Livro de Paulo Monteiro. Escritor Gaúcho Paulo Monteiro e seu trabalho sobre A Trova no Espírito Santo

A TROVA NO ESPIRÍTO SANTO (História e Antologia) Escrito por PAULO MONTEIRO (RS).

ACLAPTCTC CTC Clube dos Trovadores Capixabas Literatura
Escritor Gaúcho Paulo Monteiro e seu trabalho sobre A Trova no Espírito Santo
Escritor Gaúcho Paulo Monteiro e seu trabalho sobre A Trova no Espírito Santo

A TROVA NO ESPIRÍTO SANTO

(História e Antologia)

PAULO MONTEIRO

Livro de Paulo Monteiro.  Escritor Gaúcho Paulo Monteiro e seu trabalho sobre A Trova no Espírito Santo
Livro de Paulo Monteiro. Escritor Gaúcho Paulo Monteiro e seu trabalho sobre A Trova no Espírito Santo

ÍNDICE

DADOS BIOGRÁFICOS DO AUTOR

NOTA DO AUTOR

PRIMEIRA PARTE: HISTÓRIA

1.1. RAZÕES DO ESTUDO

1.2.    DIFICULDADES E COLABORADORES

1.3.    ANTIGÜIDADE DA TROVA NO ESPÍRITO SANTO

1.4.    ANTES DO CLUBE DOS TROVADORES CAPIXABAS

1.5.    CONCURSOS E FLORAIS

1.5.1. ALEGRE

1.5.2. CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM

1.5.3. VILA VELHA

1.6.    O CLUBE DOS TROVADORES CAPIXABAS

1.7.    ATIVIDADES DO CTC

1.7.1. CONCURSOS NACIONAIS

1.72.  CONCURSOS INTERNOS

1.73.  CONCURSOS INFANTIS

1.7.4. O BEIJA-FLOR

1.7.5. LIVROS

1.7.6. BALANÇO DAS ATIVIDADES

1.8. CASO “ZEDÂNOVE X ENO”

1. 9. A UBT

1.10.  O “FIM” DO CTC

1.11.  BIBLIOGRAFIA

SEGUNDA PARTE: ANTOLOGIA

2.1. A. ISAÍAS RAMIRES

2.2. ÁBNER DE FREITAS COUTINHO

2.3. ALYDIO C. DA SILVA

2.4. AMAURY DE AZEVEDO

2.5. ANDRADE SUCUPIRA

2.6. ANSELMO GONÇALVES

2.7. ANTONIO TAVARES SUCUPIRA

2.8. ASSUMPÇÃO BOTTI

2.9. CARLOS JOSÉ CARDOSO

2.10. CLÉRIO JOSÉ BORGES

2.11. ELMO ELTON

2.12. ELVIRO DE FREITAS

2.13. EVANDRO MOREIRA

2.14. J. CABRAL SOBRINHO

2.15. JOÃO MOTTA

2. 16. JOSÉ DE ANDRADE SUCUPIRA FILHO

2.17. JOUBERT DE ARAÚJO SILVA

2.18. LUIZ CARLOS BRAGA RIBEIRO

219. LUIZ SIMÕES JESUS

2.20. MARCOS TAVARES

2.21. NEALDO ZAIDAN

2.22. PAULO FREITAS

2.23. ROOSEVELT DA SILVEIRA

2.24. SILVANO THOMES

2.25. SOLIMAR DE OLIVEIRA

2.26. VALSEMA RODRIGUES COSTA

227. VICENTE VASCONCELOS

2.28. ZEDÂNOVE TAVARES

DADOS BIOGRÁFICOS DO AUTOR

Paulo Monteiro, cujo nome civil é Paulo Domingos da Silva Monteiro, nasceu em Passo Fundo, Rio Grande do Sul, no dia 26 de setembro de 1954. Começou a publicar seus trabalhos Iiterários aos 13 anos, quando iniciava o curso ginasial. E não parou mais. Em 1971, foi um dos fundadores do Grupo Literário “Nova Geração”, que contribuiu para a renovação cultural durante os aproximadamente 10 anos de atividades.

Em princípios de 1980, dentro do movimento conhecido como Geração do Mimeógrafo, publicou o boletim literário Quero-Quero, com uma tiragem mensal de 500 exemplares, que era distribuído para escritores do todo o país.

Desde 1974 pratica o jornalismo literário, escrevendo artigos sobre escritores de todos os tempos e gêneros, além de estudos e ensaios sobre história e cultura. Seu livro Combates da Revolução Federalista em Passo Fundo, lançado em 2006, foi o mais vendido na XX Feira do Livro de Passo Fundo, quando, pela primeira vez, um escritor local superou os best-sellers.

Ao lado de suas atividades como ativista cultural, manteve intensa atuação comunitária, especialmente junto às associações de moradores de bairros. Foi um dos fundadores da União das Associações de Moradores de Passo Fundo – UAMPAF -, da qual fol secretário geral e, por dois mandatos, presidente. Presidiu o Conselho Fiscal da Federação Rio-Grandense das Associações Comunitárias e de Amigos de Bairros — FRACAB -, sediada em Porto Alegre, e integrou o Conselho Deliberativo da Confederação Nacional das Associações do Moradores – CONAM -, de Brasília.

Em 2001, foi um dos coordenadores da Semana das Letras Passo-Fundenses, promovida pela Academia Passo-Fundense de Letras, da qual é o atual vice-presidente, contando com a colaboração da Secretaria Municipal de Educação e da 7ª Coordenadoria Regional de Educação.

Paulo Monteiro foi eleito para as seguintes instituições culturais: International Academy Of Leters Of England (Londres), Academia de Trovas do Rio Grande do Norte (Natal), Instituto Histórico e Geográfico de Uruguaiana (RS), Academia de Letras de Uruguaiana (RS), Ordem Brasileira dos Poetas da Literatura de Cordel (Salvador), Academia Anapolina do Filosofia, Ciências e Letras (Anápolis), Clube dos Trovadores Capixabas (Vila Velha), Clube Internacional do Boa Leitura (Uruguaiana), Clube de Poesia de Uruguaiana (RS), Academia Internacional de Letras “3 Fronteiras” (Uruguaiana), Federação Brasileira das Entidades Trovistas (Rio de Janeiro), Academia Petropolitana de Letras (Petrópolis), Academia Literária Gaúcha (Porto Alegre), Academia Sorocabana de Letras (Sorocaba, São Paulo) e Academia Passo-Fundense de Letras (Passo Fundo), da qual foi eleito presidente em 15 de dezembro de 2007..

Paulo Monteiro pertenceu, ainda, às seguintes entidades: Grupo Literário “Nova Geração” (Passo Fundo), Grêmio Literário Castro Alves (Porto Alegre), Associação Gaúcha de Escritores (Porte Alegre) e União Brasileira de Trovadores (Rio de Janeiro).

Casado com Maria Nelci Machado Monteiro, é pai do cinco filhas: Cris Daniele (acadêmica de Direito), Nadejda Aparecida (Acadêmica de Física), Rozalia Natália (Técnica em Informática), Paula Tatsuia e Sara Adalía. Profissionalmente, exerce as atividades de funcionário público estadual e jornalista.

NOTA DO AUTOR

A TROVA NO ESPÍRITO SANTO (História e Antologia) foi concluída no segundo semestre de 1981. Logo depois, alguns extratos foram publicados em jornal. Fiz uma edição de bibliófilo (apenas cinco exemplares). Passadas mais de duas décadas, promovo uma nova edição. Com isso, pretendo recuperar, para a memória dos trovadores de hoje, alguns fatos que aconteceram entre 1981 e 1982. AIém disso, é uma forma do lembrar muitos e bons amigos, citados ao longo do Iivro, já ceifados pela morte, que muito contribuíram para a reaIização deste trabalho despretensioso.

Quem acompanhou, como acompanhei, o movimento dos modernos trovadores brasileiros durante aquele período, inclusive, editando um boletim literário, o QUERO-QUERO, sabe quanto os acontecimentos aqui historiados foram importantes para o movimento e para centenas e centenas de poetas que praticavam o pequeno poema em redondilha maior.

Depois daqueles dias, a União Brasileira de Trovadores (UBT) praticamente desapareceu do Espírito Santo. Surgiu a Federação Brasileira das Entidades Trovistas (FEBET), estendendo-se do Rio Grande do Sul ao extremo Norte do país. AIém do mais, o exemplo do Clube dos Trovadores Capixabas foi seguido por muitos poetas da quadra, tendo sido fundados diversos clubes do trovadores, por quase todo o território nacional.

Rompeu-se o monopólio sobre os modernos trovadores brasileiros exercido pela UBT, basicamente pela incapacidade política (no sentido real do termo) do seus então dirigentes nacionais, que acabaram encerrando a entidade nos cárceres do aulicismo.

Escrevi A TROVA NO ESPÍRITO SANTO (História e Antologia) num momento em que se operavam grandes transformações a nível mundial e pessoal. Daí a grande emoção de que sou tomado ao reler essas páginas escritas há mais de um quarto de século.

Opto, mais de duas décadas após sua primeira edição, em divulgá-lo quase integralmente como foi escrito àquela época, para preservar o espírito literário que motivou o estudo que ora republico.

Se me fosse dado escolher uma epígrafe para este livro gravaria a bela trova de Joubert de Araújo Silva:

Enganam-se os ditadores,

que, no seu furor medonho,

mandam matar sonhadores,

pensando matar o sonho!

Nada é mais enganoso do que o próprio tempo.

Passo Fundo, RS, setembro de 2008.

Paulo Monteiro

PRIMEIRA PARTE

(HISTÓRIA)

1.1. RAZÕES DO ESTUDO

O movimento dos modernos trovadores brasileiros (Trovismo, para uns; Movimento Trovadoresco, para outros) é uma realidade literária incontestável.

O Trovismo é a prática de poetas comprometidos com a produção do pequeno poema de quatro versos, em redondilha maior (sete sílabas métricas), chamado trova e também conhecido popularmente como quadra ou quadrinha.

Tal prática literária firmou-se a partir dos primeiros anos cinqüentas do século XX, graças ao trabalho de divulgação da trova empreendido por Luiz Otávio, já falecido, e continuado por uma lista significativa de poetas.

O movimento trovadoresco atual é vivo e atuante, abrangendo poetas da Amazônia à Pampa.

No segundo semestre do 1980 começaram a despontar as atividades de um núcleo atuante, e bastante atuante, de trovadores residentes no Estado do Espírito Santo.

Ali as casas tradicionais de trovadores não foram felizes, como veremos adiante.

Tais trovadores se reuniram em torno do Clube dos Trovadores Capixabas (CTC), passaram a realizar concursos de trovas, com o apoio da imprensa e da televisão, inclusive, a editar um boletim literário de nome BEIJA-FLOR e a fazer ampla divulgação da trova.

Não sendo capixaba, nem mesmo conhecendo a terra espírito-santense, mas preocupado com a prática da trova, desde os primeiros tempos, acompanhamos e interessamo-nos em estudar e divulgar os trabalhos daqueles trovadores. Isto a nós nos parece fundamental para que trovadores de outras partes do país, mirando-se no exemplo dignificante dos capixabas, encorajem-se e criem condições objetivas para uma prática mais conseqüente da trova, onde não ocorra um movimento significativo em torno do poema-quadra.

Na segunda parte deste volume reunimos trovas e dados biográficos de vários trovadores, nascidos ou residentes no Esprito Santo.

1.2. DIFICULDADES E COLABORADORES

Via de regra exige-se dos pesquisadores das coisas culturais um trabalho de campo efetivo, em locais especiais: bibliotecas, arquivos, etc.

Não fizemos esse trabalho, pois como se viu acima, não tínhamos a intenção de esgotar o assunto.

As informações foram obtidas graças à bonomia de diversos confrades, dentre os quais poderíamos lembrar: CIério José Borges, Solimar de Oliveira, A. I. Ramires, Evandro Moreira, José Augusto Carvalho, Andrade Sucupira, Joubert de Araújo Silva e Eno Teodoro Wanke.

Várias foram as pessoas solicitadas a colaborar com nosso trabalho que o fizeram. Algumas, porém, simplesmente ignoraram nossas correspondências; outras, ainda, ao melhor estilo do velho PSD mineiro, esquivaram-se habilmente.

Aliás, a propósito, lembramos a bela trova do poeta gaúcho Nelson da Lenita Fachineli:

“Sou irmão de todo mundo

– palavra de coração -,

mas que bom se todo mundo

também fosse meu irmão!”

Os dados biográficos e trovas, constantes da segunda parte deste volume, foram fornecidos pelos autores ou colaboradores antes citados ou obtidos junto a obras publicadas, que constam na bibliografia (1.11). Se uns trovadores comparecem com mais trovas é que estes nos enviaram um elevado número de trabalhos, o que nos favoreceu para urna seleção razoável.

Esperamos que o trovador Clério José Borges, depositário de tantos documentos e informações sobre a trova no Espírito Santo, publique, em breve, um trabalho definitivo sobre o assunto, a chamar-se “O TROVISMO E OS TROVADORES DO ESPÍRITO SANTO”.

1.3.    ANTIGÜIDADE DA TROVA NO ESPÍRITO SANTO

Para alguns, a prática da trova no Espírito Santo inicia-se com o padre José de Anchieta (1534/1597).

De alguns poemas do “Apóstolo do Brasil” podem ser derivadas trovas, embora, ao que se saiba, não tenha sido um trovador no sentido moderno da palavra, ao menos de várias trovas.

Dele, inclusive, conhecemos uma trova em tupi:

“Sarauájamo oroikó

Kaápe orojemoñánga

Orojú nde mornóranga

Oré aíba reropó.”

A tradução desta trova é: “Vivemos como selvagens, somos filhos da floresta, viemos saudar-te, renunciamos aos vícios”.

Note-se que a rima é do tipo ABBA, não aceita pela maioria dos trovadores contemporâneos. Sabemos que a trova tem todo um passado ligado à imprensa, especialmente de maneira satírica, o famoso epigrama, como se dizia.

A imprensa no Espírito Santo é senhora de um passado glorioso. Assim, muitas trovas devem ter sido famosas, repousando nas coleções dos velhos jornais capixabas.

1.4. ANTES DO CLUBE DOS TROVADORES CAPIXABAS

Mais recentemente poderíamos citar a publicação do CANCIONEIRO CAPIXABA DE TROVAS POPULARES, em 1949, onde Guilherme dos Santos Neves reuniu trovas colhidas diretamente do povo, em pesquisas por ele realizadas, e de duas pequenas coletâneas anteriores: uma de Afonso Cláudio, em 1923, e outra de uma colaboradora anônima de “A Província do Espírito Santo”, em 1889.

O livro do Guilherme dos Santos Neves é uma coletânea de 1000 trovas populares, isto é, recolhidas do folclore.

O primeiro livro contendo exclusivamente trovas literárias, ou seja, de autor conhecido, foi publicado por Solimar de Oliveira, em 1957.

A obra, um volume do 9cmX12cm, com 40 páginas, chama-se SANGRANDO LÁGRIMAS… São 95 trovas de Solimar e uma tradução de autor cujo nome não é revelado.

O convívio de Solimar com a trova, porém, vinha do longe.

É ele que nos conta da exposição do fotografias das principais paisagens de Vitória, organizada pelo fotógrafo Paes, com uma série de trovas, de que tomaram parte intelectuais especialmente convidados por aquele artista.

Isso foi em 1935 e Solimar lembra dos seguintes nomes: Ciro Vieira da Cunha, Almeida Cousin, Alvimar Silva, Nilo Aparecida Pinto, Solimar de Oliveira, João Bastos, Teixeira Leite, Jair Amorim, entre outros.

Solimar faz questão de lembrar o nome de Manoel Teixeira Leite, notável poeta, jornalista e trovador, já falecido.

Outra empreitada trovista de Solimar, agora junto com seu irmão Heralto de Oliveira, falecido, foi a organização de uma antologia do trovadores de Cachoeiro de Itapemirim, Iá por 1942/1943.

Essa coIetânea não chegou a ser publicada e os originais acabaram definitivamente perdidos.

Alguma coisa desse livro foi, contudo, divulgada mais tarde por Heralto, sob o pseudônimo de Vilamor.

Em 1950 Solimar passou a corresponder-se com Luiz Otávio e colaborou efetivamente com o futuro autor de MEUS IRMÃOS, OS TROVADORES.

A fundação do Grêmio Brasileiro do Trovadores (GBT), em 8 do janeiro de 1958, é um dado importante na história do Trovismo.

O GBT foi a primeira entidade nacional de trovadores, se bem que por trovador entendesse, ainda, os poetas de cordel e os repentistas e congregasse violeiros numa verdadeira arca do Noé, com bichos do todo pelo.

O GBT fez-se presente no Espírito Santo, basicamente, através de três trovadores: Evandro Moreira, Paulo Freitas e o experimentado Solimar de Oliveira.

Quando os trovadores (da quadra), em 20 de agosto de 1966, rompendo com a estrutura quase folclórica do Grêmio Brasileiro de Trovadores, fundaram a União Brasileira de Trovadores (UBT) os representantes da antiga entidade no Espírito Santo, passaram para a nova casa de trovadores.

Em 1967 são realizados dois jogos florais: um em Alegre e outro em Cachoeiro de Itapemirim, conforme veremos em 1.5.

Depois disso, a prática da trova no Espírito Santo restringiu-se às atividades isoladas de uns poucos abnegados, até que se fez alguma coisa pelo Trovismo, pelos fins dos anos sessentas e inícios da década iniciada em 1970.

Que fale, pois, o professor José Augusto Carvalho, ex-delegado municipal da UBT e organizador da UBT de Vitória:

“Trabalhei, realmente, pelo Trovismo em Vitória, em meados da década de 60, entre, talvez 1966 e 1968, e cheguei a manter uma coluna semanal no jornal A GAZETA, de Vitória, informando sobre trovas e angariando simpatizantes do movimento, graças ao incentivo maior de Joubert do Araújo Silva e Hilário Soneghet, este já falecido e exímio sonetista. Mas, assim que foi fundada a seção capixaba da UBT, como a diretoria eleita era toda de Vila Velha, cidade vizinha 12km da capital, o movimento se transferiu para lá e, em 1980, se tornou no Clube dos Trovadores Capixabas (…)“.

Foi essa seção da UBT de Vila Velha que, em 1971, organizou um concurso de trovas sobre PELÉ.

Depois disso as coisas silenciaram-se. Até 1980, felizmente.

1.5. CONCURSOS E FLORAIS

1.5.1. ALEGRE

Em 1967 foram realizados os I JOGOS FLORAIS DE ALEGRE, graças ao trabalho intenso de um jovem e abnegado poeta: EVANDRO MOREIRA.

Mobilizando a comunidade alegrense e contando com o patrocínio da Prefeitura Municipal de Alegre, então administrada pelo prefeito Antonio Lemes Júnior, Evandro pode levar a bom termo aquele importante evento cultural.

Dois eram os temas: ALEGRIA e FRATERNIDADE. Não havia delimitação de gêneros (humorismo, lirismo, etc.).

No primeiro tema foram premiadas as seguintes trovas:

1º lugar – DURVAL MENDONÇA:

Brilha o rosto de Maria

na gruta pobre de Iuz

ante a suprema alegria

de ser a mãe de Jesus.

2º lugar – JOUBERT DE ARAÚJO SILVA:

Retrata a imagem da vida

a moenda rude e inclemente:

– Chora a cana, ao ser moída…

– range a moenda, contente!

3º lugar – SOLIMAR DE OLIVEIRA:

Nesta existência a alegria,

experimenta e verás!

Está na doce poesia

de todo bem que se faz…

4º lugar – FERRER LOPES:

Alegria… ó alegria!…

afinal, quem é que a tem?

– Tendo a barriga vazia,

nem tu, nem eu, nem ninguém.

5º lugar – JOSÉ VALERIANO RODRIGUES:

Minha alegria não passa

de uma risada bem cheia,

que fica logo sem graça

se a dentadura bambeia.

6º lugar – JOSÉ MORCEF CAMPOS:

Alegria, algo fremente

Que se não pode ocultar;

ou grita no riso quente,

ou brilha na luz do olhar.

7º lugar – MARIA DE LOURDES SANTOS:

Alegria é corno as águas

de um remanso cismador

que passam levando as mágoas

dos que padecem do amor…

8º lugar – CIRO VIEIRA DA CUNHA:

Do teu amor (quem diria?)

que só três meses durou,

resta a saudade – alegria

da tristeza que ficou…

9º lugar – SANTIAGO VASQUES FILHO

Alegria do operário

dura pouco, é reduzida:

– a lei que aumenta o salário

dispara o custo de vida.

10º lugar – SEBASTIÃO NORONHA:

Por mais que sofra, na luta

em que se esforça e porfia,

quem cumpre o dever desfruta

a verdadeira alegria.

No tema FRATERNIDADE, classificaram-se as seguintes trovas:

1º lugar – MARIO MORCEF CAMPOS:

Ama! Até sentir, então,

batendo no peito imerso,

o coração do universo

no teu próprio coração.

2º lugar – JOUBERT DE ARAÚJO SILVA:

Segue, filho este caminho

se queres ser bom cristão:

– Bebe menos do teu vinho,

– reparte mais o teu pão.

3º lugar – HERALDO LISBOA:

Fraternidade… quem dera

fosse outro o barro da gente,

pois se semente não gera

não cabe culpa à semente.

4º lugar – SOLIMAR DE OLIVEIRA:

Fui leal. Ouvi parolas.

Fui fraterno. Amigo. Irmão.

E hoje quase peço esmolas

depois de ter dado pão.

5º Iugar – LILINHA FERNANDES:

Fraternidade ultrajada

ainda mais se santifica.

Se a árvore boa é podada,

com mais vigor frutifica.

6º lugar – ATHAYR CAGNIN:

Indiferente à maldade,

vou traçando de alma ungida,

o giz da fraternidade

no quadro negro da vida…

7º lugar – DURVAL MENDONÇA:

Vive louca a humanidade

sempre em termos de agressão:

– invoca a Fraternidade

com a baioneta na mão.

8º lugar – MARIA HELENA:

Dá um riso aberto em dia

Se o pobre te estende a mão:

– Que às vezes uma alegria

É mais pão que o próprio pão.

9º lugar – SOLIMAR DE OLIVEIRA:

Neste exemplo se descobre

a Fraternidade, irmão:

– um pobre com outro pobre

dividindo o próprio pão.

10º lugar – NORDESTINO FILHO:

Fraternidade, meu bem,

só se diz Fraternidade

quando, aIém da caridade,

não se faz mal a ninguém.

1.5.2. CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM

Cachoeiro de Itapemirim é uma terra de bons poetas. Poucas cidades do interior brasileiro poderão orgulhar-se de, ao longo de sua história, apresentar tantos e tão bons poetas, quanto a terra de Rubem Braga.

Ali, entre 1966 e 1967, foram realizados Os I JOGOS FLORAIS DE CACHOEIRO, organizados pela Academia Cachoeirense de Letras, “sob os auspícios da Municipalidade, por isso decorrentes da Lei Municipal nº 054, de 16 de maio de 1966”.

Tudo isso sob o comando do incansável Solimar de Oliveira, então presidente da ACL.

Esses jogos constaram de cinco prêmios ou concursos diferentes, a saber:

Prêmio Benjamim Silva”- Trovas – 657

“Prêmio Newton Braga” – Poemas – 526

“Prêmio Rubem Braga” – Crônicas –       65

“Prêmio ClaudionorRibeiro”-Contos- 52

“Prêmio Bernardo Horta” – História –      2

TOTAL 1303

Finalmente, para alegria dos organizadores, após vasto programa, no dia 7 de setembro de 1967, foram entregues os prêmios aos vencedores.

Nunca o Espírito Santo tivera uma promoção cultural tão vasta e expressiva, tais foram as atividades constantes do programa e cumpridas britanicamente.

Estas foram as trovas vencedoras:

1º lugar – COLBERT RANGEL COELHO:

Noivado no mundo inteiro

Foi sempre assim entre os dois:

O noivo espera primeiro,

A noiva espera depois.

2º lugar – MANUELA ABRANTES:

Eu vejo no teu vestido,

mulher esbelta e risonha,

tanta falta de tecido

com falta de vergonha.

3º lugar – COLBERT RANGEL COELHO:

Eu não sei se o sol desponta

Ou se ainda é madrugada…

Quando estou por tua conta

Não dou conta de mais nada.

4º lugar – CARLOS MANUEL DE A. S. ABRANTES:

Amor, embora sensato,

Sem dinheiro, desconsola…

É como usar bom sapato,

De polimento, sem sola!

5º lugar – PAULO EMÍLIO PINTO:

Que luta quando eu a vejo

tão sedutora e inocente!

Já viu respeito e desejo

brigando dentro da gente?

6º lugar – HÉLlO C. TEIXEIRA:

Alma, que sonhas na altura,

vendo a beleza dos astros,

tornas maior a tortura,

de andar na terra de rastros!

7º lugar – COLBERT RANGEL COELHO:

Quando a gente perde o tino,

Como perdi de repente,

Uma mulher sem destino

Faz o destino da gente.

8º lugar – APARÍCIO FERNANDES:

Neste exemplo se presume

um prêmio às almas formosas:

Fica sempre algum perfume

nas mãos que oferecem rosas.

9º lugar – CARLOS MANUEL DE A. S. ABRANTES:

Na vida, constantemente,

a mulher se contradiz,

às vezes diz o que sente,

mas nunca sente o que diz.

10º lugar – DAVID DE ARAÚJO:

Bendito de quem consome

da vida os anos a fio,

dando pão a quem tem fome

e agasalho a quem tem frio.

1.5.3. VILA VELHA

Vila Velha, como já dissemos, também teve seu concurso de trovas, uma promoção modesta e menos ousada que as anteriores. Em 1971, sob o tema PELÉ.

0 vencedor do I CONCURSO DE TROVAS DE VILA VELHA, organizado pela UBT local, foi o saudoso trovador Cegídio Ambrogi, de Taubaté, com esta trova:

Que o Brasil todo enaIteça,

tanto a Rui, como a PELÉ.

Se um o honrou pela cabeça,

o outro o honrou usando o pé.

1.6. 0 CLUBE DOS TROVADORES CAPIXABAS

Conforme vimos, antes, a UBT não teve uma existência muito fértil no Espírito Santo.

Parece que ela não se transformou no Clube dos Trovadores Capixabas (CTC) como disse o professor José Augusto Carvalho.

Da UBT, no Espírito Santo, porém, sobrou o exemplo que, tal qual a Fênix, renasceria no CTC.

Esse exemplo sobrou principalmente em/e para o penúltimo presidente da UBT de Vitória e Vila Velha, um jovem de 20 anos, nascido em 15 de setembro do 1950: CIério José Borges de Sant`Anna.

Não nos é difícil compreender – a nós que vivemos experiência semelhante – quanto pesa ver alguma coisa em que se depositou todo o desprendimento juvenil tombar sob a guilhotina inexorável dos acontecimentos.

Então, CIério José Borges, entre seus compromissos de trabalhador, chefe de família e estudante, passou a freqüentar bibliotecas à cata de materiais relacionados com a trova no território capixaba.

Numa dessas idas e vindas, em busca de informações úteis aos seus planos de pesquisa, na Biblioteca Pública de Vitória, deu de cara com “O TROVISMO”, um Iivro de Eno Teodoro Wanke, historiando o movimento dos modernos trovadores brasileiros.

Visto que ali quase nada se encontra com relação à trova em terras espírito-santenses, Clério José, feito uma fera, escreveu ao autor do livro.

Acabaram ficando amigos.

Dessa amizade surgiu a idéia de reativar o movimento em torno da trova em terras capixabas.

Sabe-se que CIério José pretendia uma entidade basicamente local. Somente “capixaba”. Aos poucos se convenceu de que era necessário criar vínculos entre os trovadores capixabas organizados e trovadores de outras plagas.

Esclareça-se que o CTC entende, “para efeito de inscrição no Clube, como capixaba o (trovador) nascido no Espírito Santo e os que residam no Estado”.

Assim é que o Clube dos Trovadores Capixabas foi fundado em 1º de juIho de 1980.

1.7. ATIVIDADES DO CTC

1.7.1. CONCURSOS NACIONAIS

A primeira atividade do Clube dos Trovadores Capixabas, que o projetou nacionalmente, foi O I CONCURSO DE TROVAS DA CIDADE DE VITÓRIA.

A realização do evento ficou sob responsabilidade do CTC e da Federação Cultural do Espírito Santo.

Dois foram os temas apresentados aos concorrentes: CAPIXABA, para as trovas humorísticas, e ANCHIETA, para trovas laudatórias, com referência ao padre José de Anchieta, há pouco beatificado.

Os três primeiros colocados, no primeiro tema, com as respectivas trovas:

1º lugar – ZÉ DE ÁVILA:

Na casa de um capixaba

se a gente chega sem pressa,

a pressa logo se acaba

quando a conversa começa.

2º lugar – JOÃO FIGUEIREDO:

Festa no Espírito Santo…

Quem for mineiro não vai.

– Você, aí nesse canto…

– Eu sou Capixaba… Uai.

3° lugar – IZO GOLDMAN:

O Capixaba garante

que sua terra é um encanto:

– Espírito tem bastante…

– o que falta mesmo é… Santo…

Já sob o terna Anchieta os três primeiros lugares ficaram assm distribuídos:

1’ lugar – RANGEL COELHO:

Anchieta, pelo que diz

seu evangelho de luz,

foi o FRANCISCO DE ASSIS

das terras de Santa Cruz.

1º lugar – ALOÍSIO BEZERRA:

Lá no céu muito chorou

ANCHIETA, e tem chorado

que o índio, a quem tanto amou

no Brasil só tem penado.

3º lugar – VICENTE NOLASCO COSTA:

Vitória dos meus encantos

coração do meu planeta,

venero, dentre teus santos,

o grande santo ANCHIETA.

No dia 4 de outubro do 1980, no Teatro Carlos Gomes, de Vitória, em sessão solene, foram entregues os prêmios aos vencedores desse primeiro concurso, e diplomas aos sócios fundadores e sócios de honra presentes.

Logo depois, a Fundação Cultural foi extinta e o livro com as trovas – quarenta ao todo – vencedoras do CONCURSO DE TROVAS DA CIDADE DE VITÓRIA ficou sem patrocinador.

1.7.2. COCURSOS INTERNOS

Uma outra característica marcante do Clube dos Trovadores Capixabas é a realização quase que permanente de concursos internos de trovas. Estes elevaram-se a cinco no primeiro ano do existência do CTC.

O primeiro desses concursos foi realizado em novembro de 1980, obedecendo ao tema GASOLINA, para trovas humorísticas.

Foram recebidas 54 trovas e o resultado oficial foi este:

1º lugar – BEATRIZ ABAURE:

Num posto de álcool na esquina,

diz um bêbado que passa:

– Isto que é gasolina!

– Tem cheiro até de cachaça.

2º lugar – VICENTE NOLASCO COSTA:

Sobe o gás e sobe o óleo,

gasolina é todo dia.

Quanto mais sobre o petróleo

mais aumenta a mordomia.

3º Iugar – JOÃO FIGUEIREDO:

O preço da gasolina

Vai subir mais (e não bufe!)

até que jorre da mina

o petróleo do Maluf…

4º lugar – ALYDIO C. DA SILVA:

Na crise da gasolina,

tive um lampejo de estalo:

Deixo o carro na oficina

e vou andar a cavalo.

5º lugar – VICENTE NOLASCO COSTA:

Vou vender tudo que pego.

Vou trocar rádio e buzina,

ou botar tudo no prego

ou ficar sem gasolina.

Receberam menções honrosas as seguintes trovas, por ordem alfabética de seus autores:

Se acabar a gasolina,

melhor é ficar na roça:

Lá não tem gente granfina,

todo mundo usa carroça…

ÁBNER DE FREITAS COUTINHO

Gasolina eu pus de lado

pois era um gastar sem fim,

e o carro a áIcooI hidratado

bebe quase igual a mim…

BEATRIZ ABAURRE

Vamos cavar, gente fina,

tentar óIeo encontrar.

Pois carro sem gasolina,

“alcoólatra”… vai ficar.

VALSEMA RODRIGUES DA COSTA

Hoje dei em pagamento

um tanque de gasolina

por um lindo apartamento

com garaje e com piscina.

VICENTE NOLASCO COSTA

Derivado do petróleo

que o capixaba assim glosa:

– Sendo “óleo”, contém álcool,

sendo líquida é “gasosa”.

ZEDÂNOVE TAVARES

Este concurso contou com o valioso apoio do CORREIO POPULAR, de Cariacica, onde é editada uma coluna dedicada à trova, sob responsabilidade de CIério José Borges.

O II Concurso Interno do CTC teve NATAL como terna, e foi realizado em dezembro de 1980.

O       vencedor desse concurso foi João Figueiredo, residente no Rio de Janeiro, com esta trova:

Nascer, morrer! Coisas certas.

Que no Natal vêm à Iuz:

Os Magos levando ofertas

E Cristo levando a Cruz.

O       III Concurso Interno do CTC, realizado entre janeiro e fevereiro do 1981, teve dois temas: COLOMBINA, somente para os sócios fundadores da entidade, e CARNAVAL, para os sócios correspondentes, isto é, nem capixabas de nascimento ou residentes no Espírito Santo, mas “correspondentes’ da entidade noutros Estados.

Venceram-no, com as respectivas trovas, os seguintes trovadores:

Tema COLOMBINA:

1º lugar – MILSON ABREU HENRIQUES:

Fui Pierrot num Carnaval

num outro fui Arlequim.

Mas Colombina afinal

fez um palhaço de mim.

2° lugar – J. CABRAL SOBRINHO:

“A Colombina fatal”,

(ouvi dizer num forró),

foi gíria de Carnaval

do tempo de minha avó.

3º lugar – ARGEMIRO SEIXAS SANTOS:

O Carnaval de hoje em dia,

em verdade, desatina.

É carnaval sem poesia,

sem PIERROT, sem COLOMBINA.

4º lugar – BEATRIZ ABAURRE:

Com um tema que fascina

eu tentei fazer poesia:

Foi um sonho, Colombina!

Não passou de fantasia…

5º lugar – NEALDO ZALDAN:

Já não se brinca com “Lança”,

nem confete ou serpentina.

Mas todos têm na Iembrança

uma linda Colombina.

Menção Honrosa – ÁBNER DE FREITAS COUTINHO:

Na folia, a Colombina,

sempre marca, onde estiver

com graça bem feminina,

a presença da mulher…

No CARNAVAL, o vencedor foi o trovador cearense ALOÍSIO BEZERRA. Eis a trova:

Pela imensa Carestia,

Tolhendo a paz nacional,

Seria bom, Oh! Seria…

Não houvesse carnaval!

AIoísio classificou-se ainda em terceiro lugar, Carlos de Alencar em segundo e quinto e Carlos Ribeiro Rocha, em quarto.

Já o IV Concurso Interno, realizado entre fevereiro e março de 1981, com tema único PÁSCOA, teve como três primeiros colocados, com as seguintes trovas, os trovadores abaixo:

1º lugar – FERNANDO ANTONIO LIMA CASTOR:

A Bíblia, sagrado arquivo,

mostra a PÁSCOA aos fariseus…

JESUS CRISTO redivivo,

voltando aos braços de DEUS.

2º lugar – ARGENTINA LOPES TRISTÃO:

Páscoa da Ressurreição,

do sacrifício, da dor.

Ficou-nos grande Iição:

– A glória eterna do amor.

3º lugar – ARGEMIRO SEIXAS SANTOS:

Depois da morte, Jesus

surge para a redenção.

É PÁSCOA feita de Iuz

iluminando o cristão.

Finalmente, o V Concurso Interno do CTG respeitou o tema “Cinco de maio – Dia das Comunicações e do Expedicionário”.

As trovas concorrentes, julgadas por uma comissão de donas de casa, somaram 46. Venceram-no as seguintes trovas:

1º lugar – CARLOS RIBEIRO ROCHA:

Contra o poder arbitrário

foi lutar sem covardia,

o nosso Expedicionário…

– Cinco de maio é seu dia!

2º lugar – ÁBNER DE FREITAS COUTINHO:

Quem se isola, se angustia

abra a mente, meu irmão,

Cinco de Maio é o dia

de ter comunicação…

3º lugar – ARGEMIRO SEIXAS SANTOS:

Cinco de Maio me apraz

por seu festejo correto,

a comunicação faz,

do mundo menor, mais perto.

4º lugar – ALOÍSIO BEZERRA:

Cinco de Maio: Que Glória!

Lembrando realizações!

Nacional dia da História

Dessas Comunicações!

5º lugar – AMAURY DE AZEVEDO:

Mês de maio, dia cinco,

dia da Comunicação,

quando os homens com afinco

lutam por mais união.

Menção Honrosa – JOSEFINA DA SILVA CARVALHO:

Mês das comunicações,

cinco de maio é o dia

das grandes inovações,

trazendo sabedoria.

1.7.3. CONCURSOS INFANTIS

Dentre as atividades do CTC no campo dos concursos de trovas merecem destaque aquelas que se relacionam à preocupação do Clube em divulgar a trova e sua prática junto às crianças.

Aqui temos que salientar a coIaboração de Milson Henriques, apresentador do programa infantil “A GAZETINHA”, DA TV GAZETA, de Vitória.

Milson, que também é trovador, tem sido o promotor maior desses concursos, entre crianças de até 15 anos, o primeiro dos quais foi realizado em janeiro de 1981, com ótima participação, obedecendo ao toma FÉRIAS.

Eis os cinco primeiros colocados:

1º lugar – RONALD HELMUT CEKAL:

Sempre que chegam as férias,

saio, correndo, a brincar,

alegremente, sorrindo,

como um pássaro a voar.

2º lugar – MÁRCIA HILDILENE MATHEILO:

Fazer trovas sobre férias?

Que idéia mais maluca.

Nas férias quero passear,

Brincar, descansar a cuca.

3º lugar – TATIANA BAHIENSE FREITAS:

Ah! Se fosse-me possível

alguém estudar por mim.

Eu teria sempre férias,

seriam férias sem fim…

4º lugar – SIRLENE SILLER SIQUEIRA:

Minhas férias serão tristes,

pois não tenho onde morar.

Eu vivo num orfanato

e aqui terei que ficar.

5º lugar – SIRLENE SILLER SIQUEIRA:

Nas minhas férias deste ano

caso sério aconteceu:

Fui brincar co`um cachorrinho

e o danado me mordeu.

Para esse I Concurso de Trovas do programa infantil “A GAZETINHA”, foram enviadas mais de duzentas trovas.

O II Concurso, sob o tema PROFESSORA, teve urna concorrência significativa e, nos primeiros lugares, esta classificação:

1º lugar – ELIVANI TEIXEIRA (9 anos):

Eu disse pra professora

que estava um pouco cansada.

Como eu sou pexinho dela

a matéria não foi dada.

2º lugar – GERUZA APARECIDA FERECHI (14 anos):

Minha vida de criança

esta escola iluminou

com as letras do alfabeto

que a professora ensinou.

3º lugar – SAYONARA FREITAS CAMPOS (14 anos):

Eu quero ser professora,

passe o tempo que passar.

Tudo aquilo que aprendi

vou com carinho ensinar.

Mas os concursos de “A GAZETINHA” não pararam. O terceiro obedeceu ao tema PASSARINHO.

1.7.4. O BEIJA-FLOR

BEIJA-FLOR é o nome do Boletim Informativo do Clube dos Trovadores Capixabas.

Seu primeiro número foi publicado, em mimeógrafo à tinta, em outubro de 1980, com tiragem de 300 exemplares.    

Beija-Flor – ficamos sabendo através de uma nota desse primeiro número – é “o pássaro que         lembra a cidade capixaba de Santa Teresa, o Museu “Melo Leitão” e o cientista Augusto Ruschi…”

Poderíamos anotar algumas características do BEIJA-FLOR.

Destacamos estas duas:

1 – Ao lado de notas de economia interna da Entidade: novos sócios, doações, elogios, etc., publica trovas e notícias gerais de interesse para todos os trovadores;

2 – Divulgando endereços de trovadores é um vigoroso instrumento par a integração dos poetas da quadra.

1.7.5. LIVROS

Quando, em 1980, foi realizado o I Concurso de Trovas da Cidade de Vitória, a Fundação Cultural do Espírito Santo prometeu editar um livro com as trovas premiadas.

Posteriormente esse órgão dedicado à cultura foi extinto.

Aliás, em nossos tempos de usinas atônicas e foguetes carregados com ogivas nucleares, as instituições públicas voltadas à cultura desaparecem num piscar de olhos.

Extinto aquele órgão, o CTC partiu para a publicação da obra em forma de mutirão poético, cada um dos autores pagando parte do valor da edição.

Na obra, além das trovas vencedoras daquele concurso foram incluídas quadras de vários associados do Clube.

1.7.6. BALANÇO DAS ATIVIDADES

É mister que se faça uma análise rápida de todas as atividades desenvolvidas pelo Clube dos Trovadores Capixabas em seu primeiro ano de existência.

Em primeiro lugar, poderíamos destacar uma das características marcantes do Trovismo: a realização de concursos de trovas.

Aqui vemos o CTC filiado à prática tradicional dos concursos de trovas e, por outro lado, apoiado pela televisão – esse veículo de comunicação de massas tão importante quanto suspeito por muitos, e preocupado com a divulgação da trova junto às crianças.

Este é um dado novo e valioso, que merece reflexão e análise de todos aqueles que se preocupam com a prática da trova.

Por outro lado, pelas características próprias do BEIJA-FLOR, tem, o CTC, cuidado em criar um relacionamento mais direto e fraterno entre os trovadores.

Além do mais, veremos adiante (1.9) a preocupação do Clube, através de seus membros mais atuantes, em reconstruir a UBT em Vila Velha e Vitória, além de construí-la em outras cidades.

Quanto aos concursos infantis de trovas, essa prática salutar desenvolvida pelo Clube dos Trovadores Capixabas, tem passado a ser uma característica também de novéis seções ubeteanas no Espírito Santo.

1.8. O “CASO ZEDÂNOVE X ENO”

O I Concurso de Trovas da Cidade de Vitória teve uma comissão julgadora respeitável. Proporcionou, contudo, um episódio inédito na história da trova.

Em 27 de novembro de 1980 o jornal A GAZETA, de Vitória, publicava o artigo “AS NOTAS DO ENO”, de Zodânove Tavares.

Nesse artigo o ex-presidente da UBT de Vitória, que foi um dos juizes do concurso, conta que Eno Teodoro Wanke, outro juiz do mesmo concurso, deu zero a duas trovas concorrentes, entre outras.

Eis o que diz Zedânove:

“(…)

Vejamos uma das trovas concorrentes:

“Cá, na área da pobreza,

Vitória muda de nome:

ela é chamada Tristeza,

em meio a um povo com fome”.

Nota do Eno: zero. Alegação: “canárea”. Isso mesmo. Ele alega que o “Cá, na área” é uma cacofonia. Sem comentários.

Vejamos outra:

“Anchieta e Giordano Bruno

foram irmãos, santos são,

filhos do mesmo Deus, uno,

que não tem religião”.

Nota de Eno: zero. Alegação: anticlerical”.

Mais adiante Zedânove segue suas acusações contra as notas atribuídas por Eno a trovas onde ocorriam fenômenos de sinérese (como An-chie-ta) ou diérese (An-chi-e-ta), polemizando em torno dessas questões bastante complexas de metrificação.

A resposta de Eno Teodoro Wanke veio pelo mesmo jornal, dia 20 de dezembro de 1980, em artigo que foi repetido dia 31 de dezembro daquele mesmo ano.

Após perguntar: “que melhor elogio se pode fazer a um juiz de concurso de trovas do que dizer que foi rigoroso, ou seja, de querer contribuir para um bom resultado final?”, continua seu trabalho revelando assuntos de economia interna do Concurso, quanto à forma de atribuição de notas às trovas concorrentes e reafirmando seus pontos de vista quanto à sinérese e à diérese, já expostos em obra de sua autoria. Prosseguindo em sua defesa, assevera, referindo-se às trovas lembradas por Zedânove: “Não sei de quem são tais trovas, e nem desejo saber, pois julguei foi a trova e não os trovadores. As duas como se verá são chochas e prosaicas, totalmente desinspiradas. Observem:

Cá na área da pobreza,

Vitória muda de nome:

ela é chamada Tristeza

em meio a um povo com fome.

Além daquela “canária da pobreza”, que destrói a trova logo do início, a imprecisão de linguagem é notável. Parece vagamente urna trova de protesto. Renovo meu zero.

Anchieta e Giordano Bruno

foram irmãos, santos são,

filhos do mesmo Deus, uno,

que não tem religião.

Esta trova dá o que pensar em matéria de coisa mal feita. Há dualidade de contagem silábica. No primeiro verso, conta-se “An-chie-ta e Gior-da-no”. O autor utilizou, portanto, de sinérese. Contou tanto “Anchieta” e “Giordano” como tendo três sílabas. Poderia ter contado quatro: “An-chi-e-ta” e “Gi-or-da-no”, forma que Zedânove diz, em seu artigo, preferir. Mas contou três. Sucede que, para ser coerente, deveria, no último verso, utilizar-se do mesmo recurso: “religião” (outra dessas palavras-armadilhas) deveria ter sido contatada como tendo três sílabas fônicas, e não como está, para contentar a metrificação, com quatro (…).

Mas tem mais. Vejamos o sentido da trova, a mensagem que deseja transmitir. Acho que tomar Giordano Bruno, o filósofo irrequieto, envolvido primeiro num caso de assassinato quando monge dominicano em Roma, depois expulso pelos calvinistas quando se tornou um deles, e ainda por cima excomungado pelos protestantes, sempre procurando brigas e discussões filosóficas, e terminando, come se sabe, preso e queimado pela Inquisição, e compará-lo ao meigo Anchieta, o exemplo da submissão, que tudo abandonou – pátria, família, a vida mais fácil – para servir a Deus, servindo aos nossos indígenas, acho “forçar a barra”. Nenhum dos dois foi nem é santo. Anchieta foi apenas beatificado pela Igreja. E dizer que Deus não tem religião é, para mim, um paradoxo tão divertido que até estou utilizando para um clec. Outro zero para esta trova!”

Aém desses dois artigos, o veterano trovador A. Isaías Ramires, um dos mestres da trova no Espírito Santo, concorreu à discussão, com duas publicações, em jornais de Cariacica e Alegre.

Felizmente esse episódio desagradável ficou em quatro artigos.

Quanta às questões levantadas por Zedânove Tavares, analisando “as notas do Eno”, parece-nos que prevaleceu a emoção sobre a razão. Caso contrário não teria partido para a análise técnica da confecção trovística, onde Eno foi cem por cento correto. Antes teria censurado as explicações ideológicas: ter desclassificado uma trova par considerá-la anticlerical.

Um agnóstico tem o dever de reconhecer a beleza do uma trova mística, religiosa ou qualquer outro nome que se lhe dê, quando for bela, e um cristão, por sua vez, tem o dever de reconhecer a beleza de uma trova, mesmo anticlerical. Com isso não queremos dizer que a trova em pauta seja bela.

Dizíamos que, nessa polêmica, Zedânove talvez tenha entrado mais com a emoção porque a primeira trova é de autoria do veterano trovador Andrade Sucupira, seu pai.

Quanto à segunda, embora, seguindo a mesma “linha poIêmica” da primeira, desconhecemos sua autoria.

Felizmente, repetimos, o “Caso Zedânove x Eno”, conforme batismo de A. Isaías Ramíres, é caso encerrado.

1.9. AUBT

Nos primeiros meses de 1981 graças aos esforços de Clério José Borges, começaram a surgir representações da União Brasileira de Trovadores no Espírito Santo.

A primeira seção fundada foi a de Vitória, no dia 30 de março. Seu presidente, o advogado Carlos Dorsch, contando com a presença, em sua diretoria, dos trovadores: Eurídice de Oliveira Vidal, Elmo Elton, Clério José Borges, José Wiliam de Freitas Coutinho, Eymard Cardoso de Barros, Argemiro Seixas, Matusalém Dias de Moura, Luiz Carlos Braga Ribeiro, Albécio Nunes Vieira Machado, Fernando Buaiz e Vicente Nolasco Costa.

Essa representação da União Brasileira de Trovadores foi instalada em conseqüência do trabalho de proselitismo desenvolvido por Clério José Borges, desde os inícios de 1980, delegado municipal da UBT em Vitória.

A segunda seção da UBT, no Espírito Santo, surgiu em 25 de abril de 1981, na cidade de Vila Velha.

Ali, também, esteve presente o esforço de Clério José Borges, pois o delegado local da UBT, Andrade Sucupira, por urna questão do foro íntimo, é bastante descrente quanto a entidades trovadorescas.

A UBT de Vila Velha ficou sob a presidência da professora Valsema Rodrigues da Costa e as demais funções da diretoria distribuídas entre os seguintes trovadores: Erasmo Cabrini, Rosalva Fávero, Irene Ramos, Argentina Lopes Tristão, Vicente Costa Silveira, Solange Gracy Barcelos, Tânia Mara Soares, Verany Maria de Souza, Julieta Lobato Barbosa, Aldinei Fraga de Carvalho e Inis Brunelli.

Em Vitória, CIério José Borges manteve o boletim informativo ESTANDARTE, que continuou sendo editado sob a responsabilidade da seção ubeteana local, o mesmo acontecendo em Vila Velha, com Andrade Sucupira, que criou o CANELA-VERDE.

Mas não ficou apenas aí a penetração da UBT, que conquistou representações em Cariacica, com Nealdo Zaidan, em Serra, com Anselmo Gonçalves, e em Cachoeiro de Itapemirim, com Byron Tavares.

Além disso, foram surgindo delegacias da UBT em outras cidades.

Saliente-se que as seções da UBT, em Vitória e Vila Velha, seguindo os caminhos abertos polo CTC, já de início, realizaram concursos estudantis de trovas, sob os temas ALUNO e MÃE, respectivamente.

Eis aqui o resultado oficial do Concurso Infantil de Trovas, promovido pela UBT de Vitória:

1º lugar – CARLA CRISTINA JUFFO (13 anos):

Não ligo que o mundo rode

se minha MÃE ficar bem.

E penso como é que pode

gostar tanto assim de alguém.

2º lugar – SHEISE BARROSO (14 anos):

Quem é esta bela criatura

que Deus fez com perfeição?

Mãe, grande e linda figura

guardada em meu coração.

3º lugar- MANOEL S. DA ROCHA MONTEIRO (9 anos):

Quando te vejo, mãe amada,

Fazer tranqüila o crochet,

me lembro da “Mãe Sagrada”

que parece com você.

4º lugar – SONIA MARIA COSTA (I3 anos):

No céu escolhi uma estrela.

No jardim escolhi a flor.

No mundo escolhi uma mãe,

para ser meu grande amor.

5º lugar – ADRIANA R. DA COSTA (8 anos):

A minha mãe é mulher

e é mulher “maravilhosa”!

Dá mil voltinhas por dia

tentando ajudar suas filhas.

Menções honrosas, foram conferidas às seguintes trovas:

I – Uma criança veio ao mundo

porque uma Mãe assim o quis,

sendo surdo, sendo mudo

ficará sempre feliz!

MARISA HORTA (14 anos)

II – Mãe, palavra angelical,

Nos faz pensar em amor.

O amor que dá é total.

Vem direto do Senhor.

MARISA HORTA (14 anos)

III – Minha Mãezinha querida,

Te amo mais que outras mil.

Peço a Deus para abençoar

todas as mães do Brasil!

ADRIANA DA CONCEIÇÃO SANTOS (11anos)

IV – Mãe, teu nome pequenino

– amor, ternura, perdão.

Ele é um poema divino

escrito em meu coração.

FABÍOLA TRANCOSO CARVALHO (13 anos)

V – Para a mamãe, neste dia,

eu vou lhe dar uma flor,

a bela flor da alegria

e junto a rosa do amor!

ANA LIZA R. DA COSTA (11anos)

VI – Ser mãe é ser como a flor,

ser a flor mais colorida.

É a flor de um grande amor;

é o amor da minha vida!

ANDRÉ ANDERSON DE OLIVEIRA (11 anos)

VII – Minha mãe, minha alegria,

meu tesouro grandioso.

vou guardá-lo com carinho

porque é muito valioso.

ROSINETE ALVES MATIAS (16 anos)

VIII- Flores, mamã, pra você

é tudo que tenho em mim.

A culpa é sua porque

fez do minh`alma um jardim.

MARTA HELENA VANCONCELOS (11 anos).

IX – E quem respeita à menina

à futura mãe respeita.

Mãe é linda obra divida

a for mais bela e perfeita.

VIVIANE GARCIA (11 anos)

X – Ser mãe não é brincadeira,

não é somente viver.

É subir, descer ladeira,

é lutar pra não morrer!

MARILDA LIMA NASCIMENTO (12 anos)

1.10. O “FIM” DO CTC

Um fato bastante desagradável para o Trovismo ocorreu durante as festividades do primeiro aniversário do Clube dos Trovadores Capixabas, entre os dias 1º e 3 de julho de 1981.

O CTC preparou festividades bastante sérias, com prestação de contas de sua diretoria, no dia 1º; palestras de Rodolfo Coelho Cavalcante e Eno Teodoro Wanke, no dia 3.

Lamentáveis foram os fatos ocorridos após a palestra de Eno Teodoro Wanke. Ali o autor afirmou, após aludir à dificuldade da missão que lhe foi imposta ao ser convidado para pronunciar uma das conferências:

“Sobre o que escrever então? Sobre a História e as realizações do CTC? Isso cabe ao Clério, que, melhor do que ninguém, saberá recolher os dados e os expor num relatório que deixará muita gente perplexa com o quanto se pode fazer em tão pouco tempo.

Pois Clério, com todo o dinamismo que é capaz, conseguiu neste curto ano, colocar a trova em seu verdadeiro caminho, o caminho da rosa. Suas realizações não se limitam ao CTC, mas também à UBT, com o renascimento da seção de Vitória, de Serra e diversas delegacias. Além disso, conquistou para a trova novos espaços, tanto nos jornais, como na televisão, nas escolas, como em boletins especializados, bem escritos e recheados de inovações e notícias sobre o mundo trovista. Realizou e provocou não sei quantos concursos. Foi um ano “de abertura” para a trova, não só em terras capixabas, mas em todo o Brasil. O CTC está ressuscitando aquele impulso que levava a trova milenar, na década de 1960, a ser considerada o centro do um movimento literário de grandes proporções, com o apoio de todos os grandes jornais do Rio de Janeiro, e repercussões no público de lá e outros centros.

Realmente, se pode parecer aos capixabas que o movimento do CTC é apenas regional, local, na verdade não é assim. Na correspondência que recebo, de todas as partes do Brasil, se fala, com escandalosa freqüência, e sempre em termos de admiração e louvor, no “Beija-Flor”, desde os mais recatados jornais provincianos, até os mais descabelados boletins vanguardistas. Acho que isto é o que vale, para a trova. É preciso não cair no nefelibatismo em que se encontra hoje a UBT, que deveria dar o exemplo de abertura e união, como abertamente escrevi em meu livro “O Trovismo”, da página 407 a 418, sem “meias palavras”. A UBT, lamentava eu, em resumo, tomara o caminho (também válido, porém parcial) de só promover festas e jogos florais, quando qualquer movimento artístico ou literário tem que, necessariamente, envolver o púbIico, agitá-lo, principalmente através dos meios de comunicação, divulgando as produções geradas, interessando e abrindo o caminho para os novos, pois de sangue novo é que se faz a renovação, e renovação é que dá continuidade ao movimento”.

Mais adiante, após historiar a forma com que se encontrou com Clério José Borges, escreve:

“Clério (…) com seu jeito objetivo de resolver as coisas, pediu-me orientação de como “ressuscitar” o trovismo em terras capixabas. Matutei. Que dizer a ele? Seria cômodo mandá-lo “engatar-se” na UBT, tornando-se mais uma sucursal do “turismo” ubetista. Não confundir tal “turismo” com o turismo de massa, aquele que é uma indústria, que traz dinheiro à terra onde é exercido. O turismo da UBT é elitista, exercido por uma certa quantidade do trovadores, dentro do círculo fechado onde estão as informações sobre os concursos. É tão fechado esse círculo, que mesmo os trovadores interessados, como eu, na trova, não conseguem facilmente o acesso a tais informações. Cheguei mesmo a assinar, certa vez, um desses boletins de UBT, enviando um cheque em favor do presidente local, conforme as instruções de assinatura do próprio Informativo, e babau! Não recebi nem o dinheiro de volta, nem uma explicação (…).

Por isso, que me perdoem os amigos que, felizmente, possuo em grande quantidade dentro da UBT, mas eu não poderia, naquele momento, honestamente, colocar este jovem e dinâmico líder sob a tutela do um órgão fechado. Ora, existia na ocasião, o Clube dos Trovadores do Vale do Paraíba, do meu amigo Francisco Fortes, que, independente da UBT, e por ela criticado por isso mesmo, estava fazendo algum movimento. Lembrei-me, baseado nesse exemplo salutar, de propor ao Clério, não a filiação à UBT, mas a criação de um Clube independente, local, que com o tempo, poderia se estender por todo o Brasil, (como aliás, sucedeu à UBT, entidade baseada no GBT, criado por Rodolfo Cavalcante em Salvador, em 1958)”.

Essas colocações de Eno Teodoro Wanke, quanto à UBT, revoltaram o trovador Joubert de Araújo Silva, capixaba, que já foi alto dirigente da UBT Nacional.

Eis o que conta José Borges Ribeiro Filho, em artigo publicado no jornal A GAZETA, de 29 de julho de 1981: “Agora, em A Gazeta de 18 do Julho de 1981, leio o artigo intitulado “Desparabéns” de autoria do Sr. Eno Teodoro Wanke, autor dos livros: “A Trova Popular”, “A Trova”, “A Trova Literária” e “Trovismo”, em que é denunciada a ingerência de um determinado trovador ligado à UBT Nacional, e que já se encontrava em Vitória há vários anos e nada fez pela trova nesse período, para extinguir o CTC. Estive no último dia do Seminário Nacional da Trova realizado em Vila Velha, no dia 3 de julho e lá observei a movimentação de determinado trovador, defendendo interesses da UBT Nacional, em tentar acabar com o CTC. Lembro-me bem que, quando procurava argumentar suas idéias o citado trovador foi interrompido bruscamente pelo poeta Andrade Sucupira que de alto e bom som afirmou “enquanto eu viver, o CTC não morrerá. Ninguém vai acabar com o CTC”.

José Borges Ribeiro Filho comete um engano ao afirmar que Joubert de Araújo Silva encontrava-­se em Vitória há vários anos. O trovador de Cachoeiro de Itapemirim reside no Rio de Janeiro e se encontrava em vitória desde inícios de 1980.

Após esses incidentes, CIério José Borges afastou-se definitivamente da União Brasileira de Trovadores, através de uma “CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA UBT NACIONAL NO RIO DE JANEIRO”, publicada no CORREIO POPULAR, de Cariacica, número referente à semana de 11 a 23 de julho de 1981.

Inicialmente, historia as atividades do CTC, sua nomeação para delegado da UBT em Vitória (mesmo com a presença de Joubert no Espírito Santo) e a organização da UBT em solo capixaba. Depois afirma:

“O CTC continuou com suas promoções, realizando concursos internos, expedindo o informativo BEIJA-FLOR e promovendo a realização do concurso REI, PRÍNCIPE e MADRINHA dos trovadores capixabas, no qual os sócios do CTC tiveram oportunidade de votar em diversos nomes. O concurso foi lançado por esta coluna, no dia 16 de janeiro de 1981 (Nota: Clério José Borges refere-se à coluna “Trovas e Trovadores”), no CORREIO POPULAR e no dia 21 de janeiro de 1981, no JornaI TRIBUNA DO POVO, da cidade de Guarapari. No dia 30 de janeiro, nova divulgação foi feita no jornal CORREIO POPULAR, onde, inclusive, sugeríamos que Elmo Elton era um candidato nato, assim como Zedânove Tavares, Paulo Freitas e Evandro Moreira. O jornal CORREIO POPULAR, que é enviado a todos os sócios do CTC, pareceu-me o jornal ideal para o lançamento do tal concurso, posteriormente divulgado no Beija-Flor, onde colocamos, inclusive, uma cédula de votação.

O concurso foi realizado com a eleição de Elmo Elton, a minha e a de Andrade Sucupira. À exceção da minha escolha, realizada como uma homenagem ao meu modesto trabalho, considerei a eleição feita, democraticamente, bastante justa. Elmo Elton é membro da Academia Espírito-Santense de Letras e tem vários livros publicados. Paulo Freitas e Evandro Moreira, que também concorreram ao título de rei, são integrantes da Academia Espírito-Santense de Letras e possuem vários livros publicados. Como a promoção foi do CTC, entidade cultural independente, achamos tudo altamente válido.

Agora, surge um elemento estranho ao CTC a criticar o concurso, como se desejasse ter sido escolhido rei, só por ter o título do Magnífico Trovador dos Jogos Florais do Nova Friburgo. Não é bastante conhecido como trovador no Estado e nem pertence à Academia Espírito-Santense de Letras.

Está pregando a discórdia entre os trovadores capixabas e, o que é pior, o aniquilamento e a extinção do CTC. Chegou a propor-me que acabasse com o CTC, que ele incentivaria a criação de novas seções da UBT no Estado e posteriormente seria formado um conselho estadual da UBT, no qual meu nome seria indicado para presidente. Esta atitude revoltou-me e, aqui, dirijo-me a V. Sa., renunciando a quaisquer vínculos que ainda me unam à UBT”.

A seguir, reafirmando suas ligações com Eno Teodoro Wanke, ex-alto dirigente da UBT Nacional, hoje condenado pela entidade, acrescenta:

“O CTC realmente foi criado com base numa idéia de Eno Teodoro Wanke. Todavia não obedece e nem está servilmente colocado a serviço do senhor Eno Wanke. Apenas o admiramos corno escritor e, por isto, promovemos sua vinda a Vitória, onde brindou-nos com uma magnífica palestra, tendo, na oportunidade recebido, juntamente com Rodolfo Coelho Cavalcante, o título de MAGNÍFICO TROVADOR, dado pelo CTC e o título de sócio de honra da UBT de Vila Velha, conferido pela trovadora Valsema Rodrigues da Costa, numa demonstração de que nós, os capixabas, estamos acima de fofocas e intrigas (…)”.

Temos, aí, historiado a partir de documentos, o que aconteceu com a proposta de extinção do CTC, feita por Joubert de Araújo Silva.

Cremos que se está passando com o Trovismo um fenômeno que ocorre com as correntes religiosas provenientes da mesma origem ou com os partidos marxistas. Para os integrantes de quaisquer uma das primeiras, apenas os membros da sua confraria irão para o céu (ou sei lá para onde acreditem que irão), pois estão com a verdade; para os integrantes dos partidos marxistas apenas os militantes da sua organização têm capacidade de modificar o mundo, pois estão certos e os outros errados…

Esse fenômeno, na análise das idéias sociais tem um nome: Sectarismo; na análise da Literatura, chama-se Aulicismo.

No caso do movimento dos trovadores contemporâneos apenas os de determinada entidade (seja qual for) estão agindo corretamente e são os melhores.

Parece que os trovadores esqueceram-se de que seu padroeiro (São Francisco de Assis) sempre se guiou pela humildade.

Quanto aos títulos de “sócio de honra”, outorgados pela UBT de Vila Velha parece-nos que eles fogem ao que dispõe item 7, do artigo 55, do “REGIMENTO INTERNO GERAL DA UNIÃO BRASILEIRA DE TROVADORES”, publicado no jornal “TROVAS E TROVADORES”, nºs 20-21, set-out de 1967, que foi “Órgão Central da União Brasileira de Trovadores”, onde assegura que “São atribuições dos Presidentes Estaduais: (…) 7 – Propor e assinar títulos de Sócio Benemérito e Honorário, previamente aprovados pelo Conselho Estadual”.

Evidentemente, a trovadora Valsema não tem culpa se a edição daquele Regimento estiver esgotada.

1.11. BIBLIOGRAFIA

ACADEMIA CACHOEIRENSE DE LETRAS, REVISTA DA, ANO V, – Nºs 3 e4.         Cahoeiro de Itapemirirn, ES, 1967.

BORGES, CLÉRIO JOSÉ, – TROVAS E TROVADORES (Coluna). CORREIO POPULAR, Cariacica, ES, 15 a 21 de Maio do 1981.

BORGES, CLERIO JOSÉ, – O TROVISMO NO ESPÍRITO SANTO. Jornal MENSAGEM, Alegre, ES, 15 de julho de 1980.

BORGES, CLÉRIO JOSÉ, – CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA UBT NACIONAL NO RJ. CORREIO POPULAR, Cariacica, ES, 17 a 23 do julho do 1981.

BORGES, CLÉRlO JOSÉ, – RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DE CLÉRIO JOSÉ BORGES QUANDO PRESIDENTE DA UBT DE VITÓRIA DEPOIS DENOMINADA UNIÃO BRASILEIRA DE TROVADORES DE VILA VELHA, Três páginas datilografadas, s/d, s/l.

CTC, – ESTATUTOS DO CLUBE DOS TROVADORES CAPIXABAS, Um página datilografada, s/d, s/l.

JORNAIS – BEIJA-FLOR e CANELA-VERDE, de Vila Velha, ES, Diversos números dos anos de 1980 e 1981.

MOREIRA, EVANDRO – POETAS CAHOEIRENSES, COLETÂNEA ORGANIZADA E COMENTADA POR- Gráfica Pagé, Ind. E Com. Ltda., Alegre, ES, 1975..

OLIVEIRA, SOLIMAR DE – SANGRANDO MÁGOAS…, Gráfica Tupy, Rio de Janeiro, RJ, 1957.

OTÁVIO, LUIZ – CARTAS DE LUIZ OTÁVIO PAPA SOLIMAR DE OLIVEIRA. Dez cartas escritas entre 28-4-1951 e 15-2-1961. Cópia datilografada fornecida por Solimar de Oliveira. Treze folhas.

RAMIRES, A. ISAÍAS – MOVIMENTO TROVADORESCO. A GAZETA, Vitória, ES, 29 de julho de 1981.

RIBEIRO FILHO, JOSÉ BORGES – ESTE OF THE EDEN. A GAZETA, Vitória, ES, 29 de julho de 1981.

TAVARES, ZEDÂNOVE – AS NOTAS DO ENO. A GAZETA, Vitória, ES, 27 de novembro de 1980.

UNIÃO BRASILEIRA DE TROVADORES – REGIMENTO INTERNO GERAL DA UNIÃO BRASILEIRA DE TROVADORES. In Trovas e Trovadores (jornal), Ano II, Setembro-Outubro de 1967, Nºs 20-21, Rio do Janeiro, RJ.

WANKE, ENO TEODORO – A TROVA, Editora Pongetti, Rio de Janeiro, RJ, 1973.

WANKE, ENO TEODORO – O TROVISMO (História do Primeiro Movimento Poético-Literário Genuinamente Brasileiro), Companhia Brasileira de Artes Gráficas, Rio de Janeiro, RJ, 1978.

WANKE, ENO TEODORO – AS MINHAS NOTAS. A GAZETA, Vitória, ES, 20 de dezembro de 1980.

WANKE, ENO TEODORO – PALESTRA DO I SEMINÁRIO NACIONAL DA TROVA. Seis folhas datilografadas, s/d (1981), s/l (Vila Velha, ES).

WANKE, ENO TEODORO – DESPARABÉNS. A GAZETA, Vitória, ES, 18 de julho de 1980.

SEGUNDA PARTE

– ANTOLOGIA –

2.1. A. ISAÍAS RAMIRES

Alberto Isaías Ramires é capixaba de Vila Velha, onde nasceu em 8 de setembro de 1924. Um dos mais representativos trovadores do Espírito Santo. Há vários anos residente no Rio de Janeiro. Militar (Capitão Rh do Exército). Autor de diversas obras e membro de várias instituições culturais do país. Ganhador de vários concursos literários.

Quando eu morrer, por favor

coloquem na minha cova

um epitáfio de amor

escrito em forma de trova!

Da vida, pelos caminhos,

uma coisa aprendi bem:

a roseira dá espinhos,

mas nos dá rosas, também…

Por nascer pobre, o Divino

num gesto compensador,

despertou, em meu destino,

a lira de trovador…

Não entendes meu desgosto,

mas aprende esta lição:

nem sempre pomos no rosto

as mágoas do coração.

Via-a rezando, contrita,

com os olhos fitos no céu.

Quanto pecado escondido

debaixo de um fino véu!…

Falar mal da vida alheia

é coisa que não convém;

quem tem telhado de vidro

não fustiga o de ninguém…

Lá se foi a meninice,

meu barquinho do papel,

minha ingênua peraltice,

meu doce Papai Noel…

2.2.    ÁBNER DE FREITAS COUTINHO

Ábner de Freitas Coutinho, que também usa o pseudônimo de Percy Guido, é advogado e economista. Natural do Santo Antônio, Estado do Mato Grosso, onde nasceu no dia 15 de dezembro de 1926. Reside há mais de duas décadas no Espírito Santo. É professor e integra diversas instituições culturais.

Caravelas portuguesas,

mensageiras da História

foram, levando incertezas,

voltaram cheias de glórias…

Se poupança a gente encara,

logo descobre a verdade:

nossa metade mais cara

é nossa cara metade..

Meu pai, figura esquecida,

eterno semblante mudo,

o que fiz em minha vida

só a ti eu devo tudo…

Se pensar no seu irmão,

um instante, por favor,

sentirá no coração,

renascer fraterno amor!

2.3. ALYDIO C. DA SILVA

Alydio de Carvalho e Silva pertence a diversas entidades culturais do país. É natural de Santa Cruz, Espírito Santo, onde nasceu em 11 de abril de 1917. Industriário aposentado, reside há quase 30 anos, fora de seu estado natal. Além de poeta é romancista. Autor de centenas de trovas e outros poemas. Tem vários livros inéditos e participou de diversas antologias.

Vi num jornal estampado

o perigo que há no beijo.

Antes ser contaminado

do que morrer de desejo.

Quando passei pela estrada

e ouvi teu canto distante,

senti que a mágoa passada

reviveu naquele instante.

Carnaval, fraternidade

transitória e resumida,

onde se esconde a verdade

dos sofrimentos da vida.

Se passas muito apressada,

fugindo à minha atenção,

eu sinto a tua pisada

esmagar meu coração.

É doce morrer no mar…

Cayme receita a dose.

Só Cristo pra transformar

tanta salmoura em glicose.

2.4. AMAURY DE AZEVEDO

Também usando o pseudônimo de Yruama, Amaury de Azevedo, capixaba de Alegre, onde veio à luz em 1º de agosto de 1935, é comerciante e reside em Campos, no Rio de Janeiro. Mesmo afastado de sua terra natal, há mais de 27 anos, Amaury continua mantendo intercâmbio com poetas do Espírito Santo.

O capixaba não nega

O que lhe pedem com jeito.

Também não foge do pega,

Estufando logo o peito.

Quando toda a Cristandade

Vê passar mais um Natal,

Surgem novas esperanças

De uma paz universal.

2.5.    ANDRADE SUCUPIRA

José de Andrade Sucupira é sergipano de Pacatuba. Há mais de 35 anos reside no Espírito Santo, onde militou na imprensa e foi funcionário público. Hoje está aposentado e reside em Vila Velha. Desde os anos 30 faz trovas, divulgando-as pelas páginas dos vários jornais em que trabalhou. É um dos Príncipes da Trova Capixaba, escolhidos pelo CTC. Nasceu em 22 de junho de 1909.

Meu espelho mostra a cara

sem vergonha, encarquilhada,

no corpo setenta anos,

muita canseira, mais nada.

Pela tapera da vida

O homem nasce lutando.

Luta, luta, lida, lida

e morre… sempre esperando.

No Brasil, coisa mais feia,

e coisa que mais consome…

Poucos de barriga cheia

e a maioria com fome.

Esses seus olhos traquinos

e vivos, vivos de mais,

têm nossos céus nordestinos

no verde dos coqueirais.

Sempre amar. Eis a verdade

do berço de qualquer vida.

Se o amor não tem idade…

Venha aos meus braços, querida!

Saudade… doce ternura,

espinho que se bendiz,

flor que fere com doçura

e deixa a gente feliz.

2.6. ANSELMO GONÇALVES

Pertencendo a diversas entidades culturais e por sua prática em favor da trova, Anselmo Gonçalves, capixaba de Vitória, onde nasceu em 21 de abril de 1929, é um dos mais atuantes trovadores do Espírito Santo. É funcionário público estadual e colabora na imprensa de sua terra natal.

Meu coração bate, insiste,

vai sacudindo, batendo.

A tudo ele bem resiste,

mas continua doendo.

Vela branca passa ao largo

Lá fora, longe, no mar.

Sua vida, sem embargo,

morre distante do lar.

Uma vida! Nosso amor

degringolou de repente.

Caiu da planta uma flor

resta a lembrança somente!

Toda tua indiferença

não consegue me vencer.

Sou todo amor e sou crença,

sou vida, e sou bem-querer!

2.7. ANTONIO TAVARES SUCUPIRA

Nascido em Vitória, no dia 12 de outubro do 1956, Antonio Tavares Sucupira é filho do trovador Andrade Sucupira. É, no campo profissional, engenheiro civil, formado pela Universidade Federal do Espírito Santo.

Saudades dela? Talvez?

Se se pudesse voltar

Eu nasceria outra vez

Com a mesma mãe para amar.

E um certo amigo dizia

À sua cara-metade:

Já fui preso, que ironia!

Por querer a liberdade.

Seria o mundo feliz

E só haveria glória

Se todo o povo da terra

Nascesse aqui em Vitória.

2.8. ASSUMPÇÃO BOTTI

Manoel Assumpção Botti nasceu em Vitória no dia 15 de agosto do 1916. É advogado. Autor de muitos poemas e trovas.

Que não me empolgue a subida,

Que a humildade viva em mim,

Que eu suba sempre na vida

Sem me esquecer de onde vim.

Se pintor eu pintaria

A vida com duas cores:

Um pingo azul de alegria

Num fundo roxo de dores.

Quantos contrastes abriga

Minha existência bizarra:

Obrigado a ser formiga,

Eu que nasci pra ser cigarra.

Os meus tristes olhos baços

Do que sou dão a medida:

Um coração em pedaços

Num corpo quase sem vida.

2.9. CARLOS JOSÉ CARDOSO

Fluminense, Carlos José Cardoso é bancário e reside há pouco tempo em terras capixabas. Cursou Contabilidade e Filosofia, que não chegou a concluir. Nasceu em 2 de abril de 1953.

Coração, amante louco,

E que carrega em seu cerne,

De toda verdade um pouco

Que Deus, amando, concerne.

Traze-me, vento da noite,

Toda a paz que a alma precisa.

Afasta de mim o açoite

Dando-me amor por divisa.

Nem tudo na vida tende

Àquilo que nós queremos;

A vida de Deus depende,

A sorte, nós a fazemos.

Vento que passa em meu rosto

Lembra teu beijo, querida,

Traz ao meu corpo o desgosto,

Dando-me em ti nova vida.

2.10. CLÉRIO JOSÉ BORGES

Clério José Borges de Sant`Ana é capixaba de Vila Velha, onde nasceu em 15 do setembro de 1950. É funcionário público estadual e professor. Está concluindo cursos de Direito e Pedagogia. Poeta e jornalista. É a figura máxima do trovismo capixaba, nos dias de hoje, por seu dinamismo. Organizou algumas coletâneas com outros trovadores.

Que mimo, estás a meu lado

Tão próxima, tão fagueira,

Enquanto eu embaraçado

Fico mudo a noite inteira.

São luzes de certo os sonhos

cheios de graça infinita

a iluminar-nos risonhos

na escuridão da desdita.

O belo luar prateado

e as estrelas cintilantes

formam conjunto encantado

na FOLIA dos amantes.

2.11.  ELMO ELTON

Elmo Elton dos Santos Zamprogno é natural de Vitória, cidade em que vejo à luz em 15 de fevereiro de 1925. Poeta e ensaísta, é autor de diversas obras. Durante vários anos residiu no Rio do Janeiro. Recentemente retornou ao Espírito Santo e foi eleito Rei dos Trovadores Capixabas.

Conheço bem teu valor,

trilhamos igual caminho:

– Sei que te chamam de flor,

mas, nessa flor, quanto espinho!

Minha filha, não te iludas

com os beijos que te vão dar,

que os descendentes de Judas

estão em todo lugar.

Este pranto, sentimento,

deixa eu chorá-lo, tristonho,

que ele alivia, óleo bento,

a cicatriz do meu Sonho.

Anda a caçar pirilampos,

e, se consegue prendê-los,

desses insetos faz grampos

para enfeitar os cabelos.

Bate este sino, às novenas,

chamando o povo à oração:

– meu coração bate, apenas,

chamando por Conceição!

2.12. ELVIRO DE FREITAS

O médico Elviro Athayde de Freitas, nascido em Vitória no dia 21 de março de 1914, é exímio sonetista e autor de um grande número de trovas, verdadeiramente antológicas. Entre outras entidades culturais, pertence à Academia Cachoeirense de Letras.

Pede-nos, Nosso Senhor,

Que amemos os inimigos.

E eu pergunto se, a rigor,

Amamos nossos amigos…

A quem, dos moços, deplora

O tino, um lembrete eu dou:

Todos nós somos, agora,

O que um menino traçou.

Dentro da frase singela,

Uma profunda lição:

É melhor acender vela

Que xingar a escuridão.

Se nos víssemos assim

Como os outros vêem a gente

Este mundo tão ruim

Seria tão diferente…

Falam com tanta insistência

Em amor, em amizade

E, com a mesma freqüência,

Haverá sinceridade?

2.13. EVANDRO MOREIRA

Na histórica cidade de Cachoeiro de Itapemirim, o poeta Evandro Moreira nasceu. Advogado, jornalista e cronista, pertence a muitas entidades culturais do país e do exterior. É funcionário do Banco do Brasil. Sua data do nascimento: 27 de novembro de 1939. Publicou diversos livros, em prosa e verso. É um dos maiores divulgadores da literatura em terras capixabas.

Se beijo desse sapinho,

como tanto se apregoa,

sua boca, meu anjinho,

era beira de lagoa.

Quis brincar o meu destino

com meus sonhos de ilusão:

– Deu-me um rosto do menino

e de um velho o coração.

Pretendo ser nesta lida

humilde como a candeia

que, esquecendo a própria vida,

ilumina a vida alheia.

Quando sofro ingratidão,

em lamentos não demoro,

porque tenho um coração

que descanta o mal que choro.

Para quem sonha é mais leve

suportar a realidade.

O encanto de um sonho breve

disfarça a rude verdade.

Perdi-me na curva infinda

deste mundo de meu Deus,

por partir sem ter ainda

toda a luz dos olhos teus.

A saudade mais dorida

somente a pode explicar

quem espera, toda vida,

a quem não pode voltar.

As margens do rio são

sinuosas como o veio…

por isso é que minha mão

tem a forma de teu selo.

Não maldigas todo o mundo

por uma pena sofrida.

– O sofrimento profundo nos

faz entender a vida.

Por ironia ou maldade,

por outras coisas sutis,

quem busca felicidade,

é quase sempre infeliz.

2.14.  J. CABRAL SOBRINHO

O poeta José Cabral Sobrinho nasceu em Afonso CIáudio, Espírito Santo, em 30 de março de 1935. Há mais de 20 anos vive longe de sua terra natal, mas não perdeu o contato com a literatura espírito-santense. Trovador atuante e hábil sonetista. É militar da ativa do Exército Brasileiro.

Nesses sertões sofredores,

onde a seca se renova,

com a Fé dos sonhadores

cultivo safras do trovas.

Voando por entre as flores,

o beija-flor, todo dia,

numa profusão de cores,

é um exemplo de harmonia.

– Se o colega me permite

que um conselho seja dado,

é sempre bom que se evite

a trova de pé-quebrado.

Não há quem não fique roxo

de agonia, na parada,

ao ver um soldado coxo

marchando em cadência errada.

2.15. JOÃO MOTTA

João Motta nasceu em Cachoeiro de Itapemirim em 1881. Foi apenas jornalista e poeta, sendo que a maioria de suas produções literárias foram perdidas. Informa Evandro Moreira que, no ano do 1966, o jornalista Trófanes Ramos reuniu o que pode da vasta produção do poeta no livro “Poesias do João Motta”. Foi um poeta marcado pelos ideais libertários, tanto que o jornal “O Cachoeirense”, por ele dirigido, foi empastelado em 1906. Faleceu no dia 14 de fevereiro de 1914.

Aos sons da meiga cantiga,

folgava, sonhava e ria…

Muitas vezes, boa amiga,

chorando mesmo, sorria…

Sonhos do amor ela teve,

eu creio… também passaram,

ligeiros, e, nem de leve,

um rastro sequer deixaram…

No céu de sua existência

nenhuma nuvem tristonha…

Havia em toda a esplendência,

ridente manhã risonha…

Que te importa que desabe

o mundo? A vida seguindo,

padeces rindo! E, quem sabe?

Talvez que morras sorrindo..

Ide, sonhos de venturas,

saudosos, idos amores,

quero esposar as torturas,

dormir nos braços das dores.

Andei em plagas formosas,

vivi em mundos diversos,

singrando mares de rosas,

em barcos feitos de versos…

Ide, meus sonhos dispersos,

presos às asas dos anos;

deixai-me só com meus versos,

unido aos meus desenganos!

2.16. JOSÉ DE ANDRADE SUCUPIRA FILHO

Nascido em 9 de março de 1954, na Capital do Espírito Santo, José de Andrade Sucupira Filho é analista químico e concluiu diversos cursos técnicos.

Se a vida fosse sem lutas,

sem vitória. Só prazer.

Sem empecilhos. Escuta:

Teria razão viver?

Querendo saber a causa

do acidente de avião

teve a resposta sem pausa:

Esbarramos na inflação.

Pestes, fomes, mendicâncias,

não haveria, nem guerra,

se em todas as circunstâncias

dominasse o amor na terra.

Assombrou sábios nos templos

(Quanta maldade ao seu lado),

pregou o amor, deu exemplos,

depois foi crucificado.

2.17. JOUBERT DE ARAÚJO SILVA

Um dos mais conhecidos trovadores do Espírito Santo, Joubert reside há vários anos no Rio do Janeiro, onde faz parte da alta direção da União Brasileira de Trovadores. É um dos trovadores brasileiros mais premiados em concursos de trovas e jogos florais. Nasceu em Cachoeiro de Itapemirim no dia 29 de novembro de 1915 e tem prontos para publicação dois livros do trovas.

Ela não anda, flutua…

mas com tanta e tanta graça,

que até os postes da rua

se inclinam, quando ela passa!

Enganam-se os ditadores,

que, no seu furor medonho,

mandam matar sonhadores,

pensando matar o sonho

Muita gente que eu não gabo

lembra a pipa colorida:

– quanto mais comprido o rabo

mais alto sobe na vida!…

Aquela aranha paciente,

que tece despercebida,

lembra o destino da gente

e as armadilhas, da vida!

Minha alma lembra um menino

pobrezinho e de ar tristonho,

que estende a mão ao Destino,

pedindo a esmola de um sonho!

Ela se foi… E esta espera,

pouco a pouco, transformou

o moço feliz que eu era,

no poeta infeliz que eu sou!

Sejam “brotos” ou “coroas”

– Isto dispensa argumentos –

São sempre as mulheres “boas”

que inspiram “maus” pensamentos…

Pra botar fogo na gente

É assim que a mulata faz:

em cima estufa pra frente;

em baixo estufa pra trás!

Linda viuvinha, a Anacleta

nos deixa de vistas turvas..

Não pode ter vista reta

a dona daquelas curvas…

O segredo que o Biscalho

soube da esposa travessa

deu, por fim, “aquele galho”

que não lhe sai da cabeça…

“Só com o Zé se casaria…”

Jurou, e foi verdadeira:

Já tem três filhos Maria,

e continua solteira!..

2.18. LUIZ CARLOS BRAGA RIBEIRO

Luiz Carlos Braga Ribeiro firma-se entre os trovadores mais atuantes das terras capixabas. Nasceu em Vila Velha, no dia 11 de agosto de 1951. Tem curso de tecnologia mecânica superior pela Universidade Federal do Espírito Santo.

Com bondade e muito amor

Ele a todos satisfaz…

Chico Xavier com louvor

Merece o Nobel da Paz.

Esta criatura tão doce

Minha mulher, minha amante,

Jamais pensei que ela fosse

De um amor tão abundante.

2.19.  LUIZ SIMÕES JESUS

Autor de livros em prosa e verso, Luiz Simões Jesus, nasceu em Guarapari, no Espírito Santo, e reside no Rio de Janeiro. É advogado e professor, pertencendo a diversas entidades culturais do país.

Tirem-me tudo na vida,

Até do sol o calor,

Mas estarei sem guarida,

Se ficar sem teu amor.

Vi morrer a pobre flor,

Entre espinhos, sufocada.

No jardim do nosso amor,

Que vejo? Espinhos, mais nada.

De um amor tive lembrança

E de outro lembranças tive:

Um – o amor que não se alcança,

Outro – o amor que não se vive.

O frescor em ti impera,

Eu padeço um frio eterno:

Tu vives na primavera,

Eu morro no meu inverno.

2.20. MARCOS TAVARES

Marcos Tavares nasceu em 16 de janeiro de 1957. Estudante de Matemática e Estatística, na Universidade Federal do Espírito Santo. É um dos trovadores revelados pelo CTC.

HOMENINO

Não sou dado a milícias,

nem milito em partidos.

Sou menino sem malícias,

e igual homem, repartido.

NATAL

É Natal e sou tão pobre:

Não possuo nova veste.

Mas feliz, pois não me cobre

a pele nenhuma peste.

2.21. NEALDO ZAIDAN

Pernambucano de Caruaru, Nealdo Zaidan, que usa o pseudônimo de Matuto, reside no Espírito Santo desde 1973. Técnico em Contabilidade, é um dos mais dinâmicos trovadores do Estado capixaba. Nasceu no dia 25 de fevereiro de 1939.

Não falo por picardia

Mas é verdade no duro.

Mulher e fotografia

Só se revelam no escuro.

Seu batom é de carminho,

Tire o seu rosto do meu.

Se manchar meu colarinho…

Chego em casa: apanho eu.

2.22. PAULO FREITAS

Paulo Athayde de Freitas é o nome desse consagrado poeta e trovador capixaba. Nasceu em Rio Novo, Espírito Santo, no dia 28 de janeiro de 1902. Pertence, entre outras entidades culturais, à Academia Espírito-Santense de Letras. É uma das figuras mais representativas da Magistratura de seu Estado.

Vejo a imagem de Maria

nas luzes da Catedral,

tendo Jesus entre os braços

numa noite de Natal.

Vejo a imagem de Maria

envolta num lindo véu,

numa divina alegria

por entre os anjos do céu.

Vejo a imagem de Maria

na luminosa manhã

inspirando a poesia

nas plagas de Canaã.

Vejo a imagem de Maria

no templo, no céu, nos mares,

ouvindo suave harmonia:

– voz dos anjos nos altares.

Na brancura do luar,

na Prece, na Poesia,

na linda Estrela do Mar,

vejo a imagem de Maria.

2.23. ROOSEVELT DA SILVEIRA

Capixaba de Alegre, Roosevelt Flávio da Silveira, é funcion6rio do Banco do Brasil, residindo em Guaçuí, em seu estado natal. Formado em Direito, não exerce a advocacia. Pertence a diversas entidades culturais. Nasceu em 5 de setembro de 1947.

Muitas amizades temos

que não traduzem verdades!

A verdadeira só vemos

em nossas dificuldades.

Se os povos querem que a paz

reine sempre em toda a terra,

por que é que cada vez mais

fabricam armas de guerra?

A mulher quer igualdade,

que diz ser direito seu,

mas é escrava da idade:

não fala quando nasceu.

Um casebre num recanto,

um casal… felicidade.

Para que maior encanto

que amor e tranqüilidade?

A cobra, em bote certeiro,

mostra as presas, de repente…

Um amigo interesseiro

também age assim com a genie.

Em nossa terra é assim:

um homem só é lembrado

depois de chegar ao fim,

quando estiver enterrado.

2.24. SILVANO THOMES

Silvano César Thomes nasceu no dia 24 de agosto de 1964, em Cariacica, Espírito Santo. Reside em Vila Velha. É estudante, tendo sido revelado para a trova com o CTC.

Adeus, escola querida,

eu digo com muito amor;

nesta hora de despedida

enalteço o Seu valor.

Vitória, és um encanto

e cidade de esplendor!

Presépio maravilhoso

que eu amo com muito ardor!

2.25. SOLIMAR DE OLIVEIRA

Mineiro de Juiz de Fora e filho de poeta, Solimar Braga de Oliveira, nasceu no dia 5 de agosto de 1913. Desde menino reside no Espírito Santo. Pertence a diversas entidades culturais do país. É um dos melhores trovadores e sonetistas do Espírito Santo. Jornalista e funcionário público. Há muitos anos vem divulgando a trova no Estado em que reside. Sua produção literária é vasta e valiosa.

Anda a honra tão sem jeito,

neste mundo camuflada,

que, agora, qualquer sujeito

a exibe como fachada!

As pessoas geralmente

deixam seu rastro no chão;

– o teu rastro unicamente

ficou no meu coração…

Na velhice a gente vela,

talvez pensando, acordado:

– a vida não era aquela

que eu esbanjei no passado…

As redondilhas que amamos,

e têm realce e frescor,

são sempre aquelas que armamos

com o cimento do amor…

Chegando ao fim da jornada,

sem passado e sem futuro,

no presente encontro o nada

porque nada mais procuro…

A verdade seja dita

numa trova sem valor:

– em cada mulher bonita

se encontra um verso de amor.

Conhecerás pelos frutos

as plantas, boas ou más:

– vê que os homens dissolutos

não darão frutos de paz…

Meu destino nesta vida

há de sempre ser assim:

– sempre a lembrar-te, querida,

sempre a fugires de mim…

Na vida, oceano inclemente,

de engano e tantos escolhos,

navega a infância inocente

tendo a esperança nos olhos.

Cultiva, amigo, a bondade,

E algum dia entenderás

que a maior felicidade

está no bem que se faz…

Tudo ilude, tudo mente,

na vida cheia de escolhos:

muita gente há descontente

com um sorriso nos olhos…

Eu levo a vida cismando

no tempo todo perdido

do tempo em que andei sonhando

um tempo nunca vivido.

Uma verdade parece

muita gente definir:

– quem muito sobe se esquece

que também pode cair…

Tenho o coração magoado,

não que me julgue infeliz,

mas por nunca ter amado

como devia e não quis…

2.26. VALSEMA RODRIGUES DA COSTA

Nascida em Sacramento, Minas Gerais, no dia 5 de novembro de 1943, Valsema Rodrigues da Costa é professora, especialista em musicaterapia. Reside em Vila Velha e tem desenvolvido trabalhos de divulgação e prática da trova entre estudantes daquela cidade. Tem duas filhas pequenas que já fazem trovas.

Minha vida, nossa vida…

oh, meu Deus! que confusão!

Todo mundo na cabeça,

só você no coração!

O mundo está sempre em guerra,

mas todos querem a paz.

Se a vida faz nossa terra,

a morte… o que ela faz?

2.27. VICENTE VASCONCELOS

Nascido em Campos, Rio de Janeiro, no dia 29 de maio de 1905, o poeta e trovador Vicente Vasconcelos, que também usa o pseudônimo De Vivas, reside há muito tempo no Espírito Santo, onde publicou diversos trabalhos em prosa e verso. Magistrado, foi desde Promotor de Justiça até Presidente do Tribunal de Justiça do Estado.

Mandam princípios gerais,

para grandes e pequenos:

– dar menos a quem tem mais

e dar mais a quem tem menos.

Para haver bom julgamento

boa regra sempre ouvi:

agir com discernimento,

julgar os outros por si…

Proclama o “mandão” sisudo

que é preciso economia,

mas sobe o preço de tudo

e não cessa a mordomia…

Não há quem não tenha errado,

pois o erro em todos medra:

– quem se julgar sem pecado

atire a primeira pedra.

O homem manda em todo mundo,

em quase tudo que quer,

mas, na verdade, no fundo,

quem manda mesmo é mulher.

É preciso distinguir

da palavra o seu sentido:

– para não se confundir

um cúpido com cupido.

2.28 ZEDÂNOVE TAVARES

Zedânove Tavares Sucupira nasceu em Vila Velha, no dia 11 de outubro de 1948. É funcionário do Banco do Brasil. Presidiu a UBT de Vitória, há vários anos. É autor do três centenas de poemas.

O besouro, na vidraça,

pulula, esbate-se, lida,

tal qual o homem na desgraça,

nessa muralha da vida.

Ao ver na novela, enfim,

o “cara” e a empregada – a sós –

a Maria olhou pra mim,

e minha mulher… pra nós!?…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *