CTC – Clube dos Poetas Trovadores Capixabas

Clube dos Trovadores Capixabas CTC CTC Clube dos Trovadores Capixabas Diretoria - Atas - Reuniões - Eventos Neotrovismo Trovas e Trovadores

FUNDAÇÃO DO CTC – CLUBE DOS TROVADORES CAPIXABAS

1980 – Clério José Borges foi fundador e Presidente do CLUBE DOS TROVADORES CAPIXABAS – CTC, entidade cultural sem fins lucrativos de divulgação da Poesia e da Trova. Fundado a 1º de julho de 1980, no Espírito Santo o CTC foi uma entidade cultural atuante, tendo realizado um total de 20 Seminários Nacionais da Trova no Espírito Santo e, depois do ano 2000, um total de mais de 12 Congressos Brasileiros de Poetas Trovadores reunindo Trovadores do Brasil. Portugal e Argentina. A Diretoria do CTC já organizou e realizou Congressos de Trovadores em Salvador, São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro e inclusive na Ilha de Paquetá. O Clube dos Trovadores Capixabas, CTC era uma entidade cultural sem fins lucrativos de divulgação da Trova e da Poesia em Geral. Em Assembleia Geral Extraordinária realizada no sábado, dia 18 de novembro de 2017 o CTC foi extinto e passou a ter uma nova denominação de ACLAPTCTC, Academia Capixaba de Letras e Artes de Poetas Trovadores. Clério José Borges é o atual Presidente da ACLAPTCTC.

HISTÓRIA DO ANTIGO CTC: O CTC foi fundado por Clério José Borges, Trovador Capixaba, com base numa ideia do escritor Eno Theodoro Wanke, a 1º de julho de 1980, na cidade de Vila Velha, estado do Espírito Santo. Para comemorar o aniversário do CTC, foram organizados anualmente os SEMINÁRIOS NACIONAIS DA TROVA. O Movimento Trovista, que havia sido expressivo no Espírito Santo de 1967 a 1970, voltou a ser reativado no Espírito Santo em 1980. O Movimento Trovista voltou a ser reativado no Espírito Santo em 1980. Clério José Borges era estudante Universitário do Curso de Pedagogia na Universidade Federal do Espírito Santo – UFES. Coube-lhe fazer um trabalho sobre Trovadorismo Medieval. O Trabalho era em grupo e foi apresentado posteriormente por Clério em Sala de Aula, na Universidade. Para fazer seu trabalho, Clério recorreu a Biblioteca da Universidade do Espírito Santo e topou, por acaso, com o livro “O Trovismo”. Resolveu consultá-lo e observando que Eno Teodoro Wanke havia omitido as promoções da UBT de Vitória e Vila Velha, inclusive o Concurso de Trovas tema Pelé, escreveu para o autor do livro ocasião em que lhe pergunta como fazer para renovar o Trovismo localmente. Wanke desculpou-se da omissão, pois, em suas pesquisas, não tinha podido contar com os dados finais da UBT do Rio de Janeiro, já que a UBT o considerava, por motivos de ter se desentendido com Luiz Otávio, como “persona non grata”. No entanto, é preciso reconhecer que é a obra de Eno Teodoro Wanke — e só ela, já que até o momento ainda não apareceu nada tão profundo e detalhado como ela sobre o Trovismo — que preservará para o futuro toda a história do trabalho de Luiz Otávio. Paulo Rónai chamou Wanke o “historiador e o teórico” do movimento. São coisas da literatura pátria… Quanto à indagação de Clério, e tendo em mente o então Clube dos Trovadores do Vale do Paraíba, sob a presidência de Francisco Fortes, respondeu: “Funde um Clube! ”.

FUNDAÇÃO

Foi o que Clério fez, fundando a 1º de julho de 1980 o Clube dos Trovadores Capixabas (CTC). Para fundar a entidade, Clério não se fez de rogado. Convidou dois primos que apreciam poesias e entre um bate-papo e outro, fundou o CTC, organizando na hora um Estatuto e formando uma Diretoria. Clério Presidente; Luiz Carlos Braga Ribeiro como Secretário e José Borges Ribeiro Filho como Tesoureiro. De imediato Clério teve a feliz iniciativa de lançar um Concurso a nível Nacional lançando o Concurso com os temas, Vitória, Anchieta e Capixaba. O Concurso foi então divulgado em vários Jornais do Brasil e diversos Trovadores do Espírito Santo e do Brasil foram participando do Concurso e, se filiando ao Clube. Segundo Eno Teodoro Wanke em publicação sobre a fundação do CTC, parece, contudo, que o grande segredo do sucesso do CTC foi a constância. Clério mantinha uma constância, remetendo regulamento do Concurso para todos os endereços de Trovadores aos quais tinha acesso. Mandando Cartas e espalhando o nome do CTC no Brasil e Exterior. Com a divulgação na Imprensa Nacional do Concurso temas Vitória, Anchieta e Capixaba, Trovadores do Espírito Santo e do Brasil foram se filiando ao Clube. Logo uma nova Diretoria foi formada criando-se e preenchendo-se novos cargos. Logo foi criado um Jornal Mimeografado denominado Beija Flor, divulgando Trovas e Trovadores do Espírito Santo e do Brasil. São feitos inicialmente trezentos exemplares, remetidos pelo Correios para trovadores, cujos endereços eram fornecidos por Eno Teodoro Wanke e recolhidos por Clério, de livros, principalmente os livros de Antologia feitos por Aparício Fernandes de Oliveira que sempre traziam uma bibliografia dos Trovadores, com endereço no final. O imediato lançamento de um Concurso de Trovas a nível Nacional com os Temas Vitória, Anchieta, Capixaba, parece também ter sido a razão maior da divulgação e do sucesso do Clube dos Trovadores Capixabas. Segundo o Jornal “O Nacional”, de Passo Fundo – RS, de 30 de julho de 1980: “O Concurso receberá Trovas até 15 de setembro de 1980 e o primeiro colocado receberá uma Rosa de Prata. ” Outros Jornais no Brasil e Exterior divulgam o Concurso e o CTC e o resultado passa a ser o recebimento de inúmeras Trovas, mais de mil, e de autoria de centenas de Trovadores e várias cartas de Trovadores Brasileiros associando-se ao CTC.

RESULTADO DO PRIMEIRO CONCURSO DE TROVAS

O primeiro Concurso de Trovas do CTC teve o seguinte resultado.

TEMA VITÓRIA:

1º Lugar: Carolina Ramos, Santos, SP. Sempre amiga e hospitaleira. / Se quem vem não quer deixar-te / Vitória tu vais inteira / No coração de quem parte.          

2º Lugar: Aristheu Bulhões, Santos, SP. Pelo mar, sempre beijada, / Vitória, bela e feliz, / É linda jóia engastada / No mapa deste país.

3º Lugar: José Valeriano Rodrigues, Belo Horizonte, MG. Quando Vitória está calma, / É a noite é plena de lua, / A gente sente sua alma / Na alma da gente da rua.

TEMA ANCHIETA:

1º Lugar: Rangel Coelho, Rio de Janeiro.          Anchieta, pelo que diz / Seu evangelho de luz, / Foi o Francisco de Assis / Das Terras de Santa Cruz.

2º Lugar: Aloísio Bezerra, Ceará. / Lá no céu muito chorou / Anchieta, e tem chorado, / Que o índio, a quem tanto amou, / No Brasil, só tem penado.

3º Lugar: Vicente Nolasco Costa, Vila Velha, ES. Vitória, dos meus encantos, / Coração do meu planeta, / Venero, dentre teus santos, / O grande santo Anchieta.

TEMA: CAPIXABA:

1º Lugar: Zé de Ávila, Barretos, São Paulo. Na casa de um Capixaba / Se a gente chega com pressa, / A pressa logo se acaba / Quando a conversa começa.

2º Lugar: João Figueiredo, Rio de Janeiro. Festa no Espírito Santo… / Quem for mineiro não vai… / – Você aí nesse canto… / – Eu sou Capixaba… uai.

3º Lugar: Izo Goldman, São Paulo. O Capixaba garante / Que sua terra é um encanto: / – “Espírito tem bastante… / O que falta mesmo é… Santo…”

Após o Concurso, Clério recebe várias cartas de Trovadores Brasileiros associando-se ao CTC, tanto que em 1981, um ano após a sua fundação o CTC já possuía mais de 500 sócios no Espírito Santo e no Brasil. Entrevistas são concedidas para diversas emissoras de rádio e Televisão e o CTC amplia seus horizontes com mais adeptos e admiradores.

OUTUBRO DE 1980. DIA DE SÃO FRANCISCO

1980 – O primeiro evento cultural e público do Clube dos Trovadores Capixabas foi realizado no dia 4 de outubro de 1980, um sábado, ou seja, três meses depois de fundado, o CTC, Clube dos Trovadores Capixabas, em comemoração ao Dia do Padroeiro dos Trovadores, São Francisco de Assis, realizava a sua primeira Reunião Pública, no Teatro Carlos Gomes, na Praça Costa Pereira, em Vitória, ES, com a presença do Presidente da Fundação Cultural (órgão máximo da Administração Estadual da época), Professor Renato José Costa Pacheco. A Solenidade foi realizada para comemorar São Francisco de Assis e proceder a entrega de prêmios aos vencedores do Primeiro Concurso de Trovas com os temas, Capixaba, Anchieta e Vitória. A solenidade foi no Centro da Cidade de Vitória em um dos lugares mais tradicionais, o Teatro Carlos Gomes, na Praça Costa Pereira, estando presente entre os classificados o Trovador Aristheu Bulhões, da cidade de Santos no Estado de São Paulo. Além do Trovador Aristheu Bulhões também foram registradas as presenças do Trovador Elmo Elton, de bengala, Nelson Abel de Almeida, Renato José Costa Pacheco, Adelpho Poli Monjardim e o Promotor e Trovador Vicente Nolasco Costa. Na ocasião o CTC entregou diplomas aos sócios fundadores e sócios de honra presentes, sendo homenageados: Professor Guilherme Santos Neves, Renato Pacheco, Elmo Elton e Eno Teodoro Wanke, conforme notícia publicada no Jornal A Gazeta, caderno Dois, de 04 de outubro de 1980, página 3. No mesmo evento também foram homenageados Elmo Elton e Beatriz Abaurre, eleitos respectivamente Rei e Rainha dos Trovadores Capixabas. Como o evento foi no Centro de Vitória, ES, o Escritor Eno Teodoro Wanke foi o único dos homenageados que faltou ao evento, por residir no Estado do Rio de Janeiro. Na foto do evento, a mesa que presidiu a solenidade: Nelson Abel de Almeida; Guilherme Santos Neves; Elmo Elton; Renato José Costa Pacheco e Clério José Borges. Da cidade de Santos, São Paulo compareceu o Trovador Aristheu Bulhões, classificado em 2º Lugar com uma Trova sobre Vitória. Estava acompanhado de sua esposa Walquíria. Aristheu recebeu o seu Troféu das mãos do então Presidente da Fundação Cultural do Espírito Santo, Prof. Renato José Costa Pacheco. Nascido a 8 de junho de 1909, em Maceió, Alagoas, o Trovador Aristheu foi conferente da Alfândega de Santos e membro da Academia Santista de Letras, da qual foi presidente por duas vezes. Também foi membro da Associação Brasileira de Imprensa; da Academia Guimarães Passos, de Maceió, e sócio correspondente da Academia Alagoana de Letras. Poeta e escritor. Fez numerosas palestras literárias no Instituto Histórico e Geográfico de Santos e no Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente. Foi Sócio Correspondente do Clube dos Trovadores Capixabas, CTC. Já falecido. São Francisco de Assis já era patrono dos Trovadores filiados a União Brasileira de Trovadores, UBT, desde a fundação da entidade em 1966. Na Juventude, Francisco fazia Poesias e se dizia um Trovador (Poeta). Em 1º de Julho de 1980, quando o CTC, Clube dos Trovadores Capixabas foi fundado, São Francisco de Assis passou também a ser Patrono dos Trovadores do CTC. “Trovador”, na época de Francisco, significava o mesmo que “poeta” em sentido amplo, conforme publicação da Revista Vozes divulgada pelo escritor Eno Teodoro Wanke, em carta circular da COF – Comissão de Organização da FEBET – Federação Brasileira de Entidades Trovistas, datada do Rio de Janeiro de 23 de setembro de 1982. São Francisco faleceu a 3 de outubro de 1226, sendo enterrado no domingo, dia 4, o qual é considerado pela Igreja Católica, o dia de São Francisco. O CTC considera o dia 4 de outubro como o dia da Trova. Em Vitória, Capital do estado do Espírito Santo, o Dia 4 de Outubro é, por Lei Municipal, o Dia Municipal da Trova. A UBT considera o dia de nascimento do Trovador Luiz Otávio, (Gilson de Castro), 18 de julho, como o Dia do Trovador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *