marcada para o dia 28 de Agosto de 1993, um Sábado. Clério elabora uma carta convocatória para a reunião de fundação da Academia, datada de agosto de 1993 e a Carta é encaminhada pelos Correios para vários escritores da Grande Vitória e para intelectuais e artistas Serranos.

A idéia de fundação da Academia de Letras e Artes da Serra foi de Clério José Borges de Sant Anna, então Conselheiro Titular da Área de Literatura do Conselho Estadual de Cultura (Estado do Espírito Santo) e Presidente do Clube dos Trovadores Capixabas, CTC, entidade de divulgação da Trova e da Poesia em geral. O nome inicial era, Academia Serrana de Letras e Artes. Na Assembléia de fundação optou-se pelo nome Academia de Letras e Artes da Serra, com a sigla ALEAS. No texto da Carta Convocatória consta:

CONVITE - O Clube dos Trovadores Capixabas, CTC, entidade cultural devidamente legalizada, sem fins lucrativos, de divulgação da Trova, dos Trovadores Literários e da POESIA em geral, UTILIDADE PÚBLICA NO MUNICÍPIO DA SERRA, LEI N.º 1563/91, TEM A GRANDE HONRA DE CONVIDAR VOSSA SENHORIA E FAMÍLIA PARA A SOLENIDADE DE FUNDAÇÃO DA ACADEMIA SERRANA DE LETRAS E ARTES, que será realizada no dia 28 (VINTE E OITO) de AGOSTO de 1993, SÁBADO, a partir de 18 (DEZOITO) horas, no plenário da CÂMARA MUNICIPAL DA SERRA, na SEDE DO MUNICÍPIO DA SERRA. SUA PRESENÇA SERÁ MUITO IMPORTANTE. COMPAREÇA. CONVIDE AMIGOS QUE GOSTEM DE LITERATURA. aSSINADO clério josé borges de sant anna, Presidente do CTC - Clube dos Trovadores Capixabas e membro da Câmara de Literatura do Conselho Estadual de Cultura do Estado do Espírito Santo. POETA. ESCRITOR. COORDENAÇÃO GERAL DO EVENTO: ESCRITORA E POETISA, SANDRA G. AMORIM BUNGES.



O Acadêmico Sonísio Pimentel (na foto acima, com Clério José Borges), em data de 28 de março de 2013, durante a realização da Quinta Cult na Praça de Alimentação do Shopping Mestre Álvaro, na Serra, ES, mostrando cópia da Carta do CTC, assinado por Clério José Borges convocando para a fundação de uma Academia de Letras na Serra.

Na data marcada, a Vereadora Márcia Lamas da Silva e seu esposo Humberto Aires de Moura e Silva passam na casa do Clério em Eurico Salles e levam Clério para o local da reunião. As 19 horas a reunião é iniciada, presidida por Clério José Borges que após compor a mesa, convida o Advogado e ex vereador Carlos Dorsch para secretariar os trabalhos. Os presentes aceitam a idéia e a Academia é fundada oficialmente. Na ocasião é eleita a primeira Diretoria da ALEAS e são lidos e aprovados os Estatutos. Em seguida procede-se a admissão dos primeiros Acadêmicos fundadores. Na mesma ocasião definiu-se também a Sigla da entidade como ALEAS, palavra que em Latim significa Sorte. De "Alea jacta est", que significa "a sorte está lançada", frase de Júlio César, às margens do Rubicão. O latim é uma antiga língua indo-europeia do ramo itálico originalmente falada no Lácio, a região do entorno de Roma (Itália).

A reunião do dia 28/08/1993 foi solene com o canto do Hino Nacional e discursos de Clério, Carlos Dorsch e Naly da Encarnação Miranda. Clério José Borges, organizador da reunião, foi aclamado Presidente e uma Diretoria foi organizada, sendo Naly da Encarnação Miranda, ex- Prefeito Municipal da Serra por duas vezes, aclamado, por sugestão de Clério, Presidente de honra da Academia. Clério, como Presidente Executivo ficou com o objetivo de organizar o Sodalício e promover a posse dos 40 Acadêmicos Titulares. Registrou-se a presença de três Vereadores: Márcia Lamas, Pedro Paulo de Souza Nunes e João Luiz Teixeira Corrêa. Trinta e sete pessoas assinaram o Livro de Presenças, conforme registro no Cartório do 1º Ofício, Registro das Pessoas Jurídicas da Serra, com o N.º 3.978, datado de 25 de Agosto de 1995. Livro A-2, N.º 142. O Jornal Tempo Novo da cidade da Serra, Ano X, N.º 107, de 31 de Agosto divulga a fundação da Academia na primeira página com o título, "Fundada a Academia de Letras e Artes".


VÍDEOS E FOTOS DE EVENTOS DA ALEAS

   

   


FONTE DE PESQUISAS

OBSERVAÇÃO:

Permitimos a livre reprodução do conteúdo e agradecemos a citação da fonte com a inclusão de nosso link, se possível.

Fonte de Pesquisa:

Borges, Clério José - Livro História da Serra, 1a. 2a. e 3a Edição - 1998, 2003 e 2009 - Editora Canela Verde - À Venda na Loja Biss, Avenida Central, 901, Parque Residencial Laranjeiras, Serra ES - Tel.: 27 - 33 38 39 05

Borges, Clério José - Livro Dicionário Regional de Gírias e Jargões - 2010 - Editora Canela Verde - À Venda na Loja Biss, Avenida Central, 901, Parque Residencial Laranjeiras, Serra ES - Tel.: 27 - 33 38 39 05




VOLTAR

PARA A PÁGINA PRINCIPAL


Copyright © 2004/2012/2013 - All Rights Reserved: CJBS