Lilith esposa de Adão no Paraíso

CURIOSIDADES: LILITH A PRIMEIRA MULHER DE ADÃO

Curiosidades Livro de Fatos Curiosos de Clério José Borges
A primeira Mulher de Adão. Adão e Lilith. Bíblia Sagrada. Gênesis. Eva 2ª Mulher de Adão.
A primeira Mulher de Adão. Adão e Lilith. Bíblia Sagrada. Gênesis. Eva 2ª Mulher de Adão.

Nesta pesquisa especial vamos estudar várias versões para o fato de um personagem lendário chamado de LILITH que teria sido a primeira MULHER da ADÃO. Vamos analisar vários textos sobre o assunto, inclusive citações bíblicas para que você reflita e avalie. Seu comentário no final seria de ótima serventia para a prática do debate sobre o assunto.

A primeira Mulher de Adão. Adão e Lilith. Bíblia Sagrada. Gênesis. Eva 2ª Mulher de Adão. Vídeo de Clério José Borges com Rafael Freghali (Rafael Rodrigues Modesto).

Lilith (לילית em hebraico) é referida na Cabala como a primeira mulher do bíblico Adão, sendo que em uma passagem (Patai81:455f) ela é acusada de ser a serpente que levou Eva a comer o fruto proibido. No folclore popular hebreu medieval, ela é tida como a primeira esposa de Adão, que o abandonou, partindo do Jardim do Éden por causa de uma disputa sobre igualdade dos sexos, chegando depois a ser descrita como um demônio.

De acordo com certas interpretações da criação humana em Gênesis, no Antigo Testamento, reconhecendo que havia sido criada por Deus com a mesma matéria prima, Lilith rebelou-se, recusando-se a ficar sempre em baixo durante as suas relações sexuais. Na modernidade, isso levou a popularização da noção de que Lilith foi a primeira mulher a rebelar-se contra o sistema patriarcal.

Assim dizia Lilith: ‘‘Por que devo deitar-me embaixo de ti? Por que devo abrir-me sob teu corpo? Por que ser dominada por ti? Contudo, eu também fui feita de pó e por isso sou tua igual.’’ Quando reclamou de sua condição a Deus, ele retrucou que essa era a ordem natural, o domínio do homem sobre a mulher, dessa forma abandonou o Éden.

Três anjos foram enviados em seu encalço, porém ela se recusou a voltar. Juntou-se aos anjos caídos onde se casou com Samael que tentou Eva ao passo que Lilith Tentou a Adão os fazendo cometer adultério. Desde então o homem foi expulso do paraíso e Lilith tentaria destruir a humanidade, filhos do adultério de Adão com Eva, pois mesmo abandonando seu marido ela não aceitava sua segunda mulher. Ela então perseguiria os homens, principalmente os adúlteros, crianças e recém casados para se vingar.

Após os hebreus terem deixado a Babilônia Lilith perdeu aos poucos sua representatividade e foi limada do velho testamento. Eva é criada no sexto dia, e depois da solidão de Adão ela é criada novamente, sendo a primeira criação referente na verdade a Lilith no Gênesis.

No período medieval ela era ainda muito citada entre as superstições de camponeses, como deixar um amuleto com o nome dos 3 anjos que a perseguiram para fora do Éden, Sanvi, Sansavi e Samangelaf para que ela não o matasse, assim como acordar o marido que sorrisse durante o sono, pois ele estaria sendo seduzido por Lilith.

A primeira Mulher de Adão. Adão e Lilith. Bíblia Sagrada. Gênesis. Eva 2ª Mulher de Adão.

A imagem de Lilith, sob o nome Lilitu, apareceu primeiramente representando uma categoria de demônios ou espíritos de ventos e tormentas na Suméria por volta de 3000 A.E.C. Muitos estudiosos atribuem a origem do nome fonético Lilith por volta de 700 A.E.C.

Ela é também associada a um demônio feminino da noite que originou na antiga Mesopotâmia. Era associada ao vento e, pensava-se, por isso, que ela era portadora de mal-estares, doenças e mesmo da morte. Porém algumas vezes ela se utilizaria da água como uma espécie de portal para o seu mundo. Também nas escrituras hebraicas (Talmud e Midrash) ela é referida como uma espécie de demônio.

Talvez dada a sua longa associação à noite, surge sem quaisquer precedentes a denominação screech owl, ou seja, como coruja, na famosa tradução inglesa da bíblia, na Bíblia KJV ou King James Version. Ali está escrito, em Isaías 34:14 que … the screech owl also shall rest there. É preciso salientar, comparativamente, que na renomada versão em língua portuguesa da bíblia, isto é, na tradução de João Ferreira de Almeida, esta passagem relata que … os animais noturnos ali pousarão, não havendo menção da coruja[1], como é freqüentemente, muito embora erroneamente, citado no Brasil (tratando-se de um claro exemplo da forte influência da cultura anglo-saxã no mundo lusófono atual).

Na Suméria e na Babilônia ela ao mesmo tempo que era cultuada era identificada com os demônios e espíritos malignos. Seu símbolo era a lua, pois assim como a lua ela seria uma deusa de fases boas e ruins. Alguns estudiosos assimilam ela a várias deusas da fertilidade, assim como deusas cruéis devido ao sincretismo com outras culturas. A imagem mais conhecida que temos dela é a imagem que nos foi dada pela cultura hebraica, uma vez que esse povo foi aprisionado e reduzido à servidão na Babilônia, onde Lilith era cultuada, é bem provável que viam Lilith como um símbolo de algo negativo. Vemos assim a transformação de Lilith no modelo hebraico de demônio. Assim surgiu as lendas vampíricas, Lilith tinha 100 filhos por dia, súcubus quando mulheres e íncubus quando homens, ou simplesmente lilims. Eles se alimentavam da energia desprendida no ato sexual e de sangue humano. Também podiam manipular os sonhos humanos, seriam os geradores das poluções noturnas. Mas uma vez possuído por um súcubus dificilmente um homem saía com vida.

Lilith: Primeira mulher de Adão?
A história de Lilith surgiu na Babilônia e foi importada para a tradição judaica. O folclore judaico trata Lilith como uma espécie de demônio feminino. A primeira menção sobre quem foi Lilith surgiu entre os sumérios a 3000 a.C, com um registro conhecido como “o poema Lilitu”.

Lilith é uma personagem mitológica. Segundo alguns mitos que se tornaram populares na Idade Média, Lilith foi a primeira mulher, criada antes de Eva. Lilith se rebelou e foi expulsa do Éden, tornando-se em um demônio. Essa história não tem nenhum fundamento bíblico.

O mito de Lilith surgiu entre os judeus e a história poderá ter influência da religião da Babilônia, que tinha uma deusa cruel com um nome parecido. A cultura judaica foi marcada pelo exílio na Babilônia. Mais tarde, o mito judaico ganhou alguma popularidade entre os cristãos, mas nunca foi aceite como parte da fé cristã.

Lilith, Adão e Eva

De acordo com o mito, Deus criou primeiro Adão e Lilith do pó da terra. Assim, a primeira mulher de Adão não foi Eva. Mas Lilith não era submissa a Adão. Ela tinha sido criada da mesma forma que Adão, por isso exigia igualdade e não aceitava ser dominada pelo marido. A briga entre Adão e Lilith se tornou tão grande que ela tomou o nome de Deus em vão e abandonou o jardim do Éden.

Deus enviou três anjos para convencer Lilith a voltar para o Éden e se submeter a Adão, mas ela escolheu rejeitar a reconciliação. Por isso, Lilith se tornou em um demônio. Adão ficou sozinho e triste, então Deus criou Eva para ser sua companheira. Eva foi criada a partir da costela de Adão, diferente de Lilith, e aceitou a sua posição de submissão ao marido.

Algumas histórias ainda acrescentam que Lilith foi a serpente que convenceu Eva a comer do fruto proibido. Ela tinha ciúmes de Eva e Adão, por isso decidiu destruí-los, levando-os a pecar.

Onde Lilith é citada na Bíblia

O único possível versículo de referência a Lilith é em Isaías 34:14. Nessa passagem, a palavra hebraica traduzida como “criaturas noturnas” é parecida com Lilith. A criatura mencionada representa um demônio ou uma criatura da noite, que assombraria a terra de Edom depois da sua destruição. Todas as criaturas nessa passagem são símbolos da desolação de Edom, que seria castigado por seus pecados. Como o texto é simbólico, não podemos dizer com certeza se essa criatura existe mesmo ou se é só uma metáfora.

Na Babilônia, Lilith era uma deusa e provavelmente os judeus a incluíram na sua cultura durante o período em que ficaram exilados.

Nos textos babilônicos, Lilith era “a prostituta do templo de Isthar”, um demônio feminino que causava a queda dos homens através da sedução. Como deusa, Lilith estava associada a lua, ao adultério, a morte (aborto) e a doenças sexualmente transmissíveis.

Podemos constatar no Antigo Testamento a influência da cultura babilônica entre o povo de Israel e suas consequências, apesar disto, não há nenhum registro sobre a existência de Lilith na Bíblia.

Lilith passou a fazer parte do folclore judaico de forma tardia, na Idade Média. Na verdade, Lilith passou a ganhar fama nos dias atuais devido à produção de livros de ficção, desenhos e filmes, tornando a sua história ainda mais confusa.

A história de Lilith
O primeiro registro a falar sobre a vida Lilith foi o “Alfabeto de Ben-Sira”, uma sátira judaica que contém cenas de incesto e até flatulência. O texto humorístico do período medieval conta que Lilith teria sido a primeira mulher do mundo, a primeira mulher de Adão.

Deus teria feito Lilith antes de Eva, do pó da terra, assim como Adão. No primeiro ato sexual, Lilith se recusou a ficar por baixo de Adão, exigindo ser tratada da mesma forma que ele. Ambos passam a discutir, Lilith diz o nome de Deus em vão e foge voando do jardim do Éden.

Adão orou a Deus, que enviou três anjos para resgatá-la, mas Lilith se recusou retornar ao Éden. Castigada a ter cem abortos por dia, Lilith se torna uma espécie de demônio do mar Vermelho.

Devido à solidão de Adão, Deus cria Eva. Esta agrada Adão causando ciúmes em Lilith, que se transforma em serpente e faz Eva a comer do fruto proibido.

Não é possível afirmar que a história de Lilith seja verdade, por se tratar de uma ficção medieval com influências da comédia grega. Existem também outros textos que dizem que Lilith se tornou esposa de Lúcifer ou Samael.

A história de Lilith, é por vezes, utilizada como um símbolo feminista no combate ao machismo. Apesar do direito das mulheres ser uma causa justa, isto não torna a história de Lilith verdadeira.

Lilith, Adão e a Bíblia
Lilith não foi a primeira mulher de Adão. Algumas pessoas alegam que o versículo de Gênesis 1:27 que diz que “Deus criou o homem e a mulher” surge antes da citação de Eva em Gênesis 2. Dando margem a interpretação que existiria uma mulher antes de Eva. Outro ponto para este argumento seria a reação de Adão ao dizer “esta sim”, como se houvesse outra mulher, veja o versículo:

Disse então o homem: “Esta, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne! Ela será chamada mulher, porque do homem foi tirada”. Gênesis 2:23

No caso, trata-se de um erro de interpretação de texto, veja como está organizado o início do livro de Gênesis: o primeiro capítulo fala quando o homem e a mulher foram criados em meio a tudo. Já o capítulo 2, detalha como Adão e a mulher foram criados. Não existe o “homem e Adão”, nem a “mulher e Eva”, existe o homem e a mulher que se chamam Adão e Eva.

Vale destacar que a mulher só passa a se chamar Eva no capítulo 3, o que deixa ainda mais claro que só existe uma mulher. Quando Adão diz “esta sim” está reagindo ao fato de Eva ser como ele – mesma espécie – em forma e aparência.

Outra tentativa de inserir Lilith em Gênesis, vem de uma crença islâmica que Lilith seria a serpente que enganou Eva. Contudo, a própria Bíblia afirma em Apocalipse 12:9 que a serpente é o Diabo: “Ele é a antiga serpente chamada Diabo ou Satanás, que engana o mundo todo.”

A única passagem que recorre à expressão “lilith” encontra-se em Isaías 34:14 na versão hebraica. No entanto, Isaías 34 foi escrito antes do exílio dos judeus na Babilônia, logo não havia influência da figura de Lilith e não se tratava de um nome próprio. Veja o versículo:

“Criaturas do deserto se encontrarão com hienas, e bodes selvagens balirão uns para os outros; ali também descansarão as criaturas noturnas e acharão para si locais de descanso.” Isaías 34:14

No texto original, o termo “criaturas noturnas” em hebraico remete a expressão “lilith” – com letra minúscula – que significa “noturna” ou “noite”. Trata-se de um texto simbólico, o profeta cita a figura de animais selvagens – hienas, bodes e corujas – não de deuses e demônios.

Esta confusão é similar ao caso de Lúcifer – também escrito em Isaías – que a tradução original significa “estrela da manhã” e a Bíblia não faz nenhuma menção a sua existência. Da mesma forma, não podemos tratar Lilith como um demônio feminino, se de fato, a Bíblia não fala nada sobre a sua existência. Afirmar que Lilith é um demônio é afirmar que Lilith existe.

Desmistificando Lilith através da Bíblia
Na Bíblia, Deus criou o homem e a mulher semelhantes um ao outro, para cooperarem entre si, não para competirem.

Veja algumas referências bíblicas que desmistificam a existência de Lilith:

A Bíblia não cita Lilith em Gênesis, tampouco a existência de uma mulher anterior a Eva.
Em Gênesis 1:27 fala quando o homem e a mulher foram criados. Já em Gênesis 2 descreve como Adão e a “mulher” foram criados.
A Bíblia afirma que serpente que enganou “mulher” foi o Diabo, não Lilith – Apocalipse 12:9
A “mulher” não tinha nome. Adão a chamou de Eva depois que comeu o fruto proibido – Gênesis 3:20
Isaías 34 cita a figura de animais selvagens, não de demônios ou pessoas.
A tradução “criaturas noturnas” não é nome o próprio “Lilith”, assim como “estrela da manhã” não é o nome próprio “Lúcifer”.

Lilith esposa de Adão no Paraíso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *