CLÉRIO'S HOME PAGE
CLÉRIO JOSÉ BORGES DE SANT´ANNA                                             VOLTAR


A LENDA DO PÁSSARO DE FOGO

Uma história de Amor Capixaba.
Morro do Mestre Álvaro, Serra, ES
e Monte Mochuara (Moxuara), Cariacica, ES



Uma história de Amor Capixaba. Monte Mochuara, Cariacica, ES (Índia Jacira) e Morro do Mestre Álvaro, Serra, ES (Índio Guaraci). Nas fotos de Clério José Borges, o Morro do Mochuara em Cariacica, visto da Rodovia do Contorno (BR 101 Norte) e o Morro do Mestre Álvaro, na Serra, visto do Convento da Penha em Vila Velha, ES.

Serra e Cariacica são cúmplices numa história de amor. As duas cidades, segundo conta a lenda, relatada entre outros historiadores por Maria Stela de Novaes, estão ligadas para sempre pela força de um sentimento que une até hoje o índio Guaraci (Tribo Temiminó) e a índia Jaciara (Tribo dos Botocudos). Guaraci, em Tupi significa Sol, Verão. Jaciara significa Tempos de Luar, Noites com raios de Lua.

Pertencentes a duas tribos inimigas - Temiminós e Botocudos - o jovem casal foi impedido de viver a sua história de amor. Comovido com a paixão dos dois índios, o Deus Tupã transformou-os em duas montanhas. O índio ficou sendo o Mestre Álvaro, na Serra e a índia, o monte Mochuara, em Cariacica.

O Mochuara é um Morro que fica em Cariacica. Tanto Serra e Cariacica são cidades limítrofes e fazem parte da Grande Vitória, Capital do Estado do Espírito Santo. A imponência do Mochuara se destaca ao longe. Ao lado do Mestre Álvaro, na Serra, o Mochuara, em Cariacica, é o símbolo do município, como o Convento da Penha é de Vila Velha. Habitat de diversas espécies ameaçadas de extinção, como o araçá do mato, o pau dalho, o cobi-da-terra, o cobi-da-pedra, o jequitibá e o jeriquitim, sua fauna é composta de beija-flores, pica-paus, lagartos e outros bichos. A imponência do monte, serviu de referência para os viajantes e aventureiros que, nos primeiros séculos do Brasil, percorriam os sertões do Espírito Santo em busca de novas terras e riquezas minerais.

Mestre Álvaro e Mochuara estão frente a frente, contemplando um ao outro e assim ficarão por toda a eternidade. Segundo o historiador Clério José Borges, um "Pássaro de fogo" sempre é visto nas noites de São João, (24 de junho), indo do Mestre Álvaro ao Mochuara, abençoando o amor de Guaraci e Jaciara. Prova de que homens e histórias passam, mas corações não morrem jamais. Observem que esta Lenda Capixaba conta a história de um Pássaro de Fogo que colabora na união do jovem casal. Há uma semelhança muito grande com a Lenda Russa do Pássaro de Fogo, imortalizada pelo grande Maestro Igor Stravinsky.

MONTANHA DO MOCHUARA - A montanha do Mochuara, com 724m de altitude é a segunda maior montanha da região da Grande Vitória. Na língua dos índios que habitavam o local, o nome quer dizer pedra irmã, mas para os Corsários (Piratas) franceses que aportaram na baía de Vitória no século XVI e que avistaram a montanha com uma neblina que o encobria, lembraram de um imenso pano branco, daí a expressão mouchoir, que quer dizer lenço e se pronuncia “muchuá”. Em razão da origem francesa da palavra, o certo é escrever MOCHUARA com CH e não Moxuara com a letra X. O Mochuara possui biodiversidade valiosa sendo morada de espécies ameaçadas, como o araçá do mato, pau d’alho, cobi da serra, cobi da pedra, jeriquitim e jeriquitibá. A fauna do Mochuara é composta pôr beija-flores, pica-paus, lagartos e outros bichos.

Do monte descia o rio Carijacica, na língua tupi, chegada do homem branco que mais tarde deu o nome ao município, quando foi suprimida a letra J. As nascentes localizadas no Moxuara deságuam nos rios Formate e Bubu. A “Estância Vale do Moxuara” pertence a família Rodrigues de Freitas há mais de duzentos anos sendo o atual proprietário, o Sr. Wilson Freitas Filho que faz parte da quarta geração da família que no início era a proprietária da grande propriedade denominada “Roças Velhas”. O nome “Estância Vale do Moxuara”, está escrito erradamente com X. Um Shopping na região de Campo Grande em Cariacica também adotou a escrita errada de Moxuara. Mochuara na verdade é um importante monumento natural e cultural do município de Cariacica. A Lei Municipal N.º 2.310, de 21 de Janeiro de 1992 adota oficialmente a grafia correta de Mochuara, conforme o artigo 1º que consta: "Fica inserida no brasão integrante da BANDEIRA do Município, adotada esta, como símbolo conforme art. 6º da Lei Orgânica local, a configuração do maciço “Mochuara”, com sobreposição de torres compatíveis com a ciência a título de heráldica." Em Cariacica há um bairro chamado Mochuara, com a grafia correta, CH, conforme a Lei N.º 4752/2009, onde consta: "passa a denominar-se Rua Doutor Nilson Bittencourt a antiga via pública conhecida como projetada no bairro Mochuara, Cariacica, ES."

O Parque Natural Municipal Monte Mochuara foi tombado como patrimônio histórico-paisagístico em 1992. O Vale do Mochuara está localizado a 17 quilômetros de Vitória, em Roças Velhas, Cariacica.

MONTANHA DO MESTRE ÁLVARO - A montanha do Mestre Álvaro, com 833 metros de altura é a primeira maior montanha da Grande Vitória. O nome Mestre Álvaro é uma homenagem do Padre Jesuíta Braz Lourenço (Fundador da Serra) ao Capitão e Comandante mestre de Navio de nome Álvaro da Costa, filho do segundo Governador Geral do Brasil, Dom Duarte da Costa.

O Mestre Álvaro é um maciço "Gnássico", e sua magnitude é histórica. Nos primeiros documentos cartográficos do século 16, pode-se verificar a indicação do acidente geográfico, Mestre Álvaro, assinalado como ponto de referência para a navegação marítima. Dom Pedro II, Imperador do Brasil, em sua visita ao Espírito Santo, anotou em seu diário: "O Monte Mestre Álvaro, com tempo limpo e claro, pode ser visto até a 60 milhas do mar".

O viajante estrangeiro Auguste Saint Hilaire, quando visitou as terras do Espírito Santo em 1816, passando pela Serra, em direção ao Rio Doce, desejou conhecer a flora da região, chegando a subir o Mestre Álvaro onde analisou e pesquisou as árvores e plantas da região, coletando muitos dados, tendo escrito: "A mata que cobre a Serra do Mestre Álvaro representa ainda um valioso acervo de espécies aproveitadas na agricultura e na flora medicinal". Nos primórdios da colonização do Espírito Santo, o Mestre Álvaro atraiu os colonizadores que esperavam ali encontrar ouro, sendo estimulados pelo Donatário Vasco Fernandes Coutinho. Foram conseguidas pequenas quantidades de ouro de aluvião e outras pedrarias. Historicamente, há registros de retirada de ouro do Mestre Álvaro em 1598, feitas por Dom Francisco de Souza.

Reserva Biológica do Mestre Álvaro - Situada no distrito de Pitanga, possui 2.461ha, com altitude variando entre 100 a 833m. É de grande valor para estudos, por ser um dos últimos remanescentes da Floresta Atlântica de encosta e pela diversidade de espécies. A Reserva foi criada pela Lei Estadual nº 3.075, de 09/08/76.

Montanha (Serra) do Mestre Álvaro, na Cidade da Serra, ES, fotografada do Convento da Penha em Vila Velha e Morro do Mochuara, em Cariacica, fotografado da Rodovia BR 101 (Rodovia do Contorno de Vitória). As fotos são de autoria de Clério José Borges.

UMA LENDA RUSSA

Pássaro de Fogo é um Balé em três atos, onde magia, amor e liberdade se entrelaçam. A obra é do Músico e Maestro Igor Stravinsky (1882-1971), (Foto), baseada numa Lenda Russa.

IGOR é um compositor norte-americano nascido na Rússia e um dos maiores inovadores musicais do século XX. Alcançou fama internacional com a música que fez para os Ballets Russes de Diaghilev, começando com o balé O Pássaro de Fogo. A partitura áspera e discordante de A Sagração da Primavera causou um tumulto quando foi executada a primeira vez em Paris. Obras posteriores incluem Édipo Rei, A Sinfonia dos Salmos e a ópera Carreira do Libertino.

A HISTÓRIA DO "PÁSSARO DE FOGO" DA RUSSIA

No jardim do mago Katschei brotavam maçãs de ouro, e lá viviam jovens princesas prisioneiras e enfeitiçadas. O príncipe Ivan entra por acaso no jardim e fica encantado com as maçãs douradas e um lindo pássaro de penas douradas e vermelhas que voava bem próximo às arvores. Temendo ser feito prisioneiro pelo príncipe, o Pássaro de Fogo implora por sua liberdade e em troca presenteia Ivan com uma de suas plumas, que tem o poder mágico de protegê-lo contra os encantos do mago.

O príncipe permanece no jardim e ao anoitecer vê as lindas prisioneiras que à noite saem do castelo para passearem; a mais bonita de todas se aproxima de Ivan, conta sua história e pede que vá embora, pois o mago transforma em pedra quem aparece em seu jardim encantado.

O príncipe finge que vai embora, mas a segue, pois tinha se apaixonado por ela. Começa a amanhecer e Ivan se torna prisioneiro de Katschei. Quando vai ser enfeitiçado, se recorda da pluma que o Pássaro de Fogo tinha lhe dado, e agita-a na frente do rosto do mago. Surge então o pássaro que obriga Katschei e seus amigos a dançarem até a exaustão; enquanto isto ordena a Ivan que procure um grande ovo, onde está trancado o grande segredo do mago: sua imortalidade. Ivan acha o ovo e quebra-o. No mesmo instante, o mago morre e as jovens princesas ficam livres para sempre. Ivan encontra o seu amor e o Pássaro de Fogo desaparece entre as árvores.

O "PÁSSARO DE FOGO" NA SERRA E CARIACICA, ES

Em tempos bem antigos, por volta de 1556, quando os Temiminós que vieram do Rio de Janeiro se instalaram no Espírito Santo, conta-se que dois jovens de tribos rivais se conheceram e antes que soubessem de suas origens e da rivalidade que existia em suas tribos, nasceu entre eles um amor tão forte e belo como o Sol.

Ela, Jaciara, uma lindíssima princesa indígena, filha do poderoso cacique que ocupava uma imensa terra, onde hoje encontramos o atual município de Cariacica.

Ele, Guaraci, um forte guerreiro da tribo dos Temiminós, que ocupava as terras hoje conhecida como município da Serra.

Quando esse amor chegou ao conhecimento das tribos, aumentou a rivalidade e a fúria dos caciques contra esse amor, que era incontrolável. O cacique indígena, pai da princesa, jamais aceitaria o enlace da sua querida filha, com o inimigo de seu povo, mesmo sabendo quanto era valioso o dote do noivo e da sinceridade da jura de seu amor.

Em conseqüência criou-se uma barreira intransponível entre as terras das duas tribos e os jovens não podiam de maneira alguma chegar próximo dessa divisa.

Mas o amor, quando sincero e forte, é algo que ultrapassa qualquer barreira e sempre encontra um aliado. Foi o que aconteceu. Os apaixonados conseguiram a ajuda de uma ave misteriosa, o Pássaro de Fogo, (Observe a semelhança com a Lenda Russa), que em horas determinadas, levava o casal a pequenos montes em pontos de fronteira de suas tribos, onde ambos se viam. Então a índia cantava juras de amor ao seu escolhido e ele retribuía da mesma maneira com cantigas que tocavam seus corações.

Continuaram assim, nesse amor poético e passando o tempo, combinaram uma fuga. Quando chegou ao conhecimento do cacique indígena a fuga romântica de sua filha foi o bastante para reunirem todos os sábios conselheiros da tribo e um feiticeiro, que transformou os apaixonados em pedra nos referidos locais onde se avistavam. Estes se elevaram e constituíram dois belos e lendários montes, muito importantes no litoral capixaba, que conhecemos como: MOCHUARA, (ou MUXUARA) a princesa, em Cariacica, e o MESTRE ÁLVARO, o príncipe, na Serra.

Porém, uma fada compadecida de um destino tão cruel, concedeu uma trégua aos enamorados, na rigidez de suas posições e assim uma vez ao ano, na noite de São João, os jovens recuperam de forma invisível, sua forma humana e primitiva, ocasião em que fazem juras de fidelidade e presenteiam-se com ricas jóias e outros mimos, sempre com a ajuda da ave amiga, o Pássaro de fogo, ave mensageira entre os apaixonados. Levando de um para o outro as juras de amor e os presentes, que atestam a sinceridade infinita.

Assim, conta a história, conta a Lenda, que na noite de São João, o Pássaro de Fogo, passa no céu, e vai do MOXUARA, em Cariacica, ao MESTRE ÁLVARO, na Serra e vice versa. E continuam a VIAGEM DO FOGO, descrevendo no espaço, a ETERNIDADE DO AMOR. Observe aqui que a Lenda fala em fogo na noite de São João e o interessante é que a festa de São João é a festa de Agni, do fogo, a festa que comemora o solstício do verão.

FESTA DE SÃO JOÃO
São João - Festejado em 24 de junho.

Filho de Zacarias e Isabel, diz a Bíblia que foi ele quem batizou Jesus Cristo com as águas do rio Jordão. Daí vem o nome Batista, o "batizador". É o mais famoso dos três santos do mês de junho, tanto que as festas juninas também são conhecidas como festas joaninas, em sua homenagem.

É usualmente representado pela figura de um menino com um cordeiro no colo, já que teria sido ele quem anunciou aos homens a chegada do cordeiro de Deus.

Fogueira: representada com a base redonda e em formato de pirâmide.

QUADRAS DE SÃO JOÃO

(Por Alípio Fernandes, junho de 2001)


Isabel e Zacarias

P’ra serem pais de João

Rezaram todos os dias

Perseverante oração.



São João namorador,

Assim diz a voz do povo,

P’ras moças lhe ter amor,

Aceitou morrer de novo.



As moças bem enfeitadas

Cada qual com seu balão,

Todas vão, enamoradas,

À festa de São João.



Meu querido São João,

És um Santo popular,

Traz teu arco e teu balão,

Vem com o povo dançar.



Alho porro e manjerico,

Em manhãs de orvalhadas,

Nasce o Sol e é bonito,

Vão-se as moças bem cansadas.



Deixemos de profanar

O nome de São João,

Mais graças lhe vamos dar

Se fizermos oração.



Não te zangues São João,

Com a alegria do Povo.

Assim cresça a devoção

Nos jovens do mundo novo.



Foi com grande admiração

Que o povo um dia viu isto:

Lá nas águas do Jordão

São João batizou Cristo.




Texto do Livro
"HISTÓRIA DA SERRA",
de Clério José Borges.
O livro que possui cerca de 240
páginas pode ser encontrado na
Loja Biss, Avenida Central, 901,
Parque Residencial Laranjeiras,
Serra ES - Tel.: 27 - 33 38 39 05
Permitida a reprodução do conteúdo.
Agradecemos a citação da fonte


BIBLIOGRAFIA

JORNAL A GAZETA - CADERNO DOIS - Vitória

JORNAL A TRIBUNA - VITÓRIA - ES

Instituto Nacional do Folclore, Atlas Folclórico do Brasil - Espírito Santo, Rio de Janeiro, FUNARTE, 1982.

Fonseca, Hermógenes Lima - Tradições Populares no Espírito Santo, Vitória, Departamento Estadual de Cultura, 1991.

Novaes, Maria Stella de - História do Espírito Santo, Vitória, Fundo Editorial do Espírito Santo.

Siqueira, Padre Francisco Antunes de - Esboço Histórico dos Costumes do Povo Espírito-Santense Desde os Tempos Coloniais até nossos Dias, Rio de Janeiro, Tipografia G. Leuzinger & Filhos, 1893.

Borges, Clério José - História da Serra, Serra, Gráfica Editora Canela Verde, 2003

Site na Web: http://www.valedomoxuara.com.br/oVale.asp





BIBLIOGRAFIA DO AUTOR

CLÉRIO JOSÉ BORGES. Biografia Resumida
Presidente do Clube dos Poetas Trovadores Capixabas, CTC
Presidente da Academia de Letras e Artes da Serra, ALEAS

Historiador, Poeta e Trovador Capixaba, o Escritor Clério José Borges de Sant Anna nasceu em 15/09/1950, no bairro de ARIBIRI, Município de Vila Velha, ES. Funcionário Público Estadual Aposentado no Cargo de ESCRIVÃO, trabalhando durante 35 anos, tendo recebido ELOGIOS e Medalhas de Bronze, PRATA e Ouro da Polícia Civil do Espírito Santo. Estudou Direito e Pedagogia na UFES - Universidade Federal do Espírito Santo. Fundou e foi o 1º presidente da Academia de Letras e Artes da Serra, ALEAS. Fundou e preside o Clube dos Poetas Trovadores Capixabas, CTC. Pertence ao Instituto Histórico e Geográfico do ES. Conselheiro durante oito anos do Conselho Estadual de Cultura do Estado do Espírito Santo, tendo exercido as funções de Secretário de Plenário e de Vice Presidente. Conselheiro há 14 anos e atual Vice Presidente do Conselho Municipal de CULTURA da Cidade da Serra, ES. É morador da SERRA, ES, desde 1979 e Cidadão Serrano, titulo conferido pela Câmara Municipal da Serra em 26 de Dezembro de 1994. Senador da Cultura, pela Sociedade de Cultura Latina, SCL. Correspondente da Academia CACHOEIRENSE de Letras, (ES); da Academia PETROPOLITANA de Letras, da Cidade de Petrópolis,(RJ); da Academia Brasileira da Trova e da Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas, ALCEAR e outras Academias e Associações Literárias do Brasil. Autor dos Livros: Trovas Capixabas; Trovadores dos Seminários da Trova; Trovadores Brasileiros da Atualidade; O Trovismo Capixaba; Alvor Poético; O Vampiro Lobisomem de Jacaraípe; História da Serra (3 Edições); Serra em Prosa e Versos/Poetas e Escritores da Serra; Origem Capixaba da Trova; Dicionário Regional de Gírias e Jargões. Organizador, desde 1981 dos Seminários Nacionais da Trova e dos Congressos Brasileiros de Poetas Trovadores. Detentor de Diversos Títulos, DIPLOMAS e homenagens, como por exemplo a MEDALHA CHICO PREGO, recebida em 30/03/2006. Teve atuação como Ator no Filme "QUEIMADO", de João Carlos Christo Coutinho, sobre a Revolta dos Negros Escravos do Distrito do Queimado, na Serra, ES, ocorrida em 1849. Atuou como Ator no FILME "Trovadores do Neotrovismo na Amazônia", da Cineasta Russa Valentina Ivanovna Kupnova. Produz Vídeos amadores para o You Tube onde já atingiu o número superior a mil e trezentos Vídeos. Em 1987 concedeu inclusive entrevista a Leda Nagle, em Rede Nacional, no programa "Sem Censura" da TV Educativa do Rio de Janeiro. É Ministro da Palavra, da Comunidade São Paulo, Paróquia São José Operário, desde Dezembro de 2009 e pertence a Pastoral Familiar da referida Comunidade e Paróquia. Envolvido em lutas comunitárias desde 22/04/1979, participando da fundação do Movimento Comunitário do bairro Eurico Salles, na Serra ES. Clério é registrado como Escritor na BIBLIOTECA NACIONAL. O Livro "História da Serra", 1ª Edição, foi eleito MELHOR LIVRO de 1998, publicado em prosa no Brasil e a cerimônia oficial de premiação foi realizada em abril de 1999, conforme comunicação da Professora e Acadêmica, Maria Aparecida de Mello Calandra, IWA, Presidente da Sociedade de Cultura Latina do Brasil, Mogi das Cruzes - São Paulo. No Dia 10/02/2007, em pleno Carnaval Capixaba, Clério José Borges foi homenageado, no SAMBÃO DO POVO, em Vitória, ES, como Historiador pela Escola de Samba ROSAS DE OURO, do Município da Serra, Espírito Santo. Clério desfilou como Destaque num Carro alegórico pois o enredo "SERRA 450 ANOS DE FUNDAÇÃO, foi baseado no Livro HISTÓRIA DA SERRA, de Clério José Borges. No dia 12 de Setembro de 2009 a convite de Júlio Cesar Batista Nogueira, conhecido como Júlio Autor, o Escritor Clério José Borges participou das filmagens do Vídeo Documentário, NOVA ALMEIDA EM UM OLHAR. No dia 05 de Junho de 2010, no Salão de Festas CENSI, em Itabira, Minas Gerais, Clério José Borges recebeu o título de DESTAQUE DO ANO e TROFÉU CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE.

Foto 01: Placa Especial recebida por Clério José Borges, no dia 15 de Setembro de 2005, na Sessão Solene do Dia do Historiador da Serra, presidida pelo Vereador João de Deus Corrêa, o Tio João. A Placa diz: " Diploma de Honra ao Mérito. HISTORIADOR SERRANO. CLÉRIO JOSÉ BORGES DE SANT ANNA. A Câmara Municipal da Serra, através do Vereador João de Deus Corrêa - Tio João, confere o TÍTULO DE HONRA AO EMÉRITO HISTORIADOR SERRANO, ESCRITOR CLERIO JOSÉ BORGES DE SANT ANNA, por sua brilhante capacidade de Criação Literária, Emérito Trabalho de Pesquisador da História da Serra. Serra, Estado do Espírito Santo, 15 de Setembro de 2005. Assinado: João de Deus Corrêa - Tio João, Vereador Proponente e Adir Paiva, Presidente".

Foto 02: Belo Horizonte, MG, dia 23 de Agosto de 2011 - Em solenidade presidida pelo Dr. Mário Carabajal, Presidente Nacional Fundador da ALB - Academia de Letras do Brasil e com a coordenação geral da Acadêmica Sílvia de Lourdes Araújo Motta, Escritora, Poeta, Doutora em Filosofia Universal, Cadeira 2 (dois) de Minas Gerais, Presidente “pro tempore” da ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL-ALB de MINAS GERAIS, realizada na sede do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais, na Rua Guajajaras 1268, (sobreloja), Belo Horizonte, Minas Gerais, receberam a Medalha do Mérito Cultural AFONSO PENA e foram empossados como Acadêmicos Imortais, seguidores de Platão, os Escritores Capixabas, CLÉRIO JOSÉ BORGES DE SANT ANNA e KÁTIA MARIA BOBBIO LIMA, respectivamente Presidente e Vice Presidente do CTC, Clube dos Poetas Trovadores Capixabas. A solenidade que foi muito bem organizada contou com a Diplomação de mais 38 Acadêmicos Imortais entre as quais a premiadíssima Escritora de Minas Gerais, Zeni de Barros Lana. No evento duas brilhantes apresentações musicais, inclusive a do Coral Luís de Camões, que foi aplaudido de pé por todos os presentes. Na foto Clério e a Medalha Afonso Pena.

ESCRITOR PERSONALIDADE NOTÁVEL DE 2012

No dia 10 de março do ano de 2012, Clério José Borges recebe o Troféu Pedro Aleixo, na cidade de Itabira, MG, como "Personalidade Brasileira Notável de 2012." Na foto Clério José Borges, o belo Troféu Dr. Pedro Aleixo e o Jornalista Eustáquio Lúcio Felix, promotor do evento.
Na Internet consta a seguinte notícia:
O Escritor Capixaba Clério José Borges foi eleito "Personalidade Brasileira Notável de 2012" e foi agraciado no dia 10 de março de 2012, no palco do salão de festas da ATIVA, na cidade de Itabira, Minas Gerais, com o Troféu Pedro Aleixo, honraria que é outorgada aqueles que se destacaram no cenário mineiro e brasileiro por sua coragem e, sobretudo pela capacidade de modificar o universo social, político, cultural e profissional que os rodeia, com sua sensibilidade e sua visão pessoal de mundo.
O Convite para a homenagem a Clério José Borges foi feito pelo Sr. Eustáquio Lúcio Félix - Jornalista e diretor da Félix Eventos e Cerimonial, por indicação da Jornalista e Escritora Léa Lu, residente em Contagem, Minas Gerais. Clério esteve presente e participou da 12ª edição da entrega do Troféu Pedro Aleixo, considerado um grandioso evento sociocultural e empresarial do País, acompanhado de sua esposa Zenaide Emília Thomes Borges.

HOMENAGEM NA CÂMARA MUNICIPAL DA SERRA, ES

Dia 26/11/2012, o Vereador da Serra, ES, Bruno Lamas da Silva homenageou o Escritor Clério José Borges, presidente da ALEAS, com um Diploma de Voto de Congratulação, por ter recebido em Itabira, MG, o Troféu Pedro Aleixo.

No Web Site do Vereador consta a seguinte notícia:
Bruno Lamas homenageia aqueles que promovem a cultura da Serra.
O vereador Bruno Lamas (PSB) usou a tribuna da Câmara Municipal da Serra na sessão ordinária de segunda-feira (26/12/2012) para falar sobre a importância de algumas pessoas para a cultura da Serra. Na oportunidade ele ressaltou o trabalho desenvolvido na Serra pelo escritor, historiador e imortal da Academia de Letras da Serra, Clerio Borges; Bruna Chola e Weslei da WB produções também foram homenageados, eles colocaram o Espírito Santo na rota das grandes e boas peças teatrais. A bailarina Liviane Pimenta que desenvolve um belo trabalho no município da Serra com danças e atividades culturais com muita qualidade e premiações também foi agraciada pelo vereador.
O vereador Bruno Lamas (PSB) usou a tribuna da Câmara Municipal da Serra na sessão ordinária desta segunda-feira (26) para falar sobre a importância de Clerio Borges, escritor e imortal da Academia de Letras da Serra, para a cultura serrana. Clerio recebeu um justo voto de louvor pelo e excelente trabalho prestado, umas das maiores honrarias concedidas pelo Poder Legislativo a personalidades que se destacam em suas áreas de atuação.
Para a vereadora Sandra Gomes (PSDC), Clerio se expressa com a alma. “Toda fala é uma poesia, é uma prosa. Tenho certeza que hoje, ao receber essa que é uma das maiores homenagens deste Poder - esse voto de louvor aprovado por todos os membros da Casa -, estamos honrando o meu colega, o meu confrade, concedendo essa justa homenagem”, frisou. Prestigiaram a entrega dos votos de louvor os vereadores Aldair Celestino Xavier, Auredir Pimentel, Boy do INSS, Neidia Pimentel, Lourencia Riani, Sandra Gomes, Marcos Tongo, Jamir Malini, Guto Lorenzoni, Davi Duarte, João Luiz Teixeira, Ericson Duarte, além do presidente do Legislativo serrano, vereador Cezar Nunes.



SESSÃO SOLENE DA CÂMARA
HOMENAGEIA HISTORIADORES DA SERRA

15/09/2005 - Em solenidade realizada na Sala de Reuniões Flodoaldo Borges Miguel, no Plenário da Câmara Municipal da Serra, os Escritores Clério José Borges de Sant Anna, João Luiz Castello Lopes Ribeiro e Galbo Benedicto do Nascimento foram homenageados com uma PLACA ESPECIAL, DIPLOMA DE HONRA AO MÉRITO, HISTORIADOR SERRANO.
O Dia do Historiador foi uma Lei Municipal aprovada pela Câmara e sancionada pelo Prefeito da Serra, em 2005.
De Autoria do Vereador Joâo de Deus Corrêa, o Dia do Historiador Serrano foi aprovado por unanimidade pela Câmara Municipal da Serra, sendo a primeira Lei aprovada pela Câmara e sancionada em 2005 pelo Prefeito Municipal, Dr. Audifax Barcellos. A comemoração foi concretizada no dia 15 de Setembro de 2005, ocasião em que foram homenageados os três principais historiadores do Município da Serra, Clério José Borges; João Luiz Castello Lopes Ribeiro e Galbo Benedicto do Nascimento, os três membros fundadores da Academia de Letras e Artes da Serra, Serra, ES
Na foto Clério José Borges, Vereador Tio João e João Luiz Castello em solenidade na Câmara Municipal da Serra, ES, Brasil.

Foto da Placa Especial recebida por Clério José Borges, no dia 15 de Setembro de 2005, na Sessão Solene do Dia do Historiador da Serra, presidida pelo Vereador João de Deus Corrêa, o Tio João. A Placa diz: " Diploma de Honra ao Mérito. HISTORIADOR SERRANO. CLÉRIO JOSÉ BORGES DE SANT ANNA. A Câmara Municipal da Serra, através do Vereador João de Deus Corrêa - Tio João, confere o TÍTULO DE HONRA AO EMÉRITO HISTORIADOR SERRANO, ESCRITOR CLERIO JOSÉ BORGES DE SANT ANNA, por sua brilhante capacidade de Criação Literária, Emérito Trabalho de Pesquisador da História da Serra. Serra, Estado do Espírito Santo, 15 de Setembro de 2005. Assinado: João de Deus Corrêa - Tio João, Vereador Proponente e Adir Paiva, Presidente".



VOLTAR

PARA A PÁGINA PRINCIPAL


Copyright © 2008 - 2013 - All Rights Reserved: CJBS

lor="white" size="3" face="Arial, Comic Sanz MS">VOLTAR

PARA A PÁGINA PRINCIPAL


Copyright © 2008 - 2013 - All Rights Reserved: CJBS

/BODY>