Serra Centro é o bairro mais antigo do Município. O topônimo (origem do nome) está relacionado à origem da cidade, localizada ao pé da SERRA ou do Monte Mestre Álvaro.

DATAS HISTÓRICAS DA CIDADE DA SERRA – ES. Datas brasileiras. De 1500 a 2015.

Cidades Colonização Espírito Santo História da Serra
Serra Sede.

Em ordem cronológica as datas históricas da história da Serra e do Brasil.

Pesquisa do escritor e Historiador Clério José Borges de Sant Anna.

         1500, 22 DE abril – Pedro Álvares Cabral descobre o Brasil.

         1501 – Nasce Maracajaguaçu na ilha de Paranapuã (Ilha do Governador) no Rio de Janeiro. Gato Bravo Grande Chefe da Nação dos Temiminós. Um dos fundadores da Serra, ES. Ao se tornar um Cristão recebe o nome de Vasco Coutinho.

1524 – Nasce na ilha de Paranapuã, (ilha do Governador), Rio de Janeiro, o índio Araribóia, (Cobra Feroz, das Tempestades, fundador de Carapina e Niterói, filho de Maracajaguaçu. Ao se tornar um Cristão recebe o nome de Martim Afonso de Souza.

1529 – Nasce na Ilha de Paranapuã, Rio de Janeiro o índio Manemoaçu, que tanto em tupi como em guarani, significa mofino grande. Desafortunado. Sem sorte. Após ser batizado e se tornar um Cristão recebeu o nome de Sebastião de Lemos. Manemoaçu teria sido abduzido por Extraterrestres na Serra, ES.

1530 – Martim Afonso de Souza chega ao Brasil na primeira expedição chamada de colonizadora, pois tinha por objetivo iniciar a colonização. O primeiro engenho produtor de açúcar do Brasil, com o nome “São Jorge”, é instalado em 1532 na vila de São Vicente por Martim Afonso de Souza.

1532, 22 de janeiro – É fundada por Martim Afonso de Souza a vila de São Vicente, que é a primeira vila fundada no Brasil.

1534, março – Dom João III era rei de Portugal, em 1534. Para povoar a vasta extensão de terra que Pedro Álvares Cabral havia descoberto em 1500, resolveu dividir o Brasil em vários grandes lotes chamados Capitanias. Assim o Brasil foi dividido em quinze faixas de terras, de norte a sul, formando doze capitanias.

1534, 1º de junho – Na cidade de Évora, Portugal, Dom João III assina, no dia 1º de junho de 1534, a Carta de Doação de 50 léguas de terra na costa do Brasil, ao “fidalgo da Casa Real”, Vasco Fernandes Coutinho. Segundo os historiadores a Capitania quando foi doada não tinha nome. Com a Carta de Doação, Coutinho organiza sua viagem. Compra materiais e utensílios. Contrata marinheiros. Adquire, com dinheiro do seu próprio bolso, um Navio Caravela, que recebe o nome “Glória” e empreende viagem para o Brasil, tendo a bordo 60 pessoas, a grande maioria criminosos e entre eles, Dom Jorge de Menezes, o descobridor da Nova Guiné e Dom Simão Castelo Branco.

1535, 23 de maio – Num domingo, dia 23 de maio de 1535, Vasco Coutinho chega à sua Capitania.  A tripulação desembarca numa pequena enseada junto ao morro, à esquerda da entrada da baía, que “julgavam ser um rio”. O local, onde hoje está a cidade de Vila Velha, recebe o nome de Espírito Santo, porque naquele dia, 23 de maio, a Igreja Católica Apostólica Romana comemorava a festa da terceira pessoa da Santíssima Trindade, o Espírito Santo. A festa de Pentecostes. Os Índios a princípio são hostis. São realizados alguns disparos de canhão que acabam afugentando os nativos para a floresta. Em seguida são construídos os “primeiros casebres” e uma fortificação. É formada a povoação e o Donatário e seus companheiros, “povoadores dos mais destemidos”, iniciam os planos para explorarem toda a área da Capitania.

1535, 19 de junho – O desbravamento do território em que está situado o atual Município da Serra inicia-se em 1535, com os grupos de primeiros exploradores que, por terra foram abrindo picadas, “sertão a dentro”, em direção à Serra. A primeira expedição destinada a investigar os arredores da povoação, sede da Capitania, foi organizada e iniciada menos de um mês após a chegada de Coutinho, em fins de maio e princípios de junho, mandou investigar os arredores da povoação, seguindo a mira do Mestre Álvaro. (…) pelo fim do mês, outros exploradores, por terra, foram abrindo picadas, sertão a dentro, (…) chegando até aos arredores do lugar onde está hoje a cidade da Serra. O espanhol Felipe de Guilhem, “entendido em pedras preciosas”, que veio com Coutinho, parte para a região da Serra em busca de riquezas. São descobertas pepitas de ouro junto a cascalhos nos córregos do Mestre Álvaro. São encontradas também outras preciosidades. A região fica com fama de lugar de grande riqueza. Portanto na História da Serra, o espanhol Felipe de Guilhem foi um dos pioneiros da região.  Guilhem não instalou nenhum povoado e nem organizou nenhuma aldeia.

Constata-se na região do Mestre Álvaro a existência de ouro. Segundo registros históricos: “Ouro de aluvião espalhado em pequenas quantidades, (…), conseguidos (…) na Região do Mestre Álvaro. ” Ouro é um metal precioso de cor amarela e brilhante com o qual se fazem moedas e joias de alto preço. Já o ouro de aluvião brilha intensamente, porém possui pouco valor já que é encontrado misturado a argila e areia.

1548 – Foi criado o Governo Geral do Brasil.

1549 – Chega ao Brasil o Primeiro Governador Geral, Tomé de Souza, que administrou o território brasileiro até 1553. Junto chega o Padre Manoel da Nóbrega.

1553 – Chega ao Brasil, Duarte da Costa, o segundo Governador geral. Também chegam ao Brasil: Braz Lourenço, fundador da Serra e de Carapina; José de Anchieta e Álvaro da Costa, filho do Governador.

1553, dezembro – O Padre Jesuíta Braz Lourenço chega ao Espírito Santo para comandar os Padres da Capitania. Veio substituir ao Padre Afonso Braz.

1554, 25 de janeiro – José de Anchieta, Manoel da Nóbrega e Manoel de Paiva fundam o Colégio de São Paulo, que dá origem a cidade de São Paulo.

1554, dezembro – Os Tamoios expulsam os Índios Temiminós da Ilha de Paranapuã, atual Ilha do Governador, no Rio de Janeiro. Vasco Coutinho manda quatro navios e a tribo indígena muda-se para o Espírito Santo.

1554 – Maracajaguaçu, com 53 anos de idade, e a Nação dos Temiminós muda-se do Rio de Janeiro para o Espírito Santo. Se instala Espírito Santo no “primeiro quartel”, ou seja, nos primeiros quatro meses de 1554. Junto está Araribóia que vive dez anos no Espírito Santo.

1555 – Maracajaguaçu muda-se de Vitória para a região de Santa Cruz onde é fundada a Aldeia de Maraguai, na foz do rio Piraqueaçu. (Santa Cruz). No ano seguinte, 1556, atendendo a um pedido do Donatário Vasco Coutinho, os Índios Temiminós mudam-se para mais próximo de Vitória sendo alojados por Braz Lourenço nas proximidades do Mestre Álvaro e do Rio Santa Maria da Vitória. É escolhida a Região do Mestre Álvaro, na várzea e no Sopé da montanha.

1555, 10 de novembro – Os franceses chegam no Rio de Janeiro e são recebidos com alegria pelos Tamoios. Frota de Villegagnon.

1556, julho – Vasco Coutinho observando que os Índios Temiminós estavam distantes da sede da Capitania, trazendo dificuldades para as visitas dos Padres e constatando também que os Índios, tão distante, teriam dificuldades de o ajudarem quando de algum ataque inimigo, solicita ao Padre Braz Lourenço que os traga para mais perto da sede da Capitania.

É escolhida a Região do Mestre Álvaro, na várzea e no Sopé da montanha.

1556, 8 de dezembro – É inaugurada a Capela de Nossa Senhora da Conceição na Aldeia dos Índios Temiminós, nas proximidades do Mestre Álvaro.

A capela passa a ser conhecida como capela de Nossa Senhora da Conceição da Serra. E, a região passa a ser chamada de Serra.

1557 a 1572 – Mem de Sá, terceiro Governador geral, governa o Brasil durante 15 anos.

1558 – Duarte da Costa despede-se do Brasil e volta para Portugal.

1558, 20 de janeiro – Manemoaçu, filho de Maracajaguaçu é batizado na sede da Capitania do Espírito Santo.

1558, 2 de abril – Morre Manemoaçu, filho de Maracajaguaçu, na sede da Capitania do Espírito Santo.

1558, 29 de maio – Data de batismo de Maracajaguaçu e sua mulher Branca Coutinho e outros membros de sua tribo. Na sede da Capitania do Espírito Santo com a presença de Vasco Fernandes Coutinho, Donatário da capitania.

1559 – Villegagnon volta a França para buscar mais homens e armas para a França Antártica que fundara no Brasil. Não consegue apoio do Rei da França e acaba não retornando mais para o Brasil.

1560, 16 de janeiro – Sai de Salvador, Bahia, a primeira expedição, comandada pelo próprio Governador geral, Mem de Sá, para combater franceses e Tamoios no Rio de Janeiro.

1560, 15 de março – A expedição de Mem de Sá ataca a ilha de Henri, também conhecida pelos nomes de Serigipe e Villegagnon, onde estava o Forte Coligny e um depósito de pólvora. Araribóia com uma tocha entre os dentes, escala o penhasco e explode o depósito de pólvora.

1562 – É fundada a Aldeia de São João (Carapina) com Araribóia e seus parentes Temiminós.

1564 – Sai de Salvador a segunda expedição para combater os franceses e Tamoios no Rio de Janeiro. É comandada por Estácio de Sá. Passa pelo Espírito Santo onde embarcam Araribóia e vários índios flecheiros.

1565 a 1567 – Araribóia realiza várias viagens para a região da Capitania de São Vicente, São Paulo. Lá é batizado e recebe o nome de Martim Afonso de Souza.

1565, 1º de março – Estácio de Sá constrói um forte próximo a praia Vermelha no Rio de Janeiro. Junto ao forte surge um povoado com o nome de São Sebastião do Rio de Janeiro.

1567, 20 de fevereiro – Morre Estácio de Sá o fundador do povoado de São Sebastião do Rio de Janeiro, após ter recebido uma fecha envenenada no rosto.

1567 – Derrota dos franceses que são expulsos do Rio de Janeiro.

1568 – A Aldeia de Araribóia, em São Cristóvão, Rio de Janeiro é atacada pelos Tamoios que estavam em Cabo Frio. Os Tamoios são derrotados.

1568, novembro – Morre Maracajaguaçu, Gato Grande, Fundador da Serra, na Aldeia de São João em Carapina.

1572 – Mem de Sá, terceiro Governador geral do Brasil morre em Salvador, Bahia.

1573 – O Brasil passa a ter 2 sedes de governo. Uma na Bahia e outra no Rio de Janeiro.

1573, 22 de novembro – Araribóia toma posse da Sesmaria que recebeu como prêmio, doada por Mem de Sá, na região de São Lourenço e Caraí. Constrói sua Aldeia que dá origem a cidade de Niterói.

1577 – O Brasil volta a ter uma única sede de Governo geral, com capital em Salvador.

1587 – Araribóia morre afogado na baía de Guanabara.

1624 – Os holandeses atacam o Brasil pela primeira vez, na Bahia. Chegam para acabar com as plantações de Cana de Açúcar e com os engenhos que estavam dando prejuízo comercial para a Holanda.

1700 – 1800 – Período em que a Sede da Serra, Carapina e Jacaraípe pertencem ao município de Vitória.

1724 – Dia 24 de março – Data da 1ª Carta Régia de instalação da Freguesia da Serra. A freguesia não é instalada pois a Igreja não estava pronta.

1752 – Dia 24 de maio – Data da segunda Carta Régia. A Serra é elevada à condição de Distrito e Paróquia.

1769 – A Freguesia da Serra foi instalada e desmembrada da Freguesia de Vitória. Nesse mesmo ano foi concluída a construção da Igreja de Nossa Senhora da Conceição.

1822 – A Serra é elevada à categoria de Vila. Em 2 de abril.

1833 – 2 de abril – É criado o Município da Serra. O Conselho do Governo do Espírito Santo estabelece o Município da Serra em ato de 2 de abril de 1833 e a instalação ocorre em 19 de agosto.

1833 – Dia 19 de agosto – Data da instalação do Município da Serra.

1847 – A primeira Agência de Correios foi instalada em 26 de fevereiro de 1847 e a agência postal-telegráfica em 16 de julho de 1876 (de 3a. Classe). A Agência foi visitada pelo Imperador Dom Pedro II em 1860.

1849 – Dia 19 de março. Insurreição de escravos na Vila do Queimado.

1860 – A Serra recebe a visita do Imperador Dom Pedro II. Em seu Diário Dom Pedro registra “Vila da Serra”. A sede era Vila, mas a Serra já era Município, desde 1833, tanto assim que possuía Câmara Municipal onde Dom Pedro foi inclusive saudado com um discurso pelo Vereador Pimentel. Na época no Brasil não existia a figura de Prefeito de um Município.

1866, 26 de janeiro – É extinta, no Rio de Janeiro, a Aldeia de Araribóia e surge a cidade de Niterói.

1875 – 6 de novembro – A vila da Serra é elevada à categoria de Cidade. A sede da Serra deixa de ser Vila e recebe o título de Cidade, pela lei N.º 6, de 6 de novembro de 1875, ano em que a sede da Serra foi elevada à Categoria de Cidade, em projeto do Deputado Provincial do Espírito Santo, Major Joaquim Pereira Franco Pissarra, que recebeu como homenagem ao seu nome, uma das ruas da sede do Município. A instalação solene ocorre com festas no dia 2 de dezembro de 1875, data do aniversário de Dom Pedro II.

1875 – 2 de dezembro – Data da solenidade de instalação da cidade da Serra, no dia do aniversário de Dom Pedro II, que em 1860 visitara a Serra.

1876 – A agência postal-telegráfica é instalada na Serra, em 16 de julho de 1876.

1911 – Na Divisão Administrativa de a sede do Município aparece integrado num único distrito, o da sede.

1927 – É apresentado pela primeira vez no município, o Hino da Serra.

1934 – Início das Reformas Ortográficas no Brasil. O “Y” da palavra “Maracayaguaçu” não é mais usado.

1938 – Dia 11 de novembro – Data em que entra em vigor o Decreto Lei Estadual N.º 9.981, em que são oficializados os Distritos de Serra Sede, Carapina, Nova Almeida, Calogi e Queimado.

1942 – Dia 1º de junho – É criada a Companhia Vale do Rio Doce.

1963 – Dia 31 de dezembro – Data da Lei Estadual N.º 1919, que estabelece os limites da Serra, criando uma linha imaginária, para que o Aeroporto e o Porto de Tubarão passassem a pertencer ao município de Vitória, já que antes estavam na área do município da Serra.

1966 – 1º de abril – Data da inauguração do Porto de Tubarão.

1970 – No Governo Christiano Dias Lopes Filho é criado e instalado o Centro Industrial de Vitória, CIVIT, na Serra.

1975 – Dia 28 de maio – Em cerimônia cívica realizada na sede é apresentada a Bandeira e o Brasão (Escudo) da Serra.

1980 – Dia 1º de julho de 1980. É fundado em Eurico Salles, Carapina Serra, ES, o Clube dos Poetas Trovadores Capixabas, CTC que em 18 de novembro de 2017 transformou-se em ACLAPTCTC, Academia Capixaba de Letras e Artes de Poetas Trovadores.

1993 – Dia 28 de agosto de 1993. Em Assembléia Geral presidida por Clério José Borges de Sant Anna e secretariada pelo Professor Carlos Dorsch é fundada a ALEAS, Academia de Letras e Artes da Serra no recinto da Câmara Municipal da Serra.

Clério é eleito presidente e Naly da Encarnação Miranda é eleito Presidente de honra. Em 1994 é realizada a posse solene dos Acadêmicos Imortais da ALEAS.

1983 – É inaugurado o Porto de Praia Mole.

1990 – Dia 5 de abril – Data da aprovação da Lei orgânica da Serra onde o município é dividido para fins administrativos em 5 distritos.

1998 – Dia 21 de janeiro – Através de Decreto, o Prefeito Sérgio Vidigal, oficializa os símbolos da Serra: Hino, Brasão e Bandeira.

2000 – O país comemora os 500 anos do descobrimento.

2008 – Dia 12 de dezembro. Inauguração do Parque da Cidade.

2015 – Dia 24 de Setembro. É realizada na Câmara Municipal da Serra, por solicitação do Vereador José Raimundo de Bessa, uma Sessão Solene em homenagem ao Dia do Historiador da Serra, que se comemora anualmente no dia 15 de setembro, conforme Lei nº 2.767 de março de 2005.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *