2015 - Janeiro. Clério José Borges sendo entrevistado pela TV em Manaus Amazonas. Repórter Marcos Paulo e Cinegrafista Francisco Chagas.

ACADEMIA DE LETRAS, CIÊNCIAS E ARTES DO AMAZONAS – ALCEAR – CLÉRIO JOSÉ BORGES VISITA MANAUS, AMAZONAS EM JANEIRO DE 2015

Cidades Travel Viagens e Passeios
2015 - Janeiro. Clério José Borges sendo entrevistado pela TV em Manaus Amazonas. Repórter Marcos Paulo e Cinegrafista Francisco Chagas.
2015 – Janeiro. Clério José Borges sendo entrevistado pela TV em Manaus Amazonas. Repórter Marcos Paulo e Cinegrafista Francisco Chagas.

ASSOCIAÇÃO DOS ESCRITORES DO AMAZONAS

SÓCIO INTERESTADUAL DA ASSEAM

1996 – Em 22 de Julho de 1996 Clério é admitido, por indicação do Dr. José Paulo de Souza Filho, como Sócio Interestadual da Associação dos Escritores do Amazonas, ASSEAM, da Cidade de Manaus, no Estado do Amazonas, recebendo a Carteira de Sócio nº 58, assinada pelo Presidente Gaitano Laertes Pereira Antonaccio.

CLÉRIO JOSÉ BORGES E GAITANO ANTONACCIO
CLÉRIO JOSÉ BORGES E GAITANO ANTONACCIO

Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas – ALCEAR
Clério José Borges, Acadêmico Correspondente da ALCEAR

CLÉRIO VISITA MANAUS NO ESTADO DO AMAZONAS JANEIRO DE 2015 – XX ANIVERSÁRIO DA ASSEAM(ASSOCIAÇÃO DOS ESCRITORES DO AMAZONAS)

2015 – No dia 31 de janeiro de 2015, o Escritor Poeta e Trovador, Comendador Clério José Borges de Sant Anna, sua esposa Zenaide Emília Thomes Borges e a Acadêmica Escritora, Poeta, Ângela Lino de Jesus Veríssimo participaram na cidade de Manaus no Estado do Amazonas dos festejos Comemorativos ao 20º Aniversário da ASSEAM – Associação dos Escritores do Amazonas, presidida por Dr. Gaitano Antonaccio.

A Solenidade teve como Mestre de Cerimônias o Presidente da Academia de Letras e Artes do Amazonas Escritor Raimundo Colares Ribeiro e foi realizada no monumento histórico do Amazonas, a sede do Ideal Clube, fundado em 1903. Nesta festa de 20 anos da ASSEAM se resgata uma fase da História do Amazonas em que tudo era requinte, luxo e beleza com a exportação da borracha para o mundo. Compareceram na solenidade destacadas figuras do mundo social, político, cultural, empresarial e profissional, como o Vice-Almirante Domingos Sávio. 

Clério foi homenageado pela ASSEAM, recebendo o I PRÊMIO GRANDES NOMES DA CULTURA CONTEMPORÂNEA. REGISTROS E PASSEIOS: Peixes que comemos: sardinha ticada, tucunaré e tambaqui assado na brasa. Tudo! Ah! Acompanhado de baião de dois, farofa, vinagrete, farinha Uarini, farofa de manteiga. Passeio na Ponte sobre o Rio Negro. À caminho de PONTA NEGRA, ao som dos poemas FLORES E ESPINHOS do Acadêmico, poeta e Escritor de Manaus: URIAS SÉRGIO DE FREITAS. Passeando pelo centro de Manaus. Teatro, praça, Igreja de São Sebastião. Passeio nos Igarapés.

No Porto de Manaus, o destaque para o primeiro edifício pré-moldado construído no Brasil. Outro destaque: um Barco da Justiça flutuante estava ancorado no Porto de Manaus. No Porto numa parede os níveis de inundação do Rio Negro ao longo dos anos. Um almoço especial aconteceu na CONFRARIA DO GERI, após visita à Praia de Ponta Negra.

Passeio agendado e com Guia para ver o Encontro das águas do Rio Negro e Solimões. No barco foi servido um maravilhoso bolinho de Pirarucu com suco de Taperebá. (Suco de Cajá). Destaque para os Postos de Gasolina flutuantes. Cerca de 70 mil barcos cadastrados circulam no Rio Negro que banha a cidade de Manaus. Em Dezenas de municípios do Estado do Amazonas só se chega de Barcos.

Recepção especial da Delegação capixaba por parte do renomado advogado, contador e escritor Gaitano Laertes Pereira Antonaccio. Esteve presente no Aeroporto para receber a Delegação Capixaba. No hotel ao chegarmos em cada quarto um lindo presente (mimo) com bombons e biscoitos. Durante a solenidade cobertura da TV AMAZONAS, afiliada da Rede Globo de Televisão. Clério José Borges foi entrevistado pelo Repórter Marcos Paulo e Cinegrafista Francisco Chagas em Manaus.

Texto do Dr. Gaitano Antonaccio, Presidente da ASSEAM: CLÉRIO FOI MAGNÍFICO POR OCASIÃO DO RECEBIMENTO DE SUA MERECIDA HOMENAGEM. Discursou com brilhantismo, enfatizou a importância da educação no Brasil, criticou governantes que não dão a devida importância ao setor. Fez homenagens a intelectuais amazonenses, e teve uma participação inesquecível na festa de 20 anos da ASSEAM – Associação dos Escritores do Amazonas. Sempre ao lado de sua esposa Zenaide, Clério foi atencioso com todos que o abordaram para entrevistas e deu o seu recado de mestre trovador, poeta, historiador, cineasta e grande intelectual brasileiro. Mais uma vez, parabéns ao Clério, Zenaide e sua acompanhante na comitiva de Espírito Santo, a simpática acadêmica e cronista Angela Lino de Jesus Veríssimo.

Também fazendo parte da comitiva de visitantes na Festa de 20 anos da ASSEAM tivemos a presença do empresário de São Paulo, intelectual e amigo ADEL AUADA e esposa MARIA IRMA, que abrilhantaram o evento. Ele foi merecidamente homenageado pela ASSEAM, recebendo juntamente com Clério Borges e mais 8 intelectuais, o I PRÊMIO GRANDES NOMES DA CULTURA CONTEMPORÂNEA. Adel é hoje um nome conhecido no mundo cultural, vice-presidente da Câmara Árabe-Brasileira em SP, e no turismo nacional já ocupou os mais destacados cargos na iniciativa privada. Mereceu a comenda.

Clério José Borges é Acadêmico Correspondente da ALCEAR
Clério José Borges é Acadêmico Correspondente da ALCEAR
Em solenidade realizada na cidade de Manaus, capital do Estado do Amazonas, no dia 5 de setembro de 2003 – em comemoração aos 153 anos da elevação da antiga Comarca do Alto Amazonas à categoria de Província do Império do Brasil, por decisão de D. Pedro II – foi criada a Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas (Alcear). Esta nova Academia pretende resguardar e manter o brilho das Letras, que jamais se poderá apagar; a verdade das Ciências, que identifica soluções para as indagações e angústias da Humanidade; e a beleza das Artes, eternizada desde o momento da Criação, quando Deus ordenou: Faça-se a Luz! É nessa tríade universal que a inteligência, a criatividade e o conhecimento do Homem se fazem imortais.
A Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas – ALCEAR nasceu do idealismo de pessoas reconhecidamente atuantes nos mais diversos setores da vida pública, desde o magistério à magistratura; do jornalismo à medicina; da história às letras e às artes, em suas mais variadas formas de expressão. São homens e mulheres marcantes na sociedade amazonense por suas atitudes exemplares, sempre em busca do aperfeiçoamento pessoal, intelectual e profissional.


Conceito de Academia
O que vem a ser uma Academia?

Um Sacrário de sabedoria?
Um Templo de doutrinadores a espalhar as orações que pregam a religiosidade do conhecimento? Um Ateneu agasalhando mentes iluminadas que resplandecem sabedoria? Uma Academia se quiserdes será um Sacrário, um Templo e um Ateneu onde a Inteligência, o Conhecimento e a Criatividade deverão ser permanentemente cultivados.

As origens das Academias
O exemplo está na Antiguidade. A primeira de todas as Academias foi criada pelo filósofo Platão, por volta do ano 395 a.C. Era apenas uma espécie de corporação de caráter religioso, com finalidade cultural bem definida. A administração dessa Academia era exercida pelo escola, e os mestres eram escolhidos entre os sócios frequentadores mais idôneos. Havia um patrimônio que assegurava as atividades e a existência da entidade. Durante nove séculos de funcionamento, a Academia de Platão passou por transformações e influências das mais diversas escolas literárias e movimentos culturais da Humanidade, até ser extinta pelo Imperador Justiniano, no ano 529 d.C.


Os fundamentos da Alcear
O Amazonas apresenta nas últimas décadas elevados índices de crescimento intelectual. A rede de ensino fundamental e médio experimenta índices de crescimento muito elevados e renova-se a cada dia, em busca da melhoria dos padrões de qualidade do ensino. A educação de grau superior desenvolve-se em níveis que superam as previsões dos especialistas. Concentram-se hoje na cidade de Manaus duas universidades públicas, quatro centros universitários e dezenas de instituições particulares de ensino acadêmico onde se formam anualmente centenas de novos profissionais de nível superior.
Torna-se evidente, a cada dia, a necessidade de se intensificar o debate sobre a realidade econômico-social do Amazonas e as suas perspectivas de desenvolvimento, com a ampla participação dos diversos segmentos da sociedade. É diante desse cenário que se legitima a criação da Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas – Alcear, uma instituição cultural moderna, aberta a todas as correntes de pensamento, consciente da posição que lhe cabe assumir diante dos grandes questionamentos do Amazonas do Século 21.O exemplo dos Acadêmicos
Acadêmico é o poeta que transmite sentimentos e provoca no leitor o desejo de ser também poeta. Acadêmicos são os prosadores, os cronistas, os contistas, os historiadores, os educadores, os cientistas, os jornalistas que conseguem apaixonar os leitores, transmitindo uma longa e duradoura felicidade espiritual aos que se aprofundam na leitura de suas obras. Ser acadêmico é ingressar também nas artes plásticas, na escultura, na pintura, e demais manifestações artísticas, com o espírito fartado pelo ideal de ampliar e difundir a beleza. Ser acadêmico é abraçar a Ciência, no afã de perseguir a verdade de forma incansável e desprendida, criando axiomas necessários ao conhecimento científico, embora todos saibamos que a perfeição é inatingível ao Homem e só a Deus pertence.


Os Acadêmicos Fundadores
Declinamos os nomes dos empreendedores do conhecimento, do ensino, do amor, do bem servir, para que os seus nomes não fiquem perdidos nas brumas do passado: Abrahim Sena Baze, Afrânio de Amorim Francisco Soares, Armando Júlio Souto Loureiro, Chloé Ferreira Souto Loureiro, Etelvina Norma Garcia, Eurípedes Ferreira Lins, Expedito Teodoro, Francisco Ferreira Batista, Francisco Ritta Bernardino, Gaitano Laertes Pereira Antonaccio, Garcitylzo do Lago Silva, Guilherme Aluízio de Oliveira Silva, Jorge Humberto Barreto, José Roberto Tadros, José Russo, Liana Belém Pereira Mendonça de Souza, Maria Palmira Soriano de Mello Antonaccio, Mario Jorge Corrêa, Marita Socorro Monteiro, Manoel Bessa Filho, Mário Ypiranga Monteiro Neto, Milton de Magalhães Cordeiro, Orígenes Angelitino Martins, Raimundo Colares Ribeiro, Rene Costa Menezes de Souza, Ruth Prestes Gonçalves, Ruy Alberto Costa Lins, Urias Sérgio de Freitas.


Os Patronos
As quarenta cadeiras da Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas – ALCEAR, tem como patronos, pela sua ordem numérica, as seguintes personalidades, todos com os seus nomes registrados na história do Amazonas: Padre Raimundo Nonato Pinheiro Filho, Genesino Braga, Violeta Branca Menescal de Vasconcelos Oliveira, Paulo Herban Maciel Jacob, Samuel Isaac Benchimol, Gaspar Antonio Vieira Guimarães, Agnello Bittencourt, Adriano Queiroz, João Nogueira da Mata, Arthur Cezar Ferreira Reis, Thales de Menezes Loureiro, Vivaldo Palma Lima, Antônio Gonçalves Pereira de Sá Peixoto, Carlos Alberto de Aguiar Corrêa, Manoel Bessa Filho, Felismino Francisco Soares, Manoel Bastos Lira, Djalma da Cunha Batista, Mário Silvio Cordeiro de Verçosa, Jorge de Moraes, Álvaro Botelho Maia, Umberto Calderaro Filho, Mário Jorge Couto Lopes, Octaviano Augusto Soriano de Mello, Manoel Anísio Jobim, Cosme Ferreira Filho, André Vidal de Araújo, João Chrysostomo de Oliveira, Aderson Andrade de Menezes, Plácido Serrano Pinto de Andrade, Esther Thaumaturgo Soriano de Mello, Nilton Costa Lins, Lilá Borges de Sá, Eunice Serrano Telles de Souza, Aristides Rocha, Aristóphano Antony, Josué Cláudio de Souza, Sócrates Bomfim, Plínio Ramos Coelho e Almino Álvares Affonso.


Primeira Diretoria
A primeira diretoria da Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas, eleita para o biênio 2003/2004 ficou assim constituída:

Presidente – Ruy Alberto Costa Lins
1.º Vice-Presidente – José Russo
2.º Vice-Presidente – Liana Belém Pereira Mendonça de Souza
Secretário Geral – Gaitano Laertes Pereira Antonaccio
Secretário Adjunto – Etelvina Norma Garcia
Diretores
de Finanças – Raimundo Colares Ribeiro
de Finanças Adjunto – Urias Sérgio de Freitas
de Edições – Milton de Magalhães Cordeiro
de Relações Públicas – Manoel Bessa Filho
de Política Cultural e Eventos – Garcitylzo do Lago Silva
de Patrimônio – Chloé Ferreira Souto Loureiro
da Biblioteca – Ruth Prestes Gonçalves
de Assuntos Jurídicos – Mário Ypiranga Monteiro Neto


Palavras Finais
A sublimidade que acabamos de presenciar é claramente identificada na harmonia representada pela bênção de Deus e na aprovação da sociedade amazonense. Melhores e benfazejos augúrios não poderiam ser esperados pela Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas, no momento histórico da sua fundação e instalação.
É meu dever, portanto, antes de qualquer outra abordagem, com os aplausos de todos, declará-la instalada. Sim, solenemente instalada nesta antiga vila de Nossa Senhora da Conceição da Barra do Rio Negro, na mesma data de grande significação histórica para o nosso grandioso e fecundo Estado do Amazonas. Sem esquecer, é claro, da posse dos seus primeiros sócios efetivos fundador, legítimo expoente da cultura amazonense em suas respectivas áreas.
Estou convencido de que, quando estiver sendo louvado o centenário da ALCEAR, no início do século XXII, os modernos registros de som, imagem e das palavras escritas hoje existentes vão permitir reconhecer os méritos desta inacreditável façanha e da sua gigantesca trajetória.
Todos nós sentimos que Manaus assumiu definitivamente, desde o raiar do século XXI, autêntica condição de metrópole amazônica. Sob quaisquer aspectos que se queiram examinar os predicados de Manaus, os resultados indicam:
Não somos mais aquela cidade romântica quando da criação da província do Amazonas em meados do século XIX;
Não somos mais a cidade agitada dos grandes negócios e maiores desperdícios do ciclo da borracha dos primeiros anos do século XX;
Não somos mais a cidade estagnada e preguiçosa depois da aventura gomífera de meados do século XX;
Somos agora, isto sim, a metrópole, como tal consolidada durante o último quartel do século passado para sair, faceira, grandiosa, privilegiada, da sua imensa fogueira de frustrações e sucessos, da sua monumental floresta de decepções e contentamentos, privilegiada, grandiosa e faceira na direção da sua grande e venturosa destinação histórica.
Eu agradeço a deferência dos meus ilustres pares, só explicável pela sua generosidade, concedendo-me a presidência desta Academia, que veio, entendo eu, com o propósito único e exclusivo de somar e engrandecer o patrimônio cultural do nosso Estado.
O orador oficial desta solenidade acadêmico Gaitano Laertes Pereira Antonaccio, em verdade, o mentor desta incrível iniciativa hoje concretizada, já transmitiu a todos nós os grandes objetivos permanentes da Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas e dos seus fundadores, os acadêmicos ora empossados.
Agradeço penhoradamente a presença de todas as pessoas que compõem esta ilustre e simpática platéia. Está encerrada a presente sessão solene.


Sede Provisória: Espaço Cultural Francisco Antonaccio
Rua Monsenhor Coutinho n.º 527 – Centro – CEP 69010-110
Tel/Fax (92) 622-5285 CNPJ nº 05.907.603/0001-95
www.portalamazonia.com/alcear
Manaus -Amazonas
2015 – Janeiro. Clério José Borges sendo entrevistado pela TV em Manaus Amazonas. Repórter Marcos Paulo e Cinegrafista Francisco Chagas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *